Header Ads

O Evangelho que a Igreja esqueceu.


Por Renato Vargens


“Ó gálatas insensatos! Quem vos fascinou a vós outros, ante cujos olhos foi Jesus Cristo exposto como crucificado?" (Gálatas 3:1).

Culto da prosperidade, quebra de maldições hereditárias, culto dos milagres, culto do descarrego, culto da troca do anjo da guarda, culto para os que querem enriquecer, culto para uma vida plena, dentre tantos outros mais, fazem parte do universo gospel brasileiro.

Do Oiapoque ao Chuí, o que mais vemos são igrejas que no afã de encherem seus templos, anunciam um tipo de evangelho onde o que importa é agradar o cliente. Na verdade, ouso afirmar que mediante o pluralismo eclesiástico de nosso tempo, boa parte das comunidades cristãs tem anunciado uma forma de evangelho segundo o gosto do freguês. Isto se vê nitidamente nas pregações temáticas com palestras para empresários, endividados, adoecidos na alma, etc.

Já os assuntos abordados, são extremamente humanistas, cuja inspiração para a homilia vem exclusivamente da psicanálise. Além disso, segundo a vontade do freguês a musica cantada deve ter as mais variadas manifestações, do mantra ao funk, até porque, o que importa é atrair o cliente. Para piorar a situação a palavra do pastor tem que ser para cima, além disso falar em pecado é contra produtivo a uma vida de pecado.

Caro leitor, infelizmente a Igreja de Cristo esqueceu em algum lugar do passado o evangelho da salvação eterna, até porque, não se ouve mais em nossos arraiais pregações sobre arrependimento, pecado, morte de Cristo, juízo e vida eterna. Aliás, falar sobre pecado não é politicamente correto, até porque, não atrai multidões a grande congregação.

Como bem disse John Stott, pregar o Evangelho é anunciar Cristo e sua obra consumada na cruz. Quando anunciamos o Evangelho, expomos a doutrina de que o Cordeiro de Deus foi morto pelos nossos pecados, e que sem a sua morte todos nós estaríamos condenados ao tormento eterno. Pregar as Boas Novas é falar do nosso estado de miséria, como também do amor de Deus para conosco em ter enviado seu Filho para morrer na Cruz em nosso lugar. Pregar o Evangelho não é anunciar um Deus Milagreiro, e sim um Deus Santo, Justo, e amoroso que mediante a morte e ressurreição de seu Filho nos concedeu vida eterna.

Louvado seja Deus pelo Evangelho da Salvação Eterna.

***

Fonte: Renato Vargens - Divulgado no PC@maral

Um comentário:

  1. A reforma se faz necessária.
    Estamos tão longe do evangelho que não sabemos nem por onde começar para voltar a verdade.


    Paz.

    ResponderExcluir

Todos os comentários serão moderados. Me reservo o direito de não publicá-los caso o conteúdo esteja fora do contexto, ou do assunto, ou seja ofensivo ao autor do texto.


..

Tecnologia do Blogger.