Header Ads

Parece Campanha do Império!

Pela primeira vez em 120 anos de República, questões religiosas interferem na disputa presidencial.

Marcelo Dias

Fé, catolicismo, protestantismo, islamismo, judaísmo, hinduísmo e outras religiões, por lei, não combinam com a República. A constituição de 1988 estabelece que o Estado é laico; ou, conforme a definição do filósofo Antônio Houaiss, “aquele que não pertence ao clero nem a uma ordem religiosa”. Apesar disso, os candidatos Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB), e boa parte do eleitorado, tem ignorado esse conceito ao limitar o debate à discussão sobre aborto e homossexualismo sob a ótica de crenças.

Para o historiador Milton Teixeira, a discussão religiosa na escolha do presidente remete o eleitor ao século XIX, aos tempos do Império, quando a Constituição de 1824, “em nome da Santíssima Trindade”, determinava o credo nacional, em seu artigo quinto. O Império erqa católico romano e permitia a prática de outros cultos apenas em templos.

Hoje, 186 anos depois, questões de direito civil e de saúde pública, como o casamento gay e o aborto, descambaram para o terreno de crenças pessoais. Em vez de emprego, segurança, saúde e educação, os candidatos discutem aspectos morais e de fé.

A religião nunca interferiu nos tempos republicanos. Jamais houve uma eleição com intromissão de religiosos. Para se ter uma idéia, nem o Natal era feriado na Republica Velha (1889-1930). Isso, num Estado laico, é de uma lógica incrível. A Igreja não piava. O que vemos nesta campanha faz o país voltar à época do Império; conta Milton Teixeira.

Reflexos no ministério

Segundo o historiador, a interferência religiosa ia além e se refletia até o ministério de Pedro I e Pedro II: Os padres recebiam salários pagos pela Fazenda real. As igrejas eram prédios públicos. Aliás, foi uma grande falha da República elas ficarem com seus bens; mas a Igreja tinha um bom lobby no Congresso. A sociedade era muito hipócrita. Você falava de moralidade e fazia outra coisa por trás. Funcionário público tinha de ser casado, os membros do governo eram quase todos maçons e quem vivia com amantes perdia o cargo.

Tenha Fé

Renato Machado.

DEFINIÇÕES:

ESTADO: Conjunto de poderes políticos de uma nação.
LAICO: Secular, por oposição a eclesiástico.
ECLESIÁSTICO: Relativo ou pertencente à Igreja ou Clero.

Será mesmo o Brasil um Estado laico? Estado laico é aquele em que as religiões não se intrometem na política das nações. No Império o Brasil não era laico, o Catolicismo era a religião oficial. A Constituição de 1824 só permitia eleição de católicos para o Congresso. Com a república, a lei mudou. Voto e religião não se misturam mais. Será?

Mas, hoje, para se chegar ao paraíso [Brasília] eles utilizam artifícios pouco cristãos, promovem caça as bruxas, agem como se fossem candidatos a chefes de igreja, e o rebanho que cai nessa... VOTA E FAZ... o Estado laico se transformar num INFERNO!


LEIA + AQUI:

  Sua Excelência o Eleitor

  Eleitor não se lembra em que votou na última eleição

  Pressão de evangélicos não é por fé, mas por poder

***


Fonte: Jornal Extra, domingo 17 de outubro de 2010 – Coluna Geral Eleições 2010 – Reportagem Marcos Dias – segunda parte “Tenha Fé” de Renato Machado.

2 comentários:

  1. Caro amigo,

    Muito bom artigo!
    É lamentável a situação em que pastores estão colocando a Igreja com este envolvimento nessas eleições.

    Parabens.

    Em Cristo,
    AGNALDO GOMES venha ver meu último post sobre.. Eleições 2010:A Vergonha Evangélica

    ResponderExcluir
  2. É verdade, existe uma pressão muito grande para que os candidatos se posicionem.
    Eles deveriam falar publicamente que, independentemente de qual religião professem, serão presidente de um Pais com pluaridade de religiões, os temas polêmicos em discussão no congresso seriam votados de acordo com a necessidade, prioridade e isento de "paixões" pessoais, deve ser bom para o Brasil. Essa "pressão" religiosa não deveria existir. aliás, não me lembro de uma candidatura em que os "evangelicos" fizessem tanto coro, se intrometessem tanto, pergunto, talvez tenha tido, não sei, quando em que tempo houve um presidente dito EVANGÉLICO ? ao contrário a Bíblia nos ensina a não nos meternos em política, ao contrário, que oremos pelos governantes, A CÉSAR O QUE É DE CÉSAR...
    Paz.

    ResponderExcluir

Todos os comentários serão moderados. Me reservo o direito de não publicá-los caso o conteúdo esteja fora do contexto, ou do assunto, ou seja ofensivo ao autor do texto.


..

Tecnologia do Blogger.