Header Ads

Espírito Santo - Seus Grandes Feitos

Por Célia Beltran, Elaine Fontana e Rute Soares

“Envias o teu Espírito, eles são criados, e, assim, renovas a face da terra”. (Salmo 104:30)

Louvado seja o Senhor por esse dia especial que ele está nos concedendo. Dia em que estamos refletindo sobre a pessoa do Espírito Santo, através do tema: “Espírito Santo, Deus que vive e atua na Igreja”. Pela manhã já tivemos preciosos ensinos sobre quem ele é. O Espírito Santo não é uma força ou uma energia ativa que emana de Deus. Ele é Deus! Além disso, ele é uma pessoa. E, por ser uma pessoa, o Espírito Santo pensa, tem sentimentos, fala, age e se relaciona. Vimos, ainda, com base em Atos 2:1-2, que ele é missionário, imprevisível, glorioso, misterioso e imparcial. Esse é o Deus que vive na igreja!

Sabendo quem ele é, precisamos, agora, saber como ele age. Por isso, refletiremos sobre ação específica dele na igreja. Mas, antes disso, é preciso falar um pouco sobre o que ele já fez e o que continua a fazendo fora dos “muros” da igreja. Nós que somos pentecostais, temos a tendência de associar o agir do Espírito Santo apenas ao poder e aos dons que ele manifesta dentro igreja. Todavia, o Espírito Santo não está limitado à igreja. Ele é Deus. E, por ser Deus, ele é ilimitado! De fato, ele atua em todo universo e na vida de todo ser vivo. Um exemplo disso é o salmo 104, versículo 30. Dê uma olhada novamente nesse texto. De quem o salmista está se referindo ao dizer “eles”? De todos os seres vivos citados nos versos 5 a 29 desse salmo. Isso significa que, além de ser criador (cf. Jó 33:4), o Espírito Santo é, ainda, mantenedor da vida e responsável pela renovação desta. Deste modo, podemos ver a ação dele no bater do coração e no respirar de todos os seres vivos, no germinar de uma planta, no desabrochar de uma flor e no nascer de cada dia. Ele age em todo cosmo e no tempo todo. Sua obra é magnífica! Os seus feitos são incontáveis! É sobre esses feitos que falaremos agora. E, por serem incontáveis, destacaremos apenas os grandes feitos do Espírito Santo em relação à Bíblia, à Cristo e ao mundo. Vejamos:

1. OS GRANDES FEITOS DO ESPÍRITO SANTO EM RELAÇÃO À BÍBLIA

Existe uma profunda ligação entre o Espírito Santo e a Bíblia Sagrada. Ele agiu para que a Bíblia fosse escrita. Ele também agiu para que a Bíblia fosse guardada e conservada pelos séculos e chegasse até nós. E, hoje, ele prossegue agindo ao nos ajudar a entendê-la e a praticá-la. O Espírito Santo realizou e continua a realizar grandes feitos com relação as Escrituras e podemos destacar dois grupos de pessoas que são especialmente privilegiados por esses feitos dele, a saber: Os escritores e os leitores da Bíblia. Esses experimentam duas obras distintas do Espírito de Deus: A inspiração e a iluminação das Escrituras.

Em primeiro lugar, vemos nos escritores da Bíblia a obra inspiradora do Espírito Santo! Essa obra é a influência controladora que ele exerceu sobre os autores humanos, através dos quais o Antigo e o Novo Testamento foram escritos. Foi à atuação do Espírito Santo naqueles homens que os levou a escreverem. Isso ocorreu de forma tão sublime que eles escreveram exatamente o que Deus quis comunicar aos seres humanos. Deus usou homens, de diferentes locais e épocas, que foram auxiliados, assistidos e orientados pelo Espírito Santo, a fim de permitir que o conteúdo das Escrituras fosse verídico, infalível e coerente.

