Header Ads

Crentes Vitimas de Depressão


Ela não respeita ninguém. Pode atingir pessoas de qualquer idade, de qualquer lugar, de qualquer classe, de qualquer sexo, de qualquer crença. Estamos nos referindo à depressão, uma das experiências mais perturbadoras e mais incompreendidas. Como entendermos, enfrentarmos e superarmos o episódio depressivo, que transtorna e desarticula todas as dimensões da nossa vida individual, espiritual e relacional?

A depressão é tão universal quanto o mais comum dos resfriados. De acordo com os dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), ela atinge cerca de trezentos e quarenta milhões de pessoas, em todo o mundo. No Brasil, existem cerca de treze milhões de depressivos [Cechinato e Novareti (2002:16)]. Conquanto seja bastante comum, a depressão é encarada com preconceito e discriminação. Por esta razão, procura-se, ao máximo, esconder ou reprimir o estado depressivo, dificultando a sua descoberta rápida e o seu tratamento adequado. É, ainda, mais difícil admitir a depressão no contexto evangélico! Sabe por quê? Porque muitas pessoas associam depressão a fraqueza, pecado e demônio. Diante disso, inúmeras pessoas que participam conosco das adorações coletivas semanais sofrem caladas, solitárias e impotentes os terríveis transtornos do episódio depressivo. Mas, afinal, o que é depressão? O que a causa? Quais são os seus sintomas? O que dizer a uma pessoa deprimida? Quais a tentações da depressão? É possível superá-la? Estas e outras questões são tratadas na seqüência.

Estou cansado de viver. Vou me desabafar e falar da amargura que tenho no coração. (Jó 10:1 – NTLH)

Os motivos da depressão

O que fez com que Jó entrasse num estado depressivo? A sua depressão teve uma causa exterior e visível, facilmente identificável: misteriosas, repentinas e sucessivas tragédias (Jó 1:13-19). Em questão de horas, a riqueza e a família daquele homem honesto, piedoso, e respeitado foram destruídas e arrasadas. Houve, ainda, outra grande perda: a perda da saúde. O seu corpo ficou cheio de feridas horríveis. Ele mesmo fala dos terríveis sintomas que acompanharam a sua enfermidade (Jó 2:7,8,12, 3:24-25, 7:5, 9:18, 16:16, 19:17,20, 30:27,30, 33:21). Vale dizer, porém, que nem sempre é possível identificar uma situação externa que justifique o quadro depressivo. Há pessoas que têm tudo – emprego, família, carinho, amizade, proteção – para serem felizes, mas são deprimidas. Elas se perguntam, culpadas: Por que me sinto assim, sem alegria, sem brilho, sem ânimo, sem paixão? De acordo com os especialistas, há estados depressivos que são causados por um desequilíbrio bioquímico em nosso cérebro, onde atuam mensageiros químicos chamados neurotransmissores, que ajudam a controlar e equilibrar as emoções [Chave-Jones (2001:15-28)].

Os sintomas da depressão

Albert Fiesen [Frisen (2000:209-211)], destaca que a depressão, no extremo de sua manifestação, por alterar profundamente o nosso pensamento, o nosso sentimento e o nosso comportamento, pode chegar a paralisar completamente a nossa capacidade de ação, impossibilitar-nos de desempenhar as tarefas mais comuns, e, até mesmo, levar-nos a perder o interesse pela própria existência, causando um profundo sofrimento à pessoa, à família e a seus amigos. Alguns de seus vários sintomas são: A redução na capacidade de sentir prazer em maior parte das atividades, antes, consideradas como agradáveis; fadiga ou sensação de perda de energia; diminuição da capacidade de pensar, de se concentrar ou de tomar decisões; perda ou excesso de sono; perda ou excesso de apetite; recusa em estar com outras pessoas, crises de choro; sensação de desamparo; comportamentos suicidas; irritabilidade; sentimentos de inutilidade; idéias de culpa extremamente penosas; sensação de irrealidade [Albisetti (1997:6-7)]. Vemos, em Jó, alguns desses sintomas (Jó 3:20,21,26, 7:4, 9:21, 14:1, 17:7).

