Header Ads

Jesus Transforma Minha Vida

Tendo o mestre-sala provado a água transformada em vinho (não sabendo donde viera, se bem que o sabiam os serventes que haviam tirado a água), chamou o noivo. (Jo 2:9)

A Palestina, antiga terra de Canaã, onde se desenvolveram os mistérios da redenção, era, nos dias de Cristo, constituída por três divisões principais: Judeia, Samaria e Galileia. A Judeia ficava ao sul; Samaria, ao centro, e a Galileia ao norte. Jesus nasceu em Belém da Judeia (Lc 2:4-7), mas foi criado em Nazaré, que pertencia à Galileia (Lc 2:39). Ao atingir a maioridade legal (Nm 4:3), ali ele iniciou o seu ministério (Lc 4:14 16, 31); ali chamou os seus primeiros discípulos e realizou o seu primeiro milagre: a transformação da água em vinho (Jo 2:1-11).

É no Evangelho de João (2:1-11) que encontramos o registro do primeiro milagre (ou sinal) realizado por Jesus, ao iniciar seu ministério. Este fato aconteceu durante uma festa de casamento, em Caná da Galileia, e a narração começa assim: Três dias depois, houve um casamento em Caná da Galiléia, achando-se ali a mãe de Jesus. Jesus também foi convidado, com os seus discípulos, para o casamento, (Jo 2:1-2). A análise desse episódio revela-nos os sentimentos de sociabilidade e solidariedade demonstrados por Jesus, assim como sua sabedoria e seu poder.

A sociabilidade de Jesus: Participando daquela festa como convidado, Jesus teve a oportunidade de revelar o lado social do evangelho. Portanto, com base nesse exemplo de Cristo, nenhum cristão está impedido de participar de eventos sociais, desde que neles prevaleçam a decência, a ordem e os bons princípios. Jesus sempre esteve presente em ajuntamentos, desde que neles pudesse fazer algo para a glória do Pai. Esteve em jantares (Jo 12:1 e 2); velórios (Lc 7:12-15); sinagogas (Mt 4:23; 9:35), festas de casamento (Jo 2:1-11), e até nas praias (Mt 13:2; Mc 4:1; Lc 5:3). As festas de casamento entre os judeus, naquela época, costumavam durar até uma semana. Em razão disso, todos os preparativos deveriam ser feitos com antecedência e levando-se em consideração o tempo de duração da festa e o número dos convidados. A anfitriã, nestes casos, a família do noivo, era a responsável pelas despesas e pela organização geral, de modo a proporcionar aos convidados o melhor atendimento possível. Havia um mestre-sala e serventes na prestação desse atendimento. Um detalhe: o vinho de boa qualidade não podia faltar à mesa, enquanto durasse a festa.

A solidariedade de Jesus: Enquanto a festa se desenrolava, Maria, mãe de Jesus, percebeu que o vinho que estava sendo servido aos convidados se acabara, e, embora os convidados de nada soubessem, nos bastidores, isto já não era mais segredo. Os responsáveis pela festa, preocupados, não sabiam o que fazer. O clima entre eles era de desapontamento. Ciente disto, Maria, discretamente, confidenciou a Jesus: Eles não têm mais vinho (Jo 2:3). A atitude tomada por sua mãe revela que ela cria firmemente numa solução do problema por parte de Jesus. A informação dada a Jesus por Maria teve o significado de um pedido de socorro. Foi como se ela dissesse: Faze alguma coisa por eles. A resposta de Jesus foi: Ainda não é chegada a minha hora (Jo 2:4). Não queria prevalecer-se de sua autoridade como Filho de Deus e nem queria chamar para si a atenção dos circunstantes, principalmente porque, segundo ele, o momento certo ainda não era chegado. Sua mãe também não insistiu; ao informar-lhe, retirou-se, depois de ter recomendado aos serventes: Fazei tudo quanto ele vos disser (Jo 2:5). Jesus, porém, no seu íntimo, solidarizou-se com aquela família e decidiu ajudá la.

A sabedoria de Jesus: Havia ali seis talhas feitas de pedras, daquelas que eram usadas pelos judeus em seus rituais de purificação. Jesus, pois, determinou aos serventes que as enchessem de água até à borda. Feito isto, o milagre aconteceu! Jesus havia transformado em puro vinho a água colocada nas talhas pelos serventes. Disse-lhes Jesus: Tirai agora, e levai ao mestre-sala. E levaram. Ao experimentar a água transformada em vinho, o mestre-sala chamou ao esposo e disse-lhe: Todo homem põe primeiro o vinho bom, e, quando já tem bebido bem, então o inferior; mas tu guardaste até agora o bom vinho (Jo 2:9-10). Considerando a observação feita pelo mestre-sala, o vinho resultante da transformação da água, comparado ao que antes tinha sido servido aos convidados, era-lhe superior em qualidade. Assim manifestou Jesus a sua sabedoria não só por usar o momento certo, mas também a maneira certa de agir. E, nisto, Deus, o Pai, foi glorificado. Seus primeiros discípulos, André, Simão Pedro, Felipe e Natanael, eram apenas iniciantes na caminhada ao lado de Jesus, mas, ao presenciarem esse extraordinário milagre, creram em Jesus, convencidos de que ele era, de fato, o Filho de Deus.