Na segunda carta do apóstolo Pedro, capítulo 1, versículo 21. Veja o que Pedro está dizendo sobre a questão da inspiração: “...porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens santos falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo” (II Pe 1:21). Nesse versículo, há duas expressões que requerem explicação. A primeira é “homens santos”. O que isto significa? Significa que Deus escolheu e separou homens para um propósito específico: registrar as palavras do Senhor. Embora, esses homens não fossem isentos de fraquezas, o Espírito Santo não permitiu que eles errassem ao escrever as Escrituras.

A segunda expressão que merece atenção é: “movidos pelo Espírito Santo”. Pedro está dizendo que a Bíblia não foi escrita por homens que usaram suas próprias ideias, opiniões e palavras, mas sim homens de Deus que foram “movidos” por Deus. No original, o termo traduzido por “movidos” significa “ser conduzido, como uma embarcação é levada pelo vento”.

Que metáfora maravilhosa! A ideia é que os profetas “içaram suas velas”, ao serem obedientes e receptivos, e o Espírito Santo as soprou e levou “seu barco” na direção que ele desejava. Aleluia! A Bíblia não foi inventada por homens, mas ela foi inspirada pelo Espírito de Deus!

Vale ressaltar que as pessoas que escreveram as Escrituras não eram simplesmente instrumentos desprovidos de consciência e sentimento. Ao escreverem, não foram anuladas as suas personalidades. De fato, ao inspirá-los, “o Espírito Santo não removeu, mas investiu, naquela obra, todas as peculiaridades pessoais dos escritores com todos os seus defeitos de cultura e estilos literários”. Apesar disso, quando lemos a Bíblia, logo vemos que ela é um livro especial. Algo é perceptível: Ela tem sua origem em Deus! E, isso é declarado por mais de 3.800 vezes no Antigo Testamento. Dentre as citações do Novo Testamento, destacamos além de I Pe 1:21, que fala da autoria divina da Bíblia, temos ainda I Tm 3:16 que nos diz: “Toda a Escritura é inspirada por Deus”. Essas duas passagens revelam que a origem das Escrituras é divina, pois o autor principal delas é o Espírito Santo.

Em segundo lugar, vemos nos leitores da Bíblia a obra iluminadora do Espírito Santo! Essa ação do Espírito Santo refere-se à sua influência ou ao ministério em capacitar o crente em Cristo a entender as Escrituras Sagradas. Na realidade, sem a luz do Espírito de Santo, estaremos no escuro quanto às verdades bíblicas! As coisas que Deus preparou para os que o amam (cf. I Co 2:9), só podem ser compreendidas por nós, por meio dessa iluminação. Por isso, o Espírito Santo vai revelando mais e mais de Deus, à medida que desejamos e buscamos conhecer os mistérios dele, registrados em sua Palavra (I Co 2:12).

Vejamos um exemplo esclarecedor. Em dado momento de seu ministério, Cristo começou a preparar os corações dos discípulos para aceitar o fato de que ele teria de sofrer. Em Mateus, capítulo 16, versículo 21, lemos: "Desde esse tempo, começou Jesus Cristo a mostrar a seus discípulos que lhe era necessário seguir para Jerusalém e sofrer muitas coisas dos anciãos, dos principais sacerdotes e dos escribas, ser morto e ressuscitado no terceiro dia. Mas Pedro levou Jesus ao lado para censurá-lo, dizendo: ... tem compaixão de ti, Senhor; isso de modo algum te acontecerá" (Mt 16:22). Essa reação imediata de Pedro demonstra que ele não compreendia a palavra de Jesus. Não entendia o significado da cruz de Cristo!

Contudo, no dia de Pentecostes a história foi bem diferente. Pedro, iluminado pelo Espírito Santo pôde entender aquelas palavras ditas anteriormente pelo Mestre. Ele compreendeu o que significava a morte de Cristo. Mas não só isso, naquele dia, Pedro também pregou sobre o valor dessa morte, com tanta unção e tanto poder do Espírito em sua vida, que naquele dia, cerca de três mil pessoas se converteram ao evangelho de Cristo (At 2:22-24,41). O apóstolo recebeu do Espírito Santo iluminação e autoridade na palavra. Isso acontece conosco também. Ele ilumina nossa mente e abre nosso coração, quando lemos a Bíblia, e nos dá ousadia para ensinar o que dele temos compreendido.