Os conselhos na depressão

Em seu estado de profunda angústia, Jó recebeu a visita de alguns amigos, que tinham a intenção de oferecer-lhe palavras de consolo e de conselho (Jó 2:11). De início, ficaram calados, somente escutando as palavras e observando a situação daquele homem marcado pela tragédia. Deveriam continuar calados! As suas palavras e os seus conselhos foram desastrosos e deprimentes. Eles foram péssimos conselheiros e terríveis consoladores. As palavras de Elifaz (4:3-5,7-8, 15:4,20,26), Bildade (8:2,13; 18:2,5,12), Zofar (11:2-3, 12-15, 20:19-21,28-29) e Eliú (34:7,33,37, 35:2,16, 36:21) golpearam, censuraram, humilharam e culparam aquele homem fisicamente enfermo, emocionalmente deprimido e espiritualmente confuso. A acusação superou a compaixão! [Swindoll (2004a:77-117)]. As pessoas que sofrem de depressão sentem-se sozinhas, impotentes e antipáticas. Embora esteja clamando por socorro e auxílio, a pessoa deprimida tem a impressão de que ninguém se importa ou se interessa pela sua situação. Jó se sentiu assim. Leia o seu lamento: Jó 19:13-20.

As tentações da depressão

O livro de Jó mostra que a pessoa deprimida está sujeita às tentações da inquirição, da amargura, da apostasia e do suicídio. Quanto a isso, de maneira bem resumida, podemos dizer que

(1) A tentação da inquirição implica inquirir, perguntar, questionar a causa, o porquê, a razão de tanta aflição. O livro de Jó está cheio de porquês (Jó 3:11,12,20,23,25, 7:20, 9:29, 10:2,18, 13:14,24,26, 15:12, 18:3; 19:22,28, 21:7; 24:1).

(2) A tentação da amargura, por sua vez, implica em que um abismo chama outro abismo. Por não obter as respostas desejadas, a pessoa ressente se contra tudo e contra todos. Isso ocorreu com Jó (Jó 7:11, 10:1, 21:25, 23:2, 27:2, 29:1-6).

(3) A tentação da apostasia nasce da amargura e é caracterizada, primeiramente, por um rompimento com a palavra de Deus e, posteriormente, por um rompimento com o Deus da palavra. Se Jó tivesse dado ouvidos à esposa, teria caído na apostasia. Ela lhe disse: Ainda reténs a tua sinceridade? Amaldiçoa a Deus e morre (Jó 2:9).

(4) A tentação do suicídio, de sua parte, implica em que, com o passar do tempo, o deprimido passa a ansiar ou a pensar na própria morte, como uma solução para a aflição. Estudos apontam que 60% das pessoas que se suicidam apresentam sintomas depressivos (Jó 7:15-16, 16:16, 17:1,13-14,16, 19:26, 29:23, 30:31).

Os antídotos da depressão

Pode ser que você esteja na caverna da depressão, tentando escapar deste terrível estado emocional. Você pensou que aquela tristeza fosse passar logo, mas não passou. Chegou para ficar. É possível que a sua situação, agora, seja tão complexa que precise de tratamento especializado. Se o nosso problema é de natureza física, procuramos o especialista, que pode ser um cardiologista, um oftalmologista, um ginecologista, etc. E se o problema for de natureza emocional? Devemos, sem hesitação ou relutância, procurar os especialistas da Psicologia e da Psiquiatria. Deus, por meio da graça comum, dotou-os de conhecimento e habilidades que podem ser usados para cuidar da nossa saúde. Em entrevista dada à edição de nº 269 da revista evangélica Ultimato, que teve como capa Depressão e Sofrimento, Uriel Heckert, [Cézar (Revista Ultimato: março e abril de 2001)], doutor em Psiquiatria pela Universidade de São Paulo, destacou que, no tratamento da depressão, “o ato de diagnosticar, medicar, exercer a psicoterapia, orientar sobre atitudes e riscos” são funções específicas dos psicólogos e psiquiatras. Ele, porém, reconhece que familiares e amigos habilidosos, especialmente, aqueles que já passaram por experiência semelhante, bem como pastores e conselheiros capacitados, também têm a sua contribuição. A igreja se for uma comunidade de acolhimento e encorajamento, de igual modo, pode ajudar aos que sofrem com a depressão e às suas famílias.

