Header Ads

O Homem Natural

Sendo criado por Deus, o homem é um ser racional. Deus lhe concedeu o livre arbítrio, ou seja, a liberdade de escolher entre o bem e o mal; de obedecer-lhe ou ignorar Seus mandamentos.

A história da humanidade revela a seqüência de decisões tomadas pelo homem. Este, por sua vez, tornou-se rebelde, egoísta e orgulhoso.

O homem fez mau uso desta dádiva divina, escolhendo quase sempre o caminho que conduz à morte. Dessa forma, todo ser humano indistintamente nasce sob três condições naturais: Condenado à morte - Separado da família de Deus - Sem esperança (num lugar terrível).

CONDENADO À MORTE:

Em Adão todos nós recebemos, por herança do pecado, a morte (Rm. 5:12). A Bíblia garante que não há um justo sequer e que todos pecaram (Rm. 3:23), sendo que o salário do pecado é a morte (Rm. 6:23). Por isso a Bíblia define a condição do ser humano que ainda não conhece o plano de Deus, como: cego, morto, nas trevas, dormindo (Ef. 5:14; 2:5). Nossa condição natural resulta em morte moral e física. O ser humano está morto espiritualmente quando se apega ao pecado e a um sistema de vida pecaminoso. O pecado separa o pecador de Cristo, o Doador da vida.
O apóstolo Paulo descreve em Efésios 2:1-3 como é a vida da pessoa sem Cristo:

1 - Todos os homens possuem uma natureza pecaminosa e cometem pecados (Sl. 51:5).
2 - Todos estão mortos nos delitos e pecados. Delitos significa transgressão aos princípios de Deus. Pecado é não atingir o padrão exigido por Deus. Assim ambos expressam a deficiência do homem em viver como pode e deve viver.
3 - O procedimento da pessoa sem Cristo é determinado:
  1. Pelos padrões do mundo (sistema mundial funcionando contra tudo o que é verdadeiro em Jesus Cristo);

  2. Pelo príncipe da potestade e do ar (o diabo);

  3. Pelo espírito que atua nos filhos da desobediência;

  4. Pelas inclinações (maneira de pensar) da carne (princípio pecaminoso que opera em nós) e dos pensamentos: vida centralizada em si mesmo e independente de Deus.
4 - O fruto produzido por este tipo de vida é: “Imoralidade, impureza, ações indecentes, adoração de ídolos, feitiçarias, inimizades, brigas, ciumeiras, acessos de raiva, ambição egoísta, desunião, paixão partidária, invejas, bebedeiras, farras e outras coisas parecidas com essas” (Gl. 5:19-21).
SEPARADO DA FAMÍLIA DE DEUS:

O homem quando vem a este mundo, não nasce filho de Deus. Todos nós nascemos órfãos. Não temos Deus como nosso Pai, somos apenas criaturas de Deus. Por que nascemos criaturas de Deus e não filhos? Porque pelo pecado perdemos o direito de sermos filhos de Deus (Ef. 2:1-3,12). Quando o homem deixou de obedecer a Deus no jardim do Éden, obedecendo a serpente, ou seja, o diabo, tornou-se servo (escravo) do maligno (Rm. 6:16).

Nos dias de Jesus os judeus gostavam de afirmar que Deus era o “Pai” deles. Mas Jesus disse claramente a certos opositores que eles eram “filhos do Diabo” (Jo. 8:41,44,47), pois tinham prazer em fazer sua vontade. Isto mostra novamente que a filiação com Deus, por parte de qualquer dos descendentes de Adão, requer não a mera descendência carnal, natural, mas primariamente a provisão de Deus, de uma relação espiritual com Ele, e que tal relação, por sua vez, requer que os “filhos” sejam fiéis a Deus por manifestar as qualidades Dele, por serem obedientes à Sua vontade e servirem fielmente aos Seus propósitos e interesses.

SEM ESPERANÇA NO MUNDO:

O apóstolo Pedro diz que Deus “nos chamou das trevas para sua maravilhosa luz”, e que antes não éramos povo, sem direito à misericórdia (I Pd. 2:9,10). Paulo complementa esse pensamento dizendo que as pessoas que não têm Cristo encontram-se “...separados de Israel (o povo de Deus), e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança, e sem Deus no mundo” (Ef. 2:12). Sobre isso aprendemos quatro lições importantes sobre a condição do homem natural:
  1. Está desprovido do Messias (salvador).