Na primeira carta do apóstolo João, capítulo 2, versículo 27, lemos: "Mas sobre vocês Cristo tem derramado o seu Espírito. Enquanto o seu Espírito estiver em vocês, não é preciso que ninguém os ensine. Pois o Espírito ensina a respeito de tudo, e os seus ensinamentos não são falsos, mas verdadeiros" (NTLH). Com a expressão “não é preciso que ninguém os ensine”, João estava se referindo aos falsos mestres que tentavam enganar e desviar os crentes em Cristo (cf. I Jo 2:26). Segundo esse apóstolo, todo cristão autêntico tem o Espírito Santo em sua vida, que além iluminar sua mente quanto à palavra de Deus, também lhe capacita a distinguir entre o falso e o verdadeiro evangelho.

Na oração de Paulo pelos efésios, ele pediu a Deus para que aqueles cristãos recebessem iluminação para obterem o pleno conhecimento e discernimento das coisas de Cristo (Ef 1:17-18). Tal conhecimento e tal discernimento produzem maturidade, santidade, progresso espiritual. Eles podem e devem ser buscados em oração (cf. Cl 1:9-14). Irmãos, esse é o ministério iluminador que o Espírito Santo realiza nas pessoas que lêem a Bíblia. Sem essa iluminação, é até possível conhecer muito das Escrituras Sagradas utilizando os métodos de interpretação. Mas, se o uso desses métodos for feito na dependência do Espírito de Deus, os resultados serão extraordinários e transformadores. Assim, se você deseja entender as escrituras, busque a ajuda do Espírito de Deus. E, dependa dele com humildade!

Vimos, até este momento, que a inspiração dos escritores e a iluminação dos leitores, são dois grandes feitos do Espírito Santo em relação à Bíblia. Veremos agora seus grandes feitos em relação a Cristo.

2. OS GRANDES FEITOS DO ESPÍRITO SANTO EM RELAÇÃO A CRISTO

Em Lucas, capítulo 4, versículo 18, Jesus está lendo uma profecia que falava a seu respeito: “O Espírito do Senhor está sobre mim, pelo que me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos e para pôr em liberdade os oprimidos”. Observe algo: havia um relacionamento especial entre o Espírito Santo e o Senhor Jesus, quando ele viveu entre nós. Em todos os momentos de sua vida vemos a atuação do Espírito Santo nele. Dentre os quais, podemos destacar três momentos importantes:

Em primeiro lugar, vemos a ação do Espírito Santo na concepção de Jesus. Quando o anjo Gabriel avisou que Maria daria luz ao Filho de Deus, ela assustada perguntou ao anjo: "Como acontecerá isso, se sou virgem?" Veja o que o anjo respondeu em Lucas, capítulo 1, versículo 35: "Descerá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te envolverá com a sua sombra; por isso, também o ente santo que há de nascer será chamado Filho de Deus". É, exatamente, por isso que o evangelho de Mateus diz que Maria enquanto ainda era virgem, ficou grávida pelo Espírito Santo (Mt 1:18). A encarnação de Cristo foi um milagre do Espírito Santo!

Foi através da ação dele que Jesus "assumiu a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana" (Fp 2:7). Graças à obra do Espírito Santo, "o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai" ( Jo 1:14). Sem dúvida, a concepção sobrenatural de Jesus, ou seja, sua encarnação é a maior obra realizada pelo Espírito Santo, na história da salvação. O fato de ser uma concepção virginal é importante, pois denota um grande milagre. Todavia, a ênfase bíblica não está na virgindade de Maria, mas no fato de o Espírito Santo ter lhe envolvido.

Esse nascimento sobrenatural foi imprescindível para que nosso Senhor não possuísse a semente do pecado, que todos os seres humanos trazem em si desde o momento que são gerados (Rm 12:5). Deste modo, Cristo nasceu de mulher herdando humanidade total, sem, no entanto herdar pecados e corrupção essenciais. Jesus veio a este mundo através de um ato poderoso do Espírito Santo! Os céticos podem até zombar a respeito
do nascimento virginal de Cristo, alegando ser algo impossível de acontecer.

