Header Ads

Ananias um homem acolhedor - "Série Homens e Mulheres da Bíblia"


"Ora, havia em Damasco um discípulo chamado Ananias. Disselhe o Senhor numa visão: Ananias! Ao que respondeu: Eis-me aqui, Senhor!" (At 9:10)

Ananias é, talvez, uma das pessoas menos conhecidas do Novo Testamento; pouco se sabe, pouco se fala dele. “Não nos surpreende que William Barclay chame Ananias de ‘um dos heróis esquecidos da igreja cristã’”. Contudo, ele é uma das mais importantes personagens da igreja cristã gentílica. Simplesmente Jesus o escolheu para confirmar o comissionamento que fizera pessoalmente a Saulo de Tarso, na estrada de Damasco. Neste estudo, constataremos que Ananias realizou uma obra de ajuda que atingiu tanto o corpo físico como a alma de Saulo. Pelo poder de Deus, Ananias tirou tanto a cegueira material como a espiritual do perseguidor de Jesus. Na autoridade do Senhor e com a imposição das mãos, Ananias curou os olhos, confirmou o chamado missionário com o dom do Espírito Santo, batizou nas águas, alimentou fisicamente e acolheu Saulo na Igreja de Cristo.

I – O QUE A BÍBLIA DIZ SOBRE ANANIAS

Saulo de Tarso era homem cheio de zelo e entusiasmo. Tornava-se ainda mais fervoroso, quando estava em missão de combate a heresias. Os líderes judeus a quem Saulo estava submetido não tinham dúvida de que a heresia a ser combatida, naquele momento, era o cristianismo. Ele simplesmente não tolerava opositores a sua fé farisaica. Saulo havia conhecido o diácono Estêvão, homem cheio de graça e poder, [que] fazia prodígios e grandes sinais entre o povo (At 6:8).

Possivelmente, ele vira em Estêvão um poderoso inimigo, uma vez que o diácono enfrentava a liderança judaica na sinagoga dos judeus que haviam sido dispersos; e estes discutiam com Estêvão; e não podiam resistir à sabedoria e ao Espírito, pelo qual ele falava (6:9a-10). “Estevão, com a ajuda do Espírito Santo, não se deixava confundir e nem podia ser derrotado com argumentos verbais”. Tratava-se de um homem que não apenas era sábio, mas que realizava prodígios que autenticavam sua pregação. Sem dúvida, Estevão era uma grande “dor de cabeça” para Saulo. Champlin declara que é bem possível que este não somente tenha feito oposição a Estevão, mas também tenha espalhado uma má fama a seu respeito por toda a cidade de Jerusalém, incluindo os membros do Sinédrio.

Portanto, só havia “uma maneira de cuidar do caso de Estevão: fazer com ele o que já se fizera com Jesus, isto é, executá-lo”. Esse era o método de trabalho de Saulo de Tarso: destruir seus opositores. Ele assolava a igreja, entrando pelas casas; e, arrastando homens e mulheres, encerrava-os no cárcere (At 8:3 cf. 22:4). Entretanto, assim como fez Jesus (Lc 23:34), na hora de sua morte, Estevão orou, pedindo a Deus que o pecado de seus detratores não lhes fosse imputado: ajoelhando-se, clamou em alta voz: Senhor, não lhes imputes este pecado! Com estas palavras, adormeceu(At 7:60).

Nesse momento, Saulo estava lá: via todas as pedradas, ouvia todas os gemidos, escutava a oração do diácono Estêvão e consentia em sua morte (At 7:60b). Deus ouviu a oração de Estevão de forma tão poderosa que, em poucos dias, o mais ferrenho perseguidor de cristãos daquela época foi transformado no mais extraordinário missionário da história cristã. A surpreendente conversão de Saulo de Tarso aconteceu em duas etapas: a primeira ocorreu quando ele chegava a Damasco e fora parado, de repente; era quase meio dia, quando ele fora surpreendido por uma forte luz e uma voz que lhe falava: Saulo, Saulo, por que me persegues? Era Jesus; mas Saulo, porque ainda não o conhecia, perguntou: ... quem és tu, Senhor? Ao que me respondeu: Eu sou Jesus, o Nazareno, a quem tu persegues (22:5-8).

