Header Ads

Chuvas no Rio mostram o despreparo do Brasil, dizem especialistas

Faltam programas de monitoramento e políticas públicas de urbanismo para as cidades



Foto por Alaor Filho/AEO

Rio de Janeiro, que nesta terça-feira (6) amanheceu mergulhado no caos por causa de chuvas contínuas que já deixaram mais de 90 mortos (às 16h30), é um exemplo do despreparo do Brasil para enfrentar as anomalias climáticas, que nos últimos meses causaram grandes desastres à região sudeste, afirmam especialistas.

Estradas inundadas que paralisam o comércio, engarrafamentos, desmoronamentos de casas e deslizamentos de terra são as cenas mais comuns que se seguem aos temporais nas cidades superpovoadas da região, que abriga as principais metrópoles do Brasil - São Paulo (20 milhões de habitantes) e Rio de Janeiro (6 milhões) -, especialmente na temporada de chuvas, que se estende de dezembro a março.

Embora "hoje haja tecnologia de monitoramento - dados, instrumentos - o que não há é um mapeamento das áreas de risco (...) Então, falta a informação sobre o nível de vulnerabilidade do terreno" que permita às autoridades alertar a população, diz Eymar Lopes, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que desenvolve um programa informático de alerta climático.

De fato, enquanto a consultoria privada Climatempo mantém desde a manhã desta terça-feira um alerta de chuvas e riscos de deslizamentos de terra para o Rio de Janeiro, o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet, oficial) mantém a previsão de "chuva significativa" para a região.

Lula reconhece problemas de planejamento

A situação do Rio "é um bom retrato da falta de preparo absoluto das grandes cidades brasileiras a qualquer tipo de anomalia climática", afirmou o sociólogo Sérgio Abranches, comentarista de ecologia e política da rádio CBN.

Até mesmo o presidente Luiz Inácio Lula da Silva reconheceu a gravidade da situação, vinculada aos problemas de construção na cidade.

Lula, que está na Presidência há oito anos, criticou os "desmandos administrativos neste país, 40 anos atrás, quando se permitiu que as pessoas vivessem de forma desordenada, em morros, construindo conjuntos inadequados de casas", e assegurou que as autoridades deselvolvem projetos de melhorias nestes bairros carentes.

Apesar disso, o orçamento para 2010 do governo federal destinado à prevenção de desastres caiu 55% para R$ 168 milhões, segundo o último informe da ONG Contas Abertas. O programa de resposta a desastres para este ano é de R$ 1,1 milhão.

Copyright AFP - Todos os direitos de reprodução e representação reservados

***

Fonte: R7.com

Nenhum comentário:

Todos os comentários serão moderados. Comentários com conteúdo fora do assunto ou do contexto, não serão publicado, assim como comentários ofensivos ao autor.

Tecnologia do Blogger.