Mas quanto a isso o anjo Gabriel resolve a questão ao dizer: "...para Deus nada é impossível" (Lc 1:37). Bem sabemos, o Espírito Santo é Deus e a concepção de Jesus é mais um de seus grandes feitos!

Em segundo lugar, vemos a ação do Espírito Santo no ministério de Jesus. É quase impossível discorrer sobre o ministério terreno de Jesus, sem mencionar a presença do Espírito Santo sobre ele. Na verdade, o ministério de Cristo começou, continuou e terminou sob a unção e o poder do Espírito Santo. O texto de Lucas 4:18, nos mostra exatamente isso. Jesus afirma: "O Espírito do Senhor está sobre mim..." Citou essas palavras para mostrar o cumprimento de uma profecia sobre a atuação do Espírito Santo em seu ministério (cf. Is 61:1,2).

Todavia, ele também usa essas palavras para resumir o conteúdo de todo seu ministério, a saber: pregação, cura e libertação. Em todas essas coisas o Mestre dependia do Espírito Santo. Nosso Senhor não apenas nasceu por intermédio do Espírito Santo, mas também exerceu todo o seu ministério através dele. Vemos a ação dele no batismo de Jesus (Mt 3:16,17), na tentação de Jesus (Mt 4:1,2) no ensino de Jesus (Lc 4:31-32). Jesus fez curar e expulsou demônios pelo Espírito Santo (Mt 12:28). Em Atos, capítulo 10, versículo 38, lemos que: "Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com poder, o qual andou por toda parte, fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do diabo, porque Deus era com ele".

Em terceiro lugar, vemos a ação do Espírito Santo no sacrifício de Jesus. O autor da carta aos Hebreus, capítulo 9, versículo 14, diz que com a ajuda do eterno Espírito Santo, Cristo de bom grado entregou-se a Deus para morrer pelos nossos pecados – Ele que era perfeito, sem uma única falta ou pecado (Bíblia Viva). A ação do Espírito Santo foi determinante para consumação da obra de Jesus no Calvário. Em seu sacrifício eterno e perfeito, Jesus, no poder do Espírito Santo, foi cheio de ânimo, dedicação e amor pelo ser humano. Isso fez com que Ele completasse seu sacrifício.Foi ungido pelo Espírito que Jesus "suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus" (Hb 12:2).

Além disso, vemos também o poder do Espírito Santo na ressurreição. Na carta aos Romanos, capítulo 8, versículo 11, está escrito: "Se habita em vós o Espírito daquele que ressuscitou a Jesus dentre os mortos, esse mesmo que ressuscitou a Cristo Jesus dentre os mortos vivificará também o vosso corpo mortal, por meio do seu Espírito, que em vós habita". Foi mediante a ação Espírito Santo que Jesus se levantou dos mortos e foi declarado verdadeiro Filho de Deus e Salvador do mundo (Rm 1:4). Depois da ressurreição, até a sua ascensão, Jesus atuou no poder do Espírito Santo. Antes de ir para o céu, ele deu ordens, pelo poder do Espírito Santo, aos homens que ele havia escolhido como apóstolos (At 1:2 – NTLH).

Concluo esta parte reafirmando que, do mesmo modo que o Pai é Deus, o Filho é Deus, o Espírito Santo também é Deus. São as três pessoas divinas que formam a Trindade. Elas atuam em harmonia e comunhão absolutas. E, por isso, enquanto esteve entre nós, sendo homem, o Mestre Jesus jamais agiu de maneira autônoma (cf. Jo 5:30). Não apenas foi concebido por obra do Espírito Santo, mas, em toda a sua vida terrena, desde o nascimento até a crucificação, ressurreição e ascensão, ele se deixou conduzir pelo Espírito Santo. Ele foi amplamente sustentado pelo Espírito Santo ao longo de sua vida e ministério!

