Header Ads

O Jesus Exaltado


"De sorte que, exaltado pela destra de Deus e tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vós agora vedes e ouvis". Atos 2:33

Após dizer isto, Pedro afirmou que Davi previu, no Salmo 110, a exaltação de Jesus: Porque Davi não subiu aos céus, mas ele próprio diz: Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até que ponha os teus inimigos por escabelo de teus pés (At 2:34-35). Ele, então, para concluir seu sermão, frisou: Saiba, pois, com certeza, toda a casa de Israel que a esse Jesus, a quem vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo (At 2:36). Além desse texto de Atos, outros sete textos afirmam e mostram, de um modo claro, que Jesus está assentado à destra de Deus: um, no Evangelho de Marcos (16:19); um, em Colossenses (3:1), e cinco na Epístola aos Hebreus (1:3, 13, 8:1, 10:12, 12:2). O fato de Jesus assentar-se à destra de Deus, depois de sua ascensão, mostra a sua posição de domínio, de governo de soberania. Porém, não se deve tomar o fato de Jesus assentar-se à direita de Deus como indicação de acomodação ou inatividade. O Jesus exaltado continua atuando e agindo em favor de todos que fazem parte da sua igreja, que é o seu corpo aqui na terra. Quero mostrar, a partir de alguns textos da Bíblia, apenas três funções que o Jesus exaltado exerce em nosso favor. Quais são estas funções?

I – O JESUS EXALTADO EXERCE A FUNÇÃO DE ADVOGADO DA IGREJA

A fim de defender aqueles que fazem parte da sua igreja, a principal obra que Cristo iniciou a partir de sua exaltação foi a de advogado, diante do Pai. Assim está escrito, na palavra de Deus: Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai. Jesus Cristo, o Justo (I Jo 2:1).

Pois bem, analisemos a expressão “temos um advogado”. Vamos pensar um pouco nesse verbo “temos”. “Temos” está na primeira pessoal do plural. Isso quer dizer que “nós” temos. O “nós”, aqui, inclui não “alguns”, mas “todos” que fazem parte da igreja de Cristo. “Temos” está no presente. A palavra de Deus não está dizendo que “tínhamos” nem está afirmando que “teremos”. A palavra de Deus está declarando, claramente, que “temos”. Temos agora! Contudo, a ideia do verbo, no original, não é somente a de que “temos” agora, mas a de que “temos” sempre. “Temos” agora e sempre! “Temos” agora e sempre o quê? Um advogado.

Essa palavra “advogado” foi traduzida de paracleto, que, literalmente, significa alguém convocado para ficar ao lado. Na literatura rabínica, essa palavra podia ser utilizada para se referir a quem atuava como advogado ou como intercessor.
“No presente contexto, a palavra significa, indubitavelmente, advogado de defesa – num sentido jurídico”. Essa palavra “era particularmente empregada nos tribunais de justiça para designar um advogado, cuja responsabilidade é, como consultor de defesa, defender a causa da pessoa em julgamento”
Vejamos, agora, a expressão para com o Pai. Para contém o sentido de: “na presença”, isto é, “junto”, “perto”, “diante”. Temos, então, um Advogado que está “junto” ao Pai ou “perto” do Pai ou “diante” do Pai. Ele tem livre, pleno e total acesso à corte ou à sala do grande Juiz, aquele que julga justamente (I Pe 2:23). O fato de ele estar “agora” e “sempre” diante do Juiz, não de alguns povos, nem de algumas tribos, mas de toda a terra (Gn 18:25a), nos mostra que temos um Advogado que é incrivelmente influente, terrivelmente poderoso e grandemente qualificado. Isso é tanto assustador quanto confortador! Mas quem é esse advogado? A sua identidade é revelada, na sequência do versículo: Jesus Cristo, o Justo. Jesus sempre foi justo em si mesmo, ou seja, a sua “ficha” sempre foi limpa e santa. Por onze vezes, foi declarado inocente, durante seu julgamento e sua crucificação (Mt 27:4, 19, 24, 54; Lc 23:14, 15, 22, 41; Jo 18:38, 19:4, 6).