  2. Não tem o direito de cidadania dentro da nação eleita (o povo de Deus).

  3. Sofre privação espiritual, perdendo os privilégios e vantagens da aliança.

  4. Não tem esperança, pois está sem Deus no mundo.

De fato, sem Cristo, estamos nas trevas, “...e quem anda nas trevas não sabe para onde vai.” (Jo. 12:35).

COMO SAIR DA CONDENAÇÃO DA MORTE?

Para sairmos da condenação da morte é preciso que sigamos alguns passos importantes:

1 - Crer no sacrifício feito por Jesus na cruz (Jo. 3:16): Quando a Bíblia fala que precisamos crer, não é um simples crer, pois a Bíblia diz que até os demônios crêem e tremem (Tg. 2:19) e nem por isso herdarão a salvação. Crer, no Novo Testamento, indica mais do que simples consentimento intelectual para com um fato. A palavra grega “pistis” significa: adesão, compromisso, confiança em uma pessoa ou objeto, e isto envolve não apenas o consentimento da mente, mas um ato do coração e da vontade da pessoa. “Todo o que nele crê” é o equivalente a “todo o que nele confia ou se entrega a ele (Cristo)”.
João mesmo é quem diz: “Quem nele crê não é julgado; o que nele não crê já está julgado” (Jo. 3:18; 5:24).
Observando a história do evangelista Felipe e o eunuco em Atos 8:26-39, podemos afirmar que o ato de crer culmina em uma atitude de mudança e compromisso com Deus.

2 - Crer que Jesus veio Trazer-nos a vida (Jo. 10:10): Vida, aqui, corresponde a ser salvo. Por meio da morte e ressurreição, Jesus tomou posse das “chaves da morte” (Hb. 2:14; Ap. 1:18), anulando, assim, a autoridade da morte que fora concedida a Satanás.

3 - Crer que Jesus é o único que pode nos dar a vida eterna (Jo. 17:2,3): Conhecer a Deus é ter um compromisso existencial com Ele como um sujeito vivo, em vez de aceitar certos fatos a seu respeito como um objeto de contemplação.

COMO PERTENCER A FAMÍLIA DE DEUS?

1 - Pelo processo de adoção feito por Jesus (Jo. 1:12,13): Se cremos em Jesus, adquirimos o privilégio, ou direito, de nos tornarmos filhos de Deus. Esta figura sugere a comunhão da Família da fé (Ef. 2:19; 3:14,15). Implica também a noção de um novo começo. Leia Efésios 1:5; somos em Jesus, filhos adotivos de Deus, mediante a fé (Gl. 3:26).

2 - Deixando-nos guiar pelo Espírito Santo (Rm. 8:14-17): Aqueles que são liderados pelo Espírito Santo são chamados de Filhos de Deus e ainda recebem o testemunho interior acerca desse fato. Os filhos adotivos de Deus são agora tanto seus filhos como seus herdeiros.

3 - Reconhecendo Jesus como nosso irmão (Rm. 8:29): A decisão de Deus é que, aqueles que confessam a Jesus, sejam semelhantes a Seu filho em forma e aparência. O termo “primogênito” significa o mais alto em hierarquia ou posição. Como irmão de Cristo, todos os crentes compartilharão do seu destino (Hb. 2:10-17).

COMO TER ESPERANÇA?

1 - Crendo no livramento divino (Gl. 1:3,4): Jesus Cristo se deu por nossos pecados, para nos livrar. Isto indica o propósito do seu sacrifício voluntário em favor da humanidade (Jo. 10:17,18). Se crermos nesse livramento, Deus nos livra do pecado e da morte e nos dá esperança de uma vida diferente e abençoada.

2 - Entrando pela única Porta da Salvação (Jo. 10:9): O privilégio do usuário da porta é a salvação, de imediato, para sempre, completamente. Isso só é alcançado pela fé pessoal em Cristo Jesus.

3 - Reconciliando-nos com Deus (Rm. 5:1-11): A morte de Cristo expiou os pecados de todas as pessoas que já viveram (I Jo. 2:2). Cristo levou sobre Si a culpa de nossos pecados e sofreu a punição que nós devíamos receber (I Pd. 2:24). A salvação é oferecida a todos, embora nem todos a aceitem.

4 - Aceitando a Jesus como nosso Salvador (Atos 16:31; Rm. 10:9-11): Somente aceitando a Jesus como Salvador, entregando-se a Ele sem reserva, é que o homem poderá tornar-se filho de Deus e participante da Sua graça.

***

DEC divulgação PC@maral

Nenhum comentário:

Todos os comentários serão moderados. Comentários com conteúdo fora do assunto ou do contexto, não serão publicado, assim como comentários ofensivos ao autor.

Tecnologia do Blogger.