O que isso nos ensina? Se nem mesmo Jesus (Deus feito homem) pôde agir sem o Espírito Santo, é evidente que não há possibilidade de sermos verdadeiros cristãos e nem de cumprirmos fielmente nossa missão cristã sem o Espírito Santo em nossa vida. A igreja precisa da virtude Espírito de Deus para proclamar o Evangelho! Sem ele não há arrependimento, não há conversão, nem santificação em nós. Ele é consolador e o conselheiro do crente. É o companheiro que nos ensina o caminho. Meu irmão, você tem se deixado que ele conduza todos seus passos? Você tem agido com a unção e poder dele em sua vida? Pense nisto e siga o exemplo do Mestre. Seja cheio do Espírito do Deus!

Após termos aprendido sobre os grandes feitos do Espírito Santo em relação à Bíblia e em relação a Cristo; passamos a agora a ver:

3. OS GRANDES FEITOS DO ESPÍRITO SANTO EM RELAÇÃO AO MUNDO

Para nós, o Espírito Santo é uma pessoa divina que atua na vida dos salvos, que age em ambientes sagrados e que se faz presente em reuniões espirituais. No entanto, essa é apenas uma parte da verdade, pois segundo a palavra de Deus, o Espírito Santo também age no mundo, sobremodo na vida dos não-salvos para conduzi-los a Cristo. Deste modo, sua ação não se limita a “jurisdição” da igreja. Ele não trabalha apenas na vida dos salvos. Não age apenas entre os santos; ele também opera no mundo, entre não santos, entre pecadores perdidos. Ao agir no mundo, o Santo Espírito tem dois objetivos principais:

Em primeiro lugar, o Espírito Santo age no mundo a fim de convencer as pessoas não-crentes. Por estarem sob o domínio do pecado (cf. Rm 6:14; Ef 2:2-3), o não-salvo não reconhece que está errado, ao contrário, procura justificar o pecado. Pois, "o deus deste século lhe cegou o entendimento" (II Co 4:4). Por isso, sem a ação do Espírito Santo é impossível o pecador chegar-se a Cristo. Para entender isso melhor, leia João, capítulo 16, versículos 8 a 11 e veja o que Jesus está falando a respeito do Espírito Santo: "Quando ele vier convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo: do pecado porque não crêem em mim; da justiça, porque vou para o Pai, e não me vereis mais; do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado".

A palavra-chave dessa passagem é “convencerá”. O sentido dela é de “persuadir”,ou seja,“levar a crer” ou “aceitar”. Mas essa palavra também carrega a idéia de “sentenciar”, “expor” e “reprovar”. Assim, o Espírito Santo atua para convencer os não-salvos, que sua terrível incredulidade diante de Cristo, resultará, certamente, em punição eterna. O texto começa dizendo que o Espírito Santo convence o não-crente do pecado. Que pecado? O de não crerem em Cristo (v.9),isto é,o pecado da incredulidade. Tanto Lei de Deus, quanto a nossa consciência podem nos convencer de diversos pecados. Mas o pecado de “não crê em Cristo”, somente o Espírito Santo pode nos convencer. Esse é o pior pecado do mundo! Diz a Bíblia: "quem não crê já está julgado" ( Jo 3:18) "e, condenado" (Mc 16:16).

Em seguida o texto declara que o Espírito Santo convence o não-crente da justiça. Que justiça? A resposta está versículo 10, que diz: "Porque vou para meu Pai". Jesus disse isso, algumas horas antes de ser preso e crucificado. Ele foi tratado como um malfeitor, mas era inocente! Assim, “a justiça da qual o Espírito convence não é a justiça humana, mas a de Cristo”. Justiça essa que foi autenticada, quando ele ressuscitou e quando foi recebido pelo Pai nos céus.

Essas são as maiores evidências de que Jesus Cristo é o Cordeiro perfeito,que pagou o preço total pelos pecados. Lá no Calvário Jesus assumiu nossa condenação e tomou nosso lugar. Ali, pela graça, ele nos declarou justo diante Deus: "Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus" (II Co 5:21). Essa é justiça de Cristo!