Em busca da mudança

Verbalizar a decepção pessoal também auxilia na superação da depressão

Nos dois primeiros capítulos do livro de Jó temos várias falas. O primeiro a falar é Deus (Jó 1:7a,8,12, 2:2a,3,6). O diabo é o segundo (Jó 1:7b,9-11, 2:2b,4,5). Temos, também, as falas dos quatro mensageiros das tragédias (Jó 1:14-19). A mulher de Jó fala uma vez (Jó 1:9); os amigos de Jó estão presentes, mas não lhe dizem palavra alguma (Jó 2:12 13). E Jó? Jó fala duas vezes (Jó 1:21, 2:10). A sua primeira fala é de adoração, dirigida a Deus (Jó 1:21); a segunda, de repreensão, dirigida a sua mulher (Jó 1:9). As duas falas de Jó são a favor de Deus! Não se vê nelas nenhuma acusação, nenhuma cobrança, nenhuma blasfêmia, nenhuma revolta. O segundo capítulo termina com silêncio. Inicia-se o terceiro capítulo. Quais são as primeiras palavras? Estas: ... depois disso abriu Jó a boca (Jó 3:1a). O tom mudou! Não é mais de adoração, mas, sim, de desabafo. Esse é o capitulo do desabafo. Jó verbaliza a sua angústia. Jó sofre, mas não sofre calado! Ele afirma: Não posso ficar calado. Estou aflito, tenho de falar; preciso me queixar, pois meu coração está cheio de amargura (Jó 7:11). Se o seu coração está agitado, ansioso, dolorido, inquieto e confuso, abra a boca! Verbalize e desabafe a sua frustração. Expresse seus sentimentos! Desabafe com os amigos, com os irmãos, com o pastor, com os filhos, com a mulher, mas, sobretudo, desabafe com Deus (Jó 10). A oração do desabafo é profundamente terapêutica e aliviadora.

Valorizar a amizade sincera também auxilia na superação da depressão

É difícil confiar nos outros, quando se está deprimido. É preciso muita energia para interagir com os outros. A tendência da pessoa com depressão é isolar-se no seu sofrimento, evitando contatos e amizades. É bom sabermos que os amigos podem nos auxiliar na superação da depressão. Só devemos ter cuidado com os amigos de Jó. Sim, eles ainda existem. Estão por aí. Calados; parecem prestativos, condoídos, prudentes, sensíveis, solidários, espirituais. Parecem! Quando nos dizem alguma coisa... Que tragédia! Não tem nenhuma sabedoria, nenhuma psicologia, nenhuma misericórdia! Dizem que não temos fé, que estamos cheios de autopiedade, que não queremos regozijar-nos no Senhor, que damos lugar ao diabo. Nem todos os amigos, porém, são como os amigos de Jó! Existem muitos amigos sinceros, sensatos e confiáveis, que não nos agridem, que não nos culpam que não nos cobram nada. Eles são tardios para falar e prontos para ouvir (Tg 1:19), pois entendem que o silêncio também consola. Por essa razão, ficam do nosso lado, apenas para ouvir-nos falar das nossas dores, das nossas aflições, das nossas tensões. Se abrirem a boca, dizem palavras saudáveis (PV 16:24), oportunas (Pv 25:11), temperadas (Cl 4:6), autênticas (Mt 5:37). Se você tem gente assim por perto, valorize a sua presença, procure a sua amizade, escute seu conselho.