O poder de Jesus: A transformação da água em vinho marcou o início de uma longa série de milagres que Jesus realizou na terra, durante sua estada entre os homens. Com este milagre, manifestou sua glória e o seu poder. Porém, o que fez ali em Caná da Galileia, há cerca de dois mil anos, apenas ilustra o que continua fazendo em outros tempos, envolvendo situações, lugares, ambientes, pessoas. Começando com a transformação da água em vinho, Jesus continua transformando trevas em luz (Mt 4:16); tristeza em alegria (Jo 16:22); morte em vida (Jo 5:24; 11:25-26), e fraqueza em força (II o 12:10). Sobre o poder transformador de Cristo, leia: I Co 15:51-52; II Co :18; Fp 3:21. Muitos foram curados; outros foram libertos do poder o inimigo; outros, ainda, entre os que estavam escravizados pelo pecado, foram libertados e transformados em servos de Deus (Rm 6:20-22). Paulo é um dos melhores exemplos de alguém que foi transformado por esse poder de Jesus (At 9:21,26). Sua vida mudou como da água para o vinho (At 22:12-21). Hoje, assim como no passado, o mundo está necessitando da realização de milagres verdadeiros, que manifestem a glória de Deus no meio do seu povo. Estamos falando de milagres verdadeiros. Milagres que, uma vez realizados, concorram para o engrandecimento do nome de Deus, ou seja, milagres que induzam à glória de Deus, milagres que levem as pessoas a se converterem a Cristo, a renunciarem os prazeres do mundo e a se submeterem aos sãos ensinos do evangelho (cf. At 4:32-33; 5:12-16). Hoje, muitos estão em busca de sinais que redundem em glória para si mesmos. Isso contraria o espírito do verdadeiro evangelho.

PRATICANDO A PALAVRA DE DEUS

Se você deseja transformação, procure a intervenção de Jesus - A presença de Jesus em qualquer lugar é sempre importante porque é a garantia de solução para qualquer problema existencial, Jo 11:32. Porém, muitas pessoas, mesmo contando com a presença de Jesus no ambiente onde se encontram, estão passando apertos ou necessidades (Mt 8:23-27). É que não decidiram ainda revelar-lhe o tipo de problema que as aflige e o que esperam de sua parte como solução. O milagre de Caná aconteceu como resultado da intervenção de Jesus.

Se você deseja transformação, respeite o cronograma de Jesus - É sempre bom saber que Jesus pode atender nossos pedidos e solucionar nossos problemas, quando por estes somos afligidos. O que muitos não sabem é ter paciência suficiente para esperar o momento certo para o Senhor agir. As coisas nem sempre acontecem quando e como queremos que aconteçam. O nosso tempo nem sempre coincide com o tempo de Deus. Por isso, nunca devemos deixar de falar com ele sobre as nossas necessidades, mas sem nos esquecermos de respeitar o seu cronograma.

Se você deseja transformação, obedeça à orientação de Jesus - Quando os serventes, sem nada questionarem, fizeram o que Jesus lhes mandou, enchendo as talhas de água, o milagre aconteceu (Jo 2:7-10). A lição que precisamos aprender, aqui, está associada à atitude de obediência daqueles serventes. Jesus está sempre pronto a satisfazer as nossas necessidades, quando a ele recorremos, mas espera de nossa parte que estejamos também dispostos a seguir a orientação que ele nos dá, fazendo o que ele nos manda. Um gesto de obediência e submissão pode mover o coração de Deus a nosso respeito.

CONCLUSÃO

Concluímos que, onde quer que Jesus esteja, há sempre a possibilidade de acontecer algum milagre. Para que isso aconteça, precisamos buscá-lo cientes do que estamos necessitando. Mas só pedir a sua interferência não basta. Em alguns casos, precisamos pedir e esperar pelo tempo certo de ele agir. Deus quer nos abençoar, mas é soberano em suas decisões. Por isso, nem sempre responde no tempo e do modo como desejamos. Precisamos aprender a condicionar o nosso desejo ao tempo e à vontade do Senhor.

Que Deus nos abençoe!
***

DEC - PC@maral

2 comentários:

  1. jussara batista de carvalhodomingo, 23 janeiro, 2011

    MUITO BOM ME AJUDOU PARA A MENSAGEM DE HOJE QUE DEUS CONTINUE TE USANDO DESTA FORMA.

    ResponderExcluir

Todos os comentários serão moderados. Me reservo o direito de não publicá-los caso o conteúdo esteja fora do contexto, ou do assunto, ou seja ofensivo ao autor do texto.


..

Tecnologia do Blogger.