Por fim, João 16:8 afirma que o Espírito Santo convence o não-crente do juízo. Que juízo? Jesus explica da seguinte forma no versículo 11: "Porque o príncipe deste mundo já está julgado". Na cruz, Satanás foi derrotado. “Ele já foi julgado, e o veredicto declarado”. Para ele só resta à execução da sentença quando Cristo voltar, em que será lançado no lago de fogo e enxofre (Jo 20:10). Esse será também o destino de todos que se recusarem crerem em Cristo. É desse juízo do qual o mundo deve ser convencido. Deste modo,sabemos que o Espírito de Deus também trabalha, e muito, fora da igreja, longe dos salvos, procurando convencer e chamar os perdidos. Sem essa obra, o ser humano jamais chegaria à salvação.

Em segundo lugar, o Espírito Santo age no mundo a fim de regenerar as pessoas não-crentes. No trabalho de convencer os não-salvos do pecado, da justiça e do juízo, o do Espírito Santo gera arrependimento e fé dentro deles. Qual é o alvo nesse processo? O Espírito Santo deseja transformar os seus corações! Essa obra é conhecida por regeneração.

Mas o que é regeneração? É o renascimento ou novo nascimento em Cristo. Pois, se alguém está em Cristo, nova criatura é: "as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo"(II Co 5:17). Veja o que está escrito em Tito 3:5: "Não por obras de justiça praticadas por nós, mas segundo sua misericórdia, nos salvou mediante o lavar regenerador e renovador do Espírito Santo".

O pecador não pode salvar a si mesmo, já que "está morto em seus próprios delitos e pecados" (cf. Ef 2:1). É o Deus misericordioso que o salva! Diz o texto: "ele nos salvou". De que maneira? "Ele nos salvou mediante o lavar regenerador e renovador do Espírito Santo" (Tt 3:5). Em outra tradução lemos assim: "Ele nos salvou por meio do Espírito Santo, que nos lavou, fazendo com que nascêssemos de novo e dando-nos uma nova vida" (NTLH). Aqui não fica dúvida: a regeneração é obra do Espírito Santo. É o milagre do novo nascimento. O maior milagre que pode acontecer na vida de um ser humano!

Quando ele acontece, à justificação acontece simultaneamente. Pela justificação o pecador é declarado justo; pela regeneração, ele é transformado em justo. “A justificação acontece fora de nós, no tribunal de Deus; a regeneração acontece dentro de nós, em nosso coração”. Ao regenerar o não-crente, o Espírito Santo transforma-o por completo e o torna um filho de Deus. Além de ser perdoado de todos seus pecados, o Espírito Santo passa a habitar dentro dele. É algo inexplicável! É uma ação misteriosa e gloriosa do Espírito de Deus. O próprio Jesus afirmou: "O vento sopra onde quer, ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo o que é nascido do Espírito" ( Jo 3:8).

Embora seja um mistério, há duas verdades nisso que podemos saber.

A primeira verdade é que todo ser humano precisa nascer de novo. Em João 3, versículos 3 e 5, lemos: "Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus (...), pois, quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no reino de Deus".

A segunda verdade é que o Espírito é quem regenera o ser humano! Ele vai onde o não-salvo está, lá no lamaçal e na escuridão. Ali, o convence do pecado, da justiça e do juízo e o chama para Cristo. Se o pecador atender a esse chamado, ele o transforma numa nova criatura.

Vale a pena conhecer melhor o Espírito Santo! Isso nos faz ter uma visão mais correta e clara sobre nossa missão nesse mundo. Ele não age apenas entre os salvos e santos; ele age também no mundo e, vive atuando entre os não-salvos. Está profundamente envolvido na salvação desses. Note, se o próprio Espírito de Deus, que é Santo, age assim. Então, não vemos razão para agirmos diferentes. Não fomos salvos para nos isolar dos não-salvos. Ao contrário, devemos estar no meio deles, sendo sal e luz. Somos o convidados a uma parceria espiritual no mundo. Nós evangelizamos,mas quem convence e regenera é o Espírito Santo!