A resposta do Senhor fora explícita: “Saulo, fique sabendo que perseguir os cristãos é perseguir a mim!” Quem vos der ouvidos ouve-me a mim; e quem vos rejeitar a mim me rejeita; quem, porém, me rejeitar rejeita aquele que me enviou (Lc 10:17 ). Saulo precisava entender que seu zelo “em prol da causa de Deus tornou-se em ataque contra Deus”. Esclarecido sobre o caminho errado em que se encontrava, Saulo recebeu orientações para que pudesse começar a mudar de vida: ... levanta-te e entra na cidade [de Damasco], onde te dirão o que te convém fazer (At 9:6). Saulo se levantou, mas percebeu que estava cego. Há minutos, ele era o dono da situação, o comandante da tropa, que feriria a igreja de Cristo; agora, era guiado e levado pela mão de outro a Damasco (At 9:8b). Num instante, conduzia; noutro, era conduzido. Sobre os arrogantes, a Bíblia diz o seguinte: Os arrogantes não permanecerão à tua vista; aborreces a todos os que praticam a iniqüidade (Sl 5:5). Saulo estava cego porque os olhos dos altivos são humilhados (Is 5:15 ).

Na segunda etapa de sua conversão, entrou em cena um cristão simples e humilde, chamado Ananias, homem piedoso conforme a lei, tendo bom testemunho de todos os judeus que ali moravam (At 22:12). Ele era o escolhido de Deus para recepcionar e acolher Saulo na Igreja. Mas Jesus se comunicou, simultaneamente, com Ananias e com Saulo, por intermédio de dois sonhos
Ananias sonhou que o Senhor o chamava e o mandava ir à Rua Direita; lá, na casa de Justo, deveria procurar por um homem de nome Saulo, apelidado de Tarso. Tratava-se de uma missão espiritual estratégica, visando à salvação de milhares de pessoas, em todo o mundo. Por sua vez, Saulo sonhou que um homem chamado Ananias viria até ele, impor-lhe-ia as mãos e o curaria (At 9:10-12).
O ex-fanático religioso sentia no corpo o impacto de seu encontro glorioso com Jesus e o peso de seu chamado missionário. Por causa disso, estava há três dias sem ver, durante os quais nada comeu, nem bebeu (At 9:9). Saulo orava e jejuava; pedira perdão por seus graves pecados; agradecera por ter sido aceito, em Jesus, como filho de Deus; sentia reconciliado; seu coração desfrutava de uma incrível paz, fruto da misericórdia divina. Saulo sentia, também, que seus pensamentos, vontades e atitudes passavam por incríveis mudanças, especialmente, sua forma de se relacionar com Deus; percebia que nunca mais sua relação com a igreja cristã, com o judaísmo e com o mundo seria a mesma. Ele se convencia de que algo notável aconteceria e que saberia com mais nitidez, quando Ananias chegasse.

Ocorre que o nome de Saulo era bem conhecido dos cristãos de Damasco. Ananias estava bem informado sobre o que o perseguidor fizera aos santos em Jerusalém e sobre o que pretendia fazer: ... para aqui trouxe autorização dos principais sacerdotes para prender a todos os que invocam o teu nome [de Jesus] (At 9:13-14). Ananias temia – e não era para menos – ir até Saulo. Seria como se entregar a uma polícia assassina. Ademais, ele ainda não sabia o que seu Senhor já fizera e estava fazendo na vida do famoso opositor. Ananias não tinha noção de que Saulo já estava sendo “transformado naquele que viria a ser o grande apóstolo Paulo”. Por essa razão, Jesus ordenou: Vai, porque este é para mim um instrumento escolhido para levar o meu nome perante os gentios e reis, bem como perante os filhos de Israel (At 9:15 ). Jesus disse, ainda, que, no tempo determinado, Saulo sofreria muito por causa da fé (At 9:16 ). Em outras palavras, Jesus disse:
Ananias vai com fé, porque aquele que feria, agora vai curar; aquele que espancava, agora vai mostrar compaixão; aquele que perseguia, agora vai consolar; quem respirava ameaças, agora vai adorar a Deus. Jesus também poderia ter dito: “Ananias, não tenha medo, o homem está cego!”
Ananias precisava perceber que a salvação de Saulo era algo tão maravilhoso que abalaria a vida de muita gente, porque ficaria demonstrado um poderoso contraste entre sua vida passada e sua vida presente. Ele também precisava entender que o Senhor já escolhera a Saulo para sua gloriosa obra e a ele, Ananias, para cooperar com naquela missão. Ananias abandonou suas dúvidas e foi. Quando entrou na casa, logo impôs as mãos sobre Saulo, chamando-o de “irmão”: Saulo, irmão, o Senhor me enviou, a saber, o próprio Jesus que te apareceu no caminho por onde vinhas, para que recuperes a vista e fiques cheio do Espírito Santo (At 9:16 ). Na Bíblia, o ato de impor as mãos pode ser entendido como um símbolo de cura divina (Lc 4:10). No caso de Saulo, pode significar algo mais, ou seja, “um gesto de amor por um homem cego, que não podia ver o sorriso do rosto de Ananias, mas podia sentir a pressão de suas mãos”.

