Header Ads

Estilos de Sermão... O seu está aqui?

Alessandro Cristian
Comentários PC@maral


Púlpito da igreja não é lugar para se lavar roupa suja. Alguns pregadores, esquecem disto e vez por outra, lavam, secam e até passam sua roupa suja nos púlpitos das mais diversas denominações espalhadas pelo Brasil à fora.

Sobre este tema, o Alessandro Cristian escreve em seu blog e eu reproduzo aqui no PC@maral para todos vocês.

O texto completo:

Nessa minha recente caminhada cristã, tenho observado os diferentes tipos de sermão que “batem cartão” em nossos púlpitos. É claro que, dada a criatividade dos pregadores, o assunto é vasto. Na presente postagem relaciono apenas dez dos estilos de pregação que podem ser observados em nosso meio:

1) Sermão “carapuça”:

É aquele pregado quando o preletor tem uma diferença mal-resolvida com um dos presentes e, embora o templo esteja cheio, com centenas de pessoas ávidas por ouvir a exposição da Palavra, o sermão inteiro é utilizado para mandar recado àquele único desafeto.

2) Sermão “E daí?”:

É a pregação em que são utilizadas técnicas de retórica, hermenêutica e homilética, com o pregador demonstrando todo o seu conhecimento histórico e teológico, porém sem contextualização, sem uma possibilidade de aplicação pessoal daquelas informações. Dessa maneira, as palavras passam por sobre a cabeça da audiência que, com aquela cara de interrogação, parece querer perguntar: “E daí? O que é que eu tenho a ver com isso?”

3) Sermão “espada”:

“esse é o tipo de discurso cortante, penetrante, profundo”, pensarão alguns. Antes fosse. Como é então? Comprido e chato.

4) Sermão antropocêntrico:

O homem e seus “sonhos” são o assunto central.
Vontade de Deus?
Que nada!
“Não desista dos seus sonhos”!
Vida eterna?
Esqueça! “Receba a bênção agooooooora!”. Exposição permeada por frases para “elevar a moral” da audiência, do tipo “você nasceu para vencer”, “há poder em suas palavras”, “a vitória é sua”, e por aí vai.

Ok, sabemos que o cristão é mais que vencedor, que somos bem-aventurados, etc., etc., etc. O problema é que, nesse tipo de sermão Jesus raramente aparece. A ênfase recai no homem, como se de nós mesmos pudéssemos algo.
Em João 15.5, Jesus nos diz: “Eu sou a videira, vós, as varas; quem está em mim, e eu nele, este dá muito fruto, porque sem mim nada podereis fazer” (g.m.).
Moral da história: igrejas abarrotadas de pessoas apegadas a um materialismo exacerbado, espiritualmente fraca e suscetível a quaisquer ventos de doutrina.

5) Sermão “suco de quermesse”:

É profundo como uma bacia d’água. Substancioso como um envelope de “tang” diluído em uma piscina olímpica.

6) Sermão “bala perdida”:

Com palavras disparadas aleatoriamente, sem conexão alguma com o texto base, e entrecortado por “Glória a Deus” e “Aleluia”, utilizados para preencher os vácuos. “Se acertar em alguém, amém”, pensa o pregador.

7) Sermão “feira-livre”:

Nesse, o preletor se mostra azedo como um limão e ao mesmo tempo amargo como um jiló. Inicia pendurando uma melancia no pescoço no afã de aparecer. Em seguida despeja um monte de abobrinhas na audiência, distribui bananas e descasca o abacaxi em cima dos opositores. Pega alguns irmãos e os utiliza como “laranjas”, citando suas vidas a título de ilustração. E chora as pitangas ao expor ao povo os pepinos que tem enfrentado. Resumo da ópera: tem tanto conteúdo quanto um pastel de vento.

8) Sermão “míssil teleguiado”:

É direcionado. Com endereço pré-estipulado. Também conhecido como Espírito Santo de ouvido. Explico: o pregador fica sabendo por intermédio de terceiros que um membro, um casal, ou uma família daquela congregação está passando por determinado problema. A partir daí, direciona a palavra, como se a tivesse recebido por revelação do Espírito Santo. Com pretensa autoridade, aproveita para sentar a pua!

9) Sermão “contos da carochinha”:

Durante essa ministração você ouve de tudo: historinhas, testemunhos, ilustrações mil, anedotas. Citações bíblicas e Palavra de Deus, que é bom, nada!

O sermão que deve ser pregado na maioria dos púlpitos : [NT PC@ - Em 99% dos casos. Entendo que o pastor titular conhece a necessidade da igreja naquele momento.]

10) Sermão cristocêntrico:

Temos um exemplo básico em Atos 2.22-36. Começa com “Jesus Nazareno”, é recheado de citações ao Mestre, e termina com “Deus o fez Senhor e Cristo”.

Ou seja, Jesus é o cerne. Ainda se ouve, mas esse tipo de sermão anda em falta...
Comentário PC@maral:

Púlpito não é lugar para resolver questões pessoais, é o lugar onde é pregada a Palavra de Deus! As pessoas vão aos templos de todo o mundo para se alimentar espiritualmente.
Este é o momento do “banquete espiritual”, do “alimento” que leva o homem à Salvação, e, que, o faz repensar seus atos e o leva a mudar o rumo de sua vida, o momento de transformação que não pode ser desperdiçado pela vaidade humana.

Se você prega em sua igreja, lembre-se sempre disto, no momento da pregação você é o representante direto de Deus para transmitir a Sua Palavra. Se você prega outra coisa que não seja a Palavra de Deus cuidado meu irmão, o próprio Deus nos adverte:
“Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará.”
Gálatas 6:7


Soli Deo Gloria

***

Fonte: Alessandro Cristian

2 comentários:

  1. Realmente o que você descerve nesse post é que vemos muitas vezes por aí, e o pior é que muita gente gosta disso, principalmente quando o assunto é : "os meus sonhos". É a primeira vez que acesso seu blog é é bom saber que que mesmo em meio há tanta coisa absurda, há aqueles que amam a palavra, acesse também o meu blog : http://paraadorar.blogspot.com
    A paz do Senhor Jesus Cristo.

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado pelo apoio, prezado irmão.
    Deus abençoe sua vida.
    Alessandro Cristian

    ResponderExcluir

Todos os comentários serão moderados. Comentários com conteúdo fora do assunto ou do contexto, não serão publicado, assim como comentários ofensivos ao autor.

Tecnologia do Blogger.