Header Ads

O início da nossa história – Série No Princípio [1]


O livro de Gênesis, forma uma introdução indispensável para todo o restante da Bíblia Sagrada, forma o alicerce sobre o qual se ergue todo o edifício das Escrituras. Sem esse importante livro, a Bíblia fica não só incompleta, mas incompreensível! Gênesis conta a história do começo da criação do universo, do homem, do pecado, da redenção, do trabalho, do casamento, das civilizações, etc. Em seu primeiro capítulo, encontramos registrado o início da nossa história.

No princípio criou Deus os céus e a terra. (Gn 1:1)

Analisando o relato bíblico

No princípio criou Deus os céus e a terra (Gn 1:1). Embora pequeno, o primeiro versículo do livro de Gênesis revela, de forma majestosa, que Deus é o criador do universo! Mesmo enfrentando diversos ataques de falsas teorias inventadas pelos homens, essa doutrina foi aceita como verdadeira, desde o início. Nos últimos duzentos anos, porém, ela tem sido atacada com rigor! A chamada “teoria da evolução”, ensinada na maioria das escolas públicas e particulares e também nas universidades, constitui-se em um dos ataques mais vigorosos contra a criação divina. Mas o que diz essa falsa teoria?

1. A falsa teoria da evolução das espécies

O evolucionismo foi apresentado ao mundo pelo naturalista inglês Charles Darwin, no seu livro A origem das espécies, e pode ser definido como a teoria de que todas as coisas se originaram de materiais preexistentes, por modificação gradual, mediante processos naturais. Segundo esse ponto de vista, “todas as espécies descendem de um antepassado comum. Existe, então, uma continuidade entre todas as formas de vida”. Entretanto, ao analisarmos o evolucionismo, concluímos que ele não conta com o apoio dos fatos. A teoria é falsa! Vejamos por quê.

1.1 O argumento científico: Destacamos, aqui, dois argumentos.

Em primeiro lugar, quanto ao registro fóssil.

Toneladas de fósseis têm sido encontradas em todo o mundo, e todos eles têm sido facilmente classificados como peixes, répteis, aves, mamíferos e homens. Os pesquisadores não encontram restos de uma forma que esteja no meio do caminho, “evoluindo”. Em toda essa massa incalculável de ossos, “não há prova alguma, seja ela qual for, de qualquer mudança gradual de uma espécie para outra”. Em outras palavras, o macaco sempre foi macaco, o homem sempre foi homem, o peixe sempre foi peixe e assim por diante.

Em segundo lugar, quanto às leis da termodinâmica.

A Bíblia afirma que em seis dias fez o Senhor o céu e a terra, o mar e tudo o que neles há (Ex 20:11). Esse versículo bíblico está plenamente de acordo com a primeira lei da termodinâmica, a mais certa de todas as leis científicas, que diz que “nada está sendo criado ou destruído. Além disso, uma segunda lei, igualmente universal e comprovada, estatui que todos os sistemas atuais tendem a decair e desordenar-se”. Essa tendência sugerida por essas duas leis é oposta ao conceito da evolução que pressupõe um princípio de ordem crescente.

1.2 O argumento teológico: Pelo menos dois argumentos teológicos podem ser apresentados aqui.

Em primeiro lugar, quanto ao princípio da criação através de um criador.

A crença dos evolucionistas de que, mediante processos naturais, todas as coisas vieram a existir é falsa. Em Gênesis 1:1, lemos: No princípio criou Deus. Segundo a cosmologia, que estuda a origem do universo, “tudo o que foi começado tem que ter uma causa adequada”. Em Hebreus 3:4, lemos: Pois toda casa é estabelecida por alguém, mas aquele que estabeleceu todas as coisas é Deus. Ele é o criador e arquiteto do universo! (cf. Ne 9:6, Is 40:26; 45:12; At 17:24; Ef 3:9; Cl 1:16; Ap 4:11).


Em segundo lugar, quanto ao princípio da criação a partir do nada.

Outro engano dos evolucionistas é o de dizerem que todas as coisas se originaram de materiais pré existentes. A palavra criou, que aparece nos versículos 1, 21 e 27 de Gênesis, capítulo 1, é a tradução da palavra hebraica bara, que ocorre 44 vezes, no Antigo Testamento, e significa a produção de algo fundamentalmente novo, por meio da ação de um poder criador soberano, visto que nunca está relacionado a nenhuma menção do material. Esse significado concorda com o que afirmou o autor de Hebreus: ...o visível foi feito do que se não vê (11:3). Mais uma vez, a teoria da evolução errou. Rejeite-a!

2. A correta teoria da criação

Analisamos um pouco sobre a falsa teoria da evolução, passemos, agora, a considerar a correta teoria da criação, que, de fato, nos ajudará a entender como se deu o verdadeiro início da nossa história. A essa altura, podemos dizer que a conhecida frase “a ciência, universalmente crê na evolução” é mentirosa. Milhares de cientistas de alto gabarito são criacionistas bíblicos para valer e acreditam que há um Deus criador, por meio de quem todas as coisas foram feitas. Voltemos o nosso olhar para a palavra de Deus e vejamos como se deu o início da nossa história.