Então, temos, diante do Pai, um Advogado que não conheceu pecado (II Co 5:21).

Temos, diante do Pai, um Advogado que nunca cometeu pecado, nem na sua boca se achou engano (I Pe 2:22).

Temos, diante do Pai, um Advogado que, quando viveu na terra, em tudo foi tentado, mas sem pecado (Hb 4:15).

Sendo Justo, ele pode nos defender, diante do Pai, que é justo. Mesmo depois de termos sido convencidos de pecado, pelo Espírito Santo, continuamos pecadores (I Jo 1:8). Não vivemos pecando, mas pecamos (I Jo 3:6 e 9). Existem ocasiões em que pensamos, sentimos, vivemos de um modo que não agrada a Deus. Nessas ocasiões, o diabo ainda tenta e ainda insiste em nos acusar, mas Jesus Cristo, aquele que satisfez inteiramente a justiça divina, refuta e destroi todas as acusações satânicas. O Jesus exaltado é o único e suficiente Advogado de defesa dos crentes que escorregam e pecam. Ele os livra da culpa e das consequências espirituais do pecado.
Guarde essa frase para sempre em sua mente: Você tem Jesus, tem Advogado junto ao Pai. Mas, além da função de advogado, o Jesus exaltado exerce uma segunda função em favor da igreja.
II – O JESUS EXALTADO EXERCE A FUNÇÃO DE INTERCESSOR DA IGREJA

Além de ser o advogado da igreja, o Jesus exaltado é também o seu intercessor. Isso é declarado claramente no oitavo capítulo da Epístola aos Romanos, um dos mais conhecidos e apreciados capítulos da palavra de Deus, ... quem os condenará? Pois é Cristo quem morreu ou, antes, quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós (Rm 8:34). Veja que, nesse versículo, há uma interrogação e uma declaração. Tanto a interrogação quanto a declaração contém grandes lições para nós. Então, vale a pena gastar um pouco de tempo para analisá-las. Vamos começar pela interrogação.

Antes de tudo, deve-se frisar que essa não é a única interrogação dos últimos nove versículos desse capítulo. Dê, por favor, uma olhada nos versículos 31, 32 e 33 de Romanso 8. Há quantas perguntas, nesses versículos? Se você disse quatro, acertou. As perguntas são: Que diremos, pois, a estas coisas?, se Deus é por nós, quem será contra nós?, como nos não dará também com ele todas as coisas? e quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? Agora, conte o número de perguntas do versículo 35. São quantas? Isso mesmo: duas. São elas: Quem nos separará do amor de Cristo? e a tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? Há, nesses cinco versículos sequenciais, sete perguntas profundas. Vamos, agora, pensar um pouco apenas na pergunta: ... quem os condenará? O “os” que vem antes do “condenará” refere-se a “escolhidos de Deus”, que aparece no versículo 33.

O que não falta é quem queira condenar os escolhidos de Deus. O mundo incrédulo nos odeia e vive nos perseguindo. O pecado que habita em nós é um poderoso adversário. Além disso, ainda existe aquele que tem o poder da morte, o diabo. Na verdade, o mundo, a carne e o diabo estão juntos e unidos contra nós. O que esse trio do mal mais deseja e mais procura é a nossa condenação. Mas, por mais que tentem e por mais que insistam, não conseguem nos condenar! Por que não conseguem nos condenar? A resposta está na sequência do versículo 35, “Pois é Cristo quem morreu ou, antes, quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós”.

Há cinco verbos nessa declaração. Três devem ser destacados: “morreu”, “ressuscitou” e “intercede”. Dos três verbos, dois estão no passado “morreu” e “ressuscitou” – e um verbo está no presente – “intercede”.