A imposição das mãos também deixa clara a confirmação do comissionamento de Paulo, feita por Jesus; agora lhe trazendo a cura e o dom do Espírito Santo, que lhe outorgava poder para exercer seu ministério. Ananias, portanto, sob a autoridade de Jesus, acolheu Saulo, espiritualmente e comunitariamente. Como resultado visível dessa autoridade, Imediatamente, lhe caíram dos olhos [de Saulo] como que umas escamas, e tornou a ver. Saulo viu o rosto de Ananias, de Judas, de seus novos irmãos. Aqueles a quem perseguiria e mataria, agora amaria, e chamaria de irmãos, por toda a sua vida.

Sem saber o que dizer, Saulo levantou-se e foi batizado (At 9:18 ). Provavelmente, o próprio Ananias o batizou nas águas. Sua nova família preparou-lhe uma refeição quente. Ele comeu e se fortaleceu (9:19). Consciente de que agora pertencia àquela nova comunidade, Saulo permaneceu em Damasco alguns dias com os discípulos (At 9:20). Que fez nesses dias? Algo maravilhoso, que tomaria sua vida, suas energias, seu vigor; algo que faria para o resto de sua vida: pregou a Jesus, afirmando que este é o Filho de Deus (At 9:20a).

Que mudança! Só mesmo por obra divina Saulo pregaria a favor de Jesus; só mesmo por obra divina os cristãos de Damasco acolheriam Saulo. Tudo era tão incrível e surpreendente que todos os que ouviam a pregação de Saulo sobre Cristo estavam atônitos, incrédulos, e diziam: Não é este o que exterminava em Jerusalém os que invocavam o nome de Jesus e para aqui veio precisamente com o fim de os levar amarrados aos principais sacerdotes? (At 9:21).

Stott comenta que o escritor de Atos não registrou as respostas para as perguntas do versículo 21, mas considera que, “talvez Ananias tenha ajudado a tranqüilizá-los”. Ananias foi acolhedor. Saulo ganhou um grande parceiro, um grande amigo, um cooperador magnífico. Por sua vez, Ananias ganhou um novo irmão, alguém de quem ele ia ouvir falar muito e por muito tempo, alguém que mais e mais se fortalecia e confundia os judeus que moravam em Damasco, demonstrando que Jesus é o Cristo (At 9:22).

Ananias era um homem simples de Damasco, um cristão leigo, pouco notado e falado no Novo Testamento, um homem santo que Deus escolheu para confirmar o chamado de Saulo de Tarso, o fanático fariseu que Jesus tomou para si e transformou no missionário mais eloqüente e influente do cristianismo. Na volta de Jesus à Terra, Ananias receberá sua recompensa.