CONCLUSÃO

O Espírito Santo é bem maior do que pensamos. Ele faz muito mais do que podemos ver ou entender. Age em ambientes que nunca imaginamos. Ele não é uma força ou uma energia impessoal que emana de Deus. Ele é Deus grandioso, poderoso e ilimitado! Está em nós, mas ele não age somente em nós. Age em todo o universo. É onisciente, onipotente e onipresente! O Espírito Santo fez e continua fazendo grandes feitos em todo o momento e em todos os lugares. Foi através dele que a Bíblia foi escrita. Foi no poder dele e a na unção dele que Jesus se fez carne, habitou entre nós e cumpriu a sua missão na terra. É o Espírito Santo que convence o não-crente do pecado, da justiça e de juízo. Bem antes de alguém se converter, ele já está trabalhando para levá-lo a Cristo. Todos os que atendem o seu convite, ele os regenera, os faz novas criaturas e passa a habitar neles.

Leia o Salmo 139, versos 5 a 7. Nesse poema, durante uma profunda reflexão sobre Deus, o salmista inspirado por ele, escreve essas palavras, dizendo: "Tu estás à minha frente e atrás de mim ao mesmo tempo, e me guias e abençoas com a tua mão. Saber isso é algo tão maravilhoso que eu nem consigo compreender! É impossível fugir do teu Espírito!" (Bíblia Viva).

Ao observar a grandeza do Espírito de Deus, o poeta fica intrigado com uma questão: Porque um Deus tão grandioso assim, pode se importar com alguém tão pequeno? Isso era tão magnífico, que ele não podia entender. Meu irmão, eu não sei explicar, mas o Santo Espírito também se importa contigo. Você não faz idéia o quanto ele agiu em toda sua vida para que você fosse lavado e redimido pelo sangue do Cordeiro. Você pode contar com ele! Ele habita no seu coração. Ele guia a sua vida e ilumina sua mente para você compreender a Bíblia. Porém, na obra de convencer o mundo é ele que conta com você. Propõe uma parceria: você evangeliza e ele convence e regenera. Portanto, seja cheio do Espírito do Deus! Permita que ele conduza seus passos. Viva sob a unção e poder dele.

****
Preletoras:
Missionária Célia Beltran – Os Grandes feitos do Espíritos Santo em relação a Bíblia.
Diaconisa Elaine Fontana – Os Grandes feitos do Espírito Santo em relação a Cristo.
Diaconisa Rute Soares – Os Grandes feitos do Espíritos Santo em relação ao mundo


BIBLIOGRAFIA

DUFFIELD, Guy P. & CLEAVE, Nathaniel M. Van. Fundamentos da Teologia Pentecostal. São Paulo: Quadrangular, vol. II, 1991.

ERICKSON, Millard J. Introdução à teologia sistemática. São Paulo: Vida Nova, 1997.

GRAHAM, Billy. O Poder do Espírito Santo. São Paulo: Vida Nova, 2009.

GREEN, Michael. II Pedro e Judas, Introdução e Comentário. São Paulo: Mundo Cristão, 1983.

GRUDEM, Wayne A. Teologia Sistemática. São Paulo: Vida Nova, 1999.

HENDRIKSEN, William. Comentário do Novo Testamento: João. São Paulo: Cultura Cristã, 2004.

HORTON, Stanley M. A Doutrina do Espírito Santo no Antigo e Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 1993.

KISTEMAKER, Simon. Comentário do Novo Testamento: Epístolas de Pedro e Judas. São Paulo: Cultura Cristã, 2006.

LOPES, Hernandes Dias. Tito e Filemom: Doutrina e Vida, um binômio inseparável. São Paulo: Hagnos, 2009.

STRONG, Augustus H. Teologia Sistemática. São Paulo: Teológica, 2002.

WIERSBE, Warren W. Comentário Bíblico expositivo: Novo Testamento 1. Santo André, SP: Geográ¬ca, 2006. __________. Comentário Bíblico expositivo: Novo Testamento 2. Santo André, SP: Geográ¬ca, 2006.

Nenhum comentário:

Todos os comentários serão moderados. Comentários com conteúdo fora do assunto ou do contexto, não serão publicado, assim como comentários ofensivos ao autor.

Tecnologia do Blogger.