Os dois verbos que estão no passado retratam o que Cristo “fez” pelos escolhidos de Deus e o verbo que está no presente descreve o que Cristo “faz” pelos escolhidos de Deus.

O que Cristo fez pelos escolhidos de Deus?

Primeiro: “morreu”. Cristo morreu justamente por aqueles pecados que, com toda certeza, nos levariam à condenação.

Segundo: “ressuscitou”. Quando o Pai o ressuscitou, manifestou sua aceitação do sacrifício de seu Filho, como única base satisfatória para nossa justificação. O que Cristo “faz” pelos escolhidos de Deus? Ele “intercede”. Ele intercede de maneira ininterrupta, porque o seu sacerdócio é perpétuo. Ele vive para sempre, a fim de pedir a Deus em nosso favor. Além de ininterrupta, a intercessão de Jesus é poderosa.

A intercessão de Jesus por nós é poderosa, porque ele tem um título que está acima de todos os títulos das autoridades que existem neste mundo e no mundo que há de vir.

A intercessão de Jesus por nós é poderosa, porque Deus colocou todas as coisas debaixo da autoridade de Cristo e deu Cristo à Igreja como o único Senhor de tudo.

A intercessão de Jesus por nós é poderosa, porque Deus o exaltou soberanamente e lhe deu um nome que é sobre todo o nome (Fp 2:9).

III – O JESUS EXALTADO EXERCE A FUNÇÃO DE APERFEIÇOADOR DA IGREJA

Além de ser o advogado e o intercessor da igreja, o Jesus exaltado é também o aperfeiçoador da igreja. Sem rodeios, a Bíblia afirma isso, na carta aos Efésios, no capítulo 4, versículo 8. Assim está escrito: Pelo que diz: Subindo ao alto, levou cativo o cativeiro e deu dons aos homens (Ef 4:8). É assim que o versículo começa: “Subindo ao alto”. O que essa expressão significa? De início, somos induzidos a imaginar que se trata de uma referência à ascensão de Jesus. É isso mesmo? Não. A questão aqui é outra. Essa expressão é, na verdade, uma referência à exaltação de Jesus. Como se chega a essa conclusão?

Olhando o contexto imediato, isto é, os versículos seguintes: Ora, isto, ele subiu, que é, senão que também, antes, tinha descido às partes mais baixas da terra? Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para cumprir todas as coisas. (Ef 4:9-10). Aqui se enfatiza que a suprema exaltação de Jesus ocorreu depois de sua terrível humilhação, que começou com sua encarnação e culminou com o seu sepultamento. Voltemos ao oitavo versículo. Acima de todos os céus, o Senhor Jesus levou cativo o cativeiro. Essa expressão é uma alusão ao desfile da vitória, no qual o vencedor exibia as pessoas capturadas na guerra. Ao subir para a destra de Deus, Jesus “capturou aquilo que nos tinha capturado, e anulou o seu poder”, ou seja, derrotou, destronizou e desarmou os principados e potestades para sempre! Um outro fato ainda ocorreu por ocasião da sua exaltação: ... deu dons aos homens. Isso está de acordo com o que Pedro afirmou, em sua pregação, em Jerusalém: De sorte que, exaltado pela destra de Deus e tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vós agora vedes e ouvis (At 2:33).

Os dons que Jesus deu são, desse modo, frutos de sua exaltação. Sua exaltação era, portanto, necessária, para que pudesse conceder ao seu corpo, a igreja, um pouco do seu poder. Agora, quais são esses dons? Eles são listados e citados no versículo 11: E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores (Ef 4:11). Jesus deu esses dons com o intuito de nos “aperfeiçoar” para o exercício do ministério e do serviço cristão e, assim, edificar a sua igreja. Isso está declarado no versículo 12: ... querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo (Ef 4:12).

A igreja de Jesus é imperfeita.

