Header Ads

A palavra e a frase

Júnior Mendes


Um dia desses em um caixa de supermercado aconteceu algo que me fez parar para pensar sobre palavras e frases. Imagine a cena: estava na fila para passar minhas compras e a moça do caixa estava atendendo uma senhora que estava na minha frente. A senhora pediu à moça: “passe esse item separado que é para uma amiga”. A moça respondeu: “não dá mais. Já fechei a conta, vou ter que passar esse produto em outra conta” (??!!??)

Perceba que a moça fez exatamente o que a senhora pediu, mas sua resposta demonstra que ela não entendeu a frase que tinha acabado de ouvir. Mas não acabou. Ao receber as duas notas ficais do caixa, a moça informou o valor total da compra. A senhora, para ter certeza, perguntou: “então a soma das duas notas é o total da compra?” Indignada, a moça do caixa respondeu: “não, cada uma é uma conta diferente!”. A senhora insistiu: “isto, o valor total que você me passou para pagar é a soma das duas notas que você me entregou, certo?” Ao que, desconfiada, a moça finalizou: “é a senhora que está dizendo, eu não sei…”

Eu fiquei só ouvindo tudo aquilo, não acreditando no que estava vendo, pois a conversa parecia entre duas pessoas que falavam línguas diferentes. Na verdade, fiquei mais preocupado com a moça que, apesar de compreender palavras, não compreendia frases.

Foi aí que decidi escrever esse texto: existe uma diferença muito grande entre ouvir (palavras soltas) e entender (frases construídas). Quais são as causas dessa distância entre saber palavras e entender frases?

Como minha esposa é pedagoga, ela vive comentando comigo sobre o problema das crianças, adolescentes e jovens brasileiros quanto ao ensino do português. Existe muita gente alfabetizada (que conhece tecnicamente as palavras), mas nem tantos letrados (que utilizam na prática o português em situações reais com propriedade e sabendo o que estão fazendo).

Outro problema é a falta de leitura entre os jovens. Quanto mais você lê, mais você saberá escrever e mais você saberá falar. Por fim, outro grave problema é que o jovem tem certa impaciência (devido ao tempo cibernético que vivemos) quanto a ouvir um discurso (uma pregação, por exemplo) e acompanhar um raciocínio até o fim para poder concordar ou discordar. Quando ele vê que ali tem um caminho que ele vai ter que percorrer para compreender o que está sendo dito, ele pula fora rapidinho e desvia sua atenção (conversas paralelas, pensamento distante etc).

Temo por ter começado esse texto com muita gente lendo, perdido alguns no segundo parágrafo, perdido outros tantos ao longo do texto e aqui, neste último, só estamos eu e você, solitário leitor, acompanhando o raciocínio. Será? Ainda tem alguém aí?

Pensar para a transformação é um desafio, estudar a Palavra de Deus é outro. Se ainda tem alguém comigo, estou mudando o famoso ditado: uma imagem vale mais que mil palavras. Agora para mim é assim: uma imagem vale mais que mil palavras…para quem entendeu a frase!

***

Fonte: Autor Junior Mendes divulgado por PC@maral

Um comentário:

  1. Olá PC. Parabéns pelo blog. Deus te abençoe!

    ResponderExcluir

Todos os comentários serão moderados. Comentários com conteúdo fora do assunto ou do contexto, não serão publicado, assim como comentários ofensivos ao autor.

Tecnologia do Blogger.