2.1 Deus formou:

Depois de criar a terra (Gn 1:1), Deus começou a organizá-la. O versículo 2 de Gênesis 1 diz: A terra era sem forma e vazia. Wiersbe diz que existe um padrão nas atividades de Deus, durante a semana da criação: primeiro ele formou e depois encheu. Nos três primeiros dias, Deus deu forma à terra. No primeiro dia, ele ordenou que a luz brilhasse e separou a luz das trevas (Gn 1:3-5), no segundo dia, Deus separou águas e águas, colocou um firmamento entre as águas superiores e chamou de céus (Gn 1:6-8), no terceiro dia, Deus reuniu as águas e fez surgir a porção seca, criando, assim, a “terra”, a “vegetação” e os “mares” (Gn 1:9-13).

2.2 Deus preencheu:

A terra sem forma do versículo 2, ao final do terceiro dia da criação, ganhou forma. Depois de criar as estruturas fundamentais do nosso mundo, Deus começou a preencher esse mundo. No quarto dia da criação, ele colocou luminares nos céu (Gn 1:14-19). No quinto dia, Deus criou os peixes para povoarem os mares e as aves para voarem no céu (Gn 1:20-23). No sexto e último dia, a criação chegou ao seu ápice: após criar toda a fauna, Deus disse: Façamos o homem à nossa imagem, conforme nossa semelhança (...) Assim Deus criou o homem (Gn 1:26-27). Depois de seis dias de muita criatividade, por parte de um criador extremamente sábio, a terra sofreu mudanças fenomenais. No final dos seis dias, viu Deus tudo o que tinha feito, e que era muito bom (Gn 1:31). “Tudo no universo, desde a maior das estrelas até a menor das folinhas, produziu alegria no seu coração. Era uma linda sinfonia”. Assim, Deus, no sétimo dia, já havia concluído a obra que realizara, e nesse dia descansou (Gn 2:2 – NVI).

Vejamos, agora, na seqüência deste artigo, três atitudes que devemos tomar, depois de constatarmos que o Senhor, com sabedoria, fundou a terra (Pv 3:19).

Aplicando o conhecimento bíblico

1. Tudo foi criado por Deus! Entreguemos nossa adoração a ele!

É impossível estudarmos o relato da criação e não ficarmos admirados com o poder e a inteligência do nosso criador! Considere, por exemplo, a vastidão da criação: Mais de 500 mil espécies de insetos, 30 mil espécies de aranhas, 6 mil espécies de répteis, 5 mil espécies de mamíferos, 3 mil espécies de rãs. Todas, segundo a Bíblia, criadas por Deus (Gn 1:12, 21, 24, 25). Entreguemos a nossa adoração a ele! Bendito seja o teu nome glorioso, e seja exaltado (...). Fizeste o céu, o céu dos céus, e todo seu exército, a terra e tudo o que nela há, os mares e tudo o que neles há (Ne 9:5-6).

2. Tudo foi criado por Deus! Manifestemos nossa gratidão a ele!

O grande ensinamento de Gênesis capítulo 1 é: Existe um Deus por trás de todas as coisas que acontecem! E é por esse motivo que de nada vale o esforço de muitos para harmonizar a “teoria da evolução” com a “teoria da criação”. É impossível fazer isso! No evolucionismo, não há espaço para Deus. Porém, nós, que cremos nas Escrituras, sabemos que existe um Deus que se preocupou com o nosso mantimento (Gn 1:29) e com o nosso descanso (Gn 2:1 3), quando nos fez. Manifestemos nossa gratidão a ele, todos os dias da nossa vida.

3. Tudo foi criado por Deus! Depositemos nossa confiança nele!

A Bíblia é clara, quando diz que o Deus que é central na narrativa da criação – seu nome aparece trinta e cinco vezes – é o mesmo que a sustenta: Tu os conservas com vida a todos (Ne 9:6); pois nele vivemos, nos movemos e existimos (At 17:28). “É ele quem faz o sol brilhar e a chuva cair. Ele alimenta os pássaros e protege as flores. Isso pode ser poético, mas é também verdadeiro”. É ele que tem cuidado da nossa vida! Diante dos perigos e das dificuldades, lembre-se de que você tem um fiel criador e mantenedor. Deposite sua confiança nele! Afinal, é o Senhor que guarda os fiéis (Sl 31:23).

Conclusão

Chegamos ao final do nosso primeiro estudo desta nova série. Nosso desejo é que todos nós tenhamos como certo o relato das Escrituras sobre o início da nossa história. Tudo aconteceu exatamente como está escrito na Bíblia Sagrada! Cabe-nos, pela fé, acreditar que os mundos foram criados pela palavra de Deus, de maneira que o visível não foi feito do que se vê (Hb 11:3). Estejamos certos disto: Tudo foi criado por Deus! Entreguemos a nossa adoração a ele, manifestemos a nossa gratidão a ele e depositemos a nossa confiança nele, somente nele!


Fonte:
Texto de autoria do DEC - Departamento de Educação Cristã - O nome dos autores destes artigos estão divulgados na introdução da série "No Princípio Criou Deus os Céus e a Terra". Este estudo foi adaptado por Paulo Cesar Amaral para o blog PCamaral.

Nenhum comentário:

Todos os comentários serão moderados. Comentários com conteúdo fora do assunto ou do contexto, não serão publicado, assim como comentários ofensivos ao autor.

Tecnologia do Blogger.