Considerar a soberania divina também auxilia na superação da depressão

Em seus discursos angustiados, Jó lamenta, reclama, desabafa, retruca, pergunta, escuta, explica, suplica, confessa – confessa com incrível beleza e profunda certeza a soberania divina (Jó 9:1-13, 12:12-25, 19:23-29, 20:23-29, 23:13-17). Jó sabe que quem rege a sua história não é o diabo; é Deus. Isso está de acordo com a Bíblia, que nos dá a certeza de que, do seu trono elevado e sublime, Deus exerce seu domínio e governo, de maneira absoluta e perfeita, sobre cada recanto deste gigantesco universo, conforme o conselho da sua vontade. As decisões dele jamais são frustradas! Os propósitos dele jamais podem ser impedidos! As intenções dele jamais podem ser alteradas! Deus é Deus! Ele não fica agitado, surpreso, assustado, ansioso, perdido, confuso com o que acontece no universo; nunca perde o controle, o governo, o domínio da situação. Não tenha receio dessa grande doutrina. Ela deve trazer-lhe conforto! Faça da soberania divina o seu calmante, o seu andador, o seu suporte, o seu rochedo, a sua armadura para suportar e superar a dúvida, a acusação, o silêncio, a solidão, o deboche, a tragédia, o infortúnio, a depressão.

Concluindo

Você, que está lendo estas últimas linhas, precisa saber de uma coisa: Deus quer ajudá-lo a ajudar alguém que enfrenta a depressão. Uma das coisas mais importantes de que uma pessoa deprimida necessita é de diagnóstico e tratamento adequados. Sendo assim, encoraje essa pessoa a procurar o diagnóstico e o tratamento médico especializado. Ajude-a, também, em suas práticas devocionais. A vida espiritual de uma pessoa com depressão é atingida. É comum que não haja disposição para as práticas habituais de oração e leitura da Bíblia, da mesma forma que não existe ânimo para ir aos cultos da igreja. Ore com ela por telefone ou pessoalmente. Leve-a à igreja com você. No culto, fique ao lado dela, para cantar e clamar a Deus com ela e por ela. Mãos à obra!



Fonte:
Departamento de Educação Cristã
Pastor Genilson Soares da Silva


5 comentários:

  1. Paz do Senhor!

    Postei hoje de manhã um tema referente à Depressão também: Um Cristão pode se consultar com um Psicólogo ou Psiquiatra? É um tema que deve ser amplamente pregado e discutido em nossas igrejas.

    Parabéns pelo blog! Sempre passo por aqui e recomendo também aos meus leitores.

    Um abraço fraternal, Deus abençoe

    www.gospelhomeblog.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Parece Jesuscidência rsrsrsrs

    Eu havia visto seu artigo hoje pela manhã no meu painel. Eu sempre corro as atualizações dos blogs que sigo para saber os assuntos pautados e publicados.

    Eu separei e guardei seu artigo coloquei na fila para esse assuinto depressão.

    Um abraço e que Deus te abençoe!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pela clareza nesse texto e pelos direcionamentos corretíssimos sobre essa situação que infesta nossa sociedade, incluindo os crentes, pastores... O amor e a compreensão ajudam, em muito, as pessoas a encontrarem a cura! Pode ter certeza.
    abç
    Adriana

    ResponderExcluir
  4. Eu to cm depressão devido a tanta calunia q venho sofrendo na igreja, não tenho força p aguentar os olhares condenatórios, o meu pastor vive enfatizando que depressão é coisa de quem não ora e todos ficam me fitando, especulando sobre minha vida...Estou profundamente envergonhada...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo que é uma situação muito dificil a que está enfrentando. Eu a encorajo a voltar-se para o Senhor Jesus. Pedir ajuda a Ele. Eu sei que isto também é dificil em momentos assim. Fale com Deus. Fale como se estivesse falando com um amigo, e tenha certeza de que Ele é o seu melhor amigo. Não é necessário nenhuma oração formal, apenas converse com Deus, com palavras ou pensamentos e peça o consolo que só o Espírito Santo pode nos dar e aliviar nossa dor.

      Eu oro a Deus por você para que o Espírito Santo a visite agora e te console e refrigere seu coração e você possa se livrar de toda essa carga que lhe aflige.

      Deus te abençoe. Use o texto para identificar o problema e encontrar uma solução para essa fase dolorosa de sua vida. Que Deus a ajude e você possa alcançar a vitória sobre a depressão.

      Fica com Deus.

      Excluir

Todos os comentários serão moderados. Me reservo o direito de não publicá-los caso o conteúdo esteja fora do contexto, ou do assunto, ou seja ofensivo ao autor do texto.


..

Tecnologia do Blogger.