II – LIÇÕES DA VIDA DE ANANIAS

1. Se você tem Jesus na vida, acolha sem medo.

Certamente, Ananias seria uma das presas de Saulo de Tarso. Se Jesus não parasse aquele fanático religioso, a história de Ananias seria outra. Se tivesse sorte, seria apenas preso, espancado e encarcerado (At 22:4). Felizmente, Jesus, sempre Jesus, entrou na vida dos dois. Aleluia! Para Saulo, Jesus mostrou Ananias; para Ananias, Jesus mostrou Saulo (At 9:10-12). Ananias estava com medo de Saulo, Saulo estava esperando Ananias. Jesus desfez o impasse, ao dizer: Vai, porque este é para mim um instrumento escolhido para levar o meu nome perante os gentios e reis, bem como perante os filhos de Israel (9:15). E Ananias foi. O ser humano, por si mesmo, não faz nada ( Jo 15 :5). Todavia, revestido do poder de Cristo, faz proezas (At 4:13,29-31; II Co 3:12; Ef 6:9; Fl 1:20). Você tem medo de falar de Jesus a alguém? Há, realmente, alguém a quem você teme falar de Cristo? Se você tem Jesus na vida, não tema! E não se preocupe tanto com o que vai falar, mas confie na promessa divina: ... o que vos for concedido naquela hora, isso falai; porque não sois vós os que falais, mas o Espírito Santo (Mc 13:1). Apenas creia; vá e acolha.

2. Se você tem Jesus na vida, acolha sem preconceitos.

A experiência na igreja nos diz que temos imensas dificuldades em lidar com os pecadores de fora; nós, que já viemos do mundo, nos embaraçamos diante de pessoas com estado moral e espiritual degradante. Em vez de amor, sentimos pena, dó, e o que é pior, rejeição. Vemos as prostitutas, os homossexuais, os ladrões, os assassinos, os violentos, como pessoas de segunda categoria. Nós nos afastamos. Mas atente para o que Ananias diz: Saulo, irmão (At 9:17). Ele chama o inimigo de “irmão”; diminui distância no evangelismo, quebra preconceitos, nega a discriminação. Como você vê as pessoas do mundo? Como meras criaturas ou potenciais irmãos em Cristo? Como você vê os crentes de outras denominações cristãs? Como crentes em Cristo ou seres de segunda categoria espiritual? Se você realmente tem Jesus na vida, acolha as pessoas sem preconceito, sem discriminação, sem distanciamento, sem rejeição.

3. Se você tem Jesus na vida, acolha com autoridade.

Filipe exercia um maravilhoso ministério de pregação sobre Cristo, acompanhado por sinais e prodígios, em Samaria (At 8:5-8); mas foi preciso os apóstolos Pedro e João saírem de Jerusalém e imporem as mãos sobre os novos convertidos para que recebessem o dom do Espírito Santo (8:14 -17 ). Comparado a Filipe, Ananias era um homem simples, leigo, desconhecido no cristianismo primitivo; todavia, sendo apenas um discípulo, foi usado pelo Senhor da igreja para que Saulo viesse a receber o Espírito Santo e a se tornar o grande e operoso apóstolo Paulo (At 9:17 ). Você não tem nenhum título eclesiástico? Não é uma pessoa de destaque? Não se entristeça! Você tem Jesus na vida? Alegre-se! Você tem tudo. Por meio do Espírito Santo, Jesus lhe dá autoridade espiritual para que você recepcione e acolha qualquer pessoa para dentro da Igreja.

CONCLUSÃO:

Não existem tantas passagens na Bíblia a revelar, de maneira tão dramática, como “as emoções de um cristão são mudadas por meio da Palavra de Deus e como o medo foi transformado em poder e amor na vida de Ananias”. Poucas vezes a Bíblia mostra um inimigo sendo transformado em amigo, de forma tão espetacular; poucas vezes se vê um oprimido chamar o opressor de “irmão”. Porém, nas mãos de Jesus, é normal ver um homem piedoso conforme a lei, tendo bom testemunho (22:12), sendo instrumento de transformação na vida de um homem fanático e violento (22:4). Se quisermos ser usados por Jesus para esse glorioso tipo de serviço, basta termos um coração acolhedor e dizermos como Ananias: Eis-me aqui, Senhor! (At 9:10).


Que Deus nos abençoe e guarde!


Fonte:
Texto de autoria do pastor José Lima de Farias Filho, adaptado por PC@maral para ilustrar a série "Homens de Mulheres da Bíblia - O exemplo dado por eles"

Nenhum comentário:

Todos os comentários serão moderados. Comentários com conteúdo fora do assunto ou do contexto, não serão publicado, assim como comentários ofensivos ao autor.

Tecnologia do Blogger.