A igreja é imperfeita no aspecto ministerial. Muitos que fazem parte dela ainda se negam a servir. Alguns outros ainda servem por razões erradas. E ainda há os que querem fazer tudo.

A igreja é imperfeita no aspecto relacional. Há preconceito, indiferentismo, desconfiança, intolerância. Poucos procuram guardar a unidade do Espírito.

A igreja é imperfeita no aspecto doutrinal. Muitos ainda se deixam levar facilmente por qualquer vento de doutrina. Outros ainda ouvem, aceitam e pregam o outro evangelho.

Por que se importar com uma igreja assim com tantas imperfeições? Porque o Jesus exaltado se importa! Ele nunca desistiu e jamais desistirá da sua igreja. Ele a continua aperfeiçoando! Todos que fazem parte da sua igreja estão em processo de aperfeiçoamento. E o Jesus exaltado é o aperfeiçoador, aquele que amou a igreja e entregou-se por ela para santificá-la e apresentá-la a si mesmo como igreja gloriosa, sem mancha nem ruga ou coisa semelhante, mas santa e inculpável (Ef 5.25-27).

Nós somos imperfeitos, mas estamos em processo de aperfeiçoamento. Quando vier o que é perfeito, então o que é imperfeito desaparecerá para sempre!

CONCLUSÃO:

O Jesus da igreja é o Jesus que foi morto, mas que, agora, está vivo para todo o sempre, nas alturas, à destra do trono de Deus. Você não deve guardar apenas a imagem do Jesus esbofeteado, machucado, ensanguentado, desfigurado, crucificado. Você precisa olhar para o alto, para o trono de Deus, e enxergar, ali, Aquele que está pondo todos os inimigos debaixo de seus pés. Você deve olhar para aquele que se assentou à destra da Majestade, nas alturas. Então, olhe, agora, para o Jesus que está à destra de Deus, o tempo todo agindo em seu favor. Esse Jesus exaltado, glorioso e soberano é o seu poderoso advogado! Esse Jesus exaltado, glorioso e soberano é o seu contínuo intercessor! Esse Jesus exaltado, glorioso e soberano é o seu perfeito aperfeiçoador. O que você vai dizer, diante dessas coisas? Se Jesus é por você, quem será contra você? Absolutamente ninguém! Em Cristo, você está seguro! Penso que esta é a hora de você erguer os seus olhos e as suas mãos para o alto e, do fundo da sua alma, dizer: Digno és de receber a honra, a glória, o poder e o louvor, para todo o sempre! Amém!

Que Deus nos abençoe!

***

DEC

4 comentários:

  1. Mta paz irmão. excelente blog. parabens! ja estou seguindo..

    Diego Batista
    http://conversandocomiave.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Parabéns,ótimo texto,muito edificante!!!!
    LOUVO A Deus por essa oportunidade..
    abraços...

    ResponderExcluir
  3. Deus vem realmente dando livramentos diarias a seus servos e filhos, fico feliz de vc ter tido essa oportunidade de reconhcer, pois são pouco que assim procedem, andemos no temor sempre...

    Afinal muito bom esse texto irmão..
    pode sim concerteza pegar o baneer, ja coloquei o do seu blog no meu, mta paz de jesus e abraço, estarei sempre por aqui comenando se me permites.. Deus te abençoe

    ResponderExcluir
  4. Nobre militante da boa teologia,

    Escrevi um texto em homenagem aos amigos da blogosfera. Como não podia deixar de ser, você foi citado por lá.

    O link para o texto é: Resenha histórica da blogosfera apologética: Homenagem aos hereges.

    Um abraço, e que Deus continue te usando neste espaço virtual.

    Leonardo Gonçalves
    blog Púlpito Cristão

    ResponderExcluir

Todos os comentários serão moderados. Comentários com conteúdo fora do assunto ou do contexto, não serão publicado, assim como comentários ofensivos ao autor.

Tecnologia do Blogger.