Header Ads

Não Confio em Político Evangélico!



Que ninguém confia em político já é um fato, o mais incrível é que na hora do voto, no momento em que o eleitor pode mudar esse quadro, ele vota no mesmo corrupto que votou antes e o decepcionou, tipo: ultima chance. Ou vota em pessoas totalmente desqualificadas para o cargo em todos os sentidos, exemplo: Tiririca. Seja por indicação ou por mera falta de opção ou porque não se dá ao trabalho de procurar saber alguma coisa sobre o passado daquele ou do outro candidato ao cargo público.

Que políticos fazem promessas mirabolantes todos sabem. Curioso é que quando estão no governo não cumprem grande parte delas, e o povo, nem se lembra e nem faz questão de lembrar, não querem assinar atestado de “trouxa” por que votaram naquele “sujeito” [agora é sujeito, antes era o salvador da pátria]. Foram tantas promessas que seu candidato fez nos palanques e debates que falha a memória agora. É o lapso!

Outro fato curioso são as denuncias de irregularidades quando estão em campanha. Como aparecem não é? Uma avalanche! Mas, as irregularidades foram cometidas nas campanhas ou quando estavam atuando no governo como representantes do povo? Se estavam no governo, por que não foram investigadas e punidas como manda a lei? E se existem denuncias por que concorrem a cargos? Então você pode alegar que: Sim! Existe investigação, mas eles se beneficiam de “fórum privilegiado” e dificilmente, raramente, são condenados, exemplos assim existem aos milhares neste país, além disso, neste país “ninguém é culpado até que se prove o contrário”. [se aplica aos ricos, pois, de pobre inocente a cadeia está cheia].

Eu sei que existe toda uma “máquina”, [parece até conspiração secreta], que movimenta política, corrupção, poder e impunidade neste país. E, ávidos para entrar e fazer parte desta “máquina” surgem no cenário político “pastores evangélicos”. Com justificativas mais deslavadas possíveis, conduzem o povo ao erro convencendo-o de que Deus precisa tomar parte nas decisões da nação. De que somente com o povo de Deus no poder acabará com toda essa corrupção e desmandos e omissões e aprovação de leis das mais absurdas e que só favorecem uma minoria ou categoria especifica. “Homens de Deus” estufam o peito, “é a solução”. Parece que a coisa não é bem assim. A grande maioria tem usado o púlpito como trampolim para Brasília. E os testemunhos são os piores possíveis.

Eu, particularmente, tenho minhas reservas em relação a políticos evangélicos. Eu, não aprovo levantar uma bandeira evangélica no governo visando “salvar a pátria”. Político evangélico para mim é pior do que político natural. Político evangélico que usa Deus como trampolim para candidatura e manipula o rebanho para abocanhar votos é pior do que políticos do mundo. Quando não são pegos em mamatas estão carimbando seus passaportes para “paraísos fiscais” e para o inferno, pois conhecem a vontade de Deus, “deveriam conhecer”, mas dão sinais completamente contrários.

Claro que existem raras exceções. E cristãos fiéis a Deus e a Sua Palavra encontram barreiras enormes e na grande maioria das vezes tem seu trabalho limitado e direcionado para áreas de assistência social. Projetos polêmicos, tipo o que está em evidência no cenário político atual, principalmente nesta eleição, que trata do homossexualismo e aborto, e que, logo, logo serão aprovados, apesar de toda “bancada evangélica”, desculpe dizer, mas é inevitável. Na minha opinião, o povo evangélico está lutando na trincheira errada, deveria atacar a causa e não o resultado do problema, ou seja, a família, que está sendo destruída por Satanás em seus princípios e valores.

Evangélico em cargo de governo mundano sabe muito bem que na política vai, a qualquer momento, abrir mão de princípios e até mesmo da Verdade [Verdade de Deus], para se chegar a um resultado. A opressão e a desigualdade no favorecimento de classes distintas são evidentes e a troca de favores maior ainda. Pode um político “verdadeiramente cristão” sobreviver num terreno desses? Se for fiel, realmente, ouve a voz do Senhor que diz “sai do meio deles”. Se estiver atrás de vantagens e benefícios próprios tapa os ouvidos e deixa o barco navegar no mar da corrupção. Um olho no céu e um olho no diabo, que mal sabe ele, já colocou uma argola no seu pescoço.

Concluindo; para mim, política e religião não combinam, e crente, que se diz temente a Deus, misturar púlpito com campanha visando benefícios para a igreja é pior ainda. É dizer claramente que não confia em Deus. E deixa claro que perdeu o foco, Jesus Cristo, há muito tempo, descambando para o mundo, e estão atrás de glória pessoal. Os políticos profissionais têm culpa? Claro que não! Eles fazem o que lhes é natural Eles fazem o que é natural de um político fazer. Manipulam e fazem uso das armas a sua disposição. São profissionais. Os "evangélicos" - "pastores" [que apascentam a si mesmos] são os maiores culpados do estado lastimável em que se encontram muitas igrejas que se dizem cristãs. E o rebanho segue a “onda” para que a sua igreja “cresça” e fique mais “bonita”.

Esqueceram eles, que quando Jesus voltar, tudo isso vai queimar?

***

PC@maral

Um comentário:

  1. Político é político. Não importa se é evangélico ou não. São todos iguais.. farinha do mesmo saco!!!

    ResponderExcluir

Todos os comentários serão moderados. Me reservo o direito de não publicá-los caso o conteúdo esteja fora do contexto, ou do assunto, ou seja ofensivo ao autor do texto.


..

Tecnologia do Blogger.