Header Ads

A Ceia do Senhor uma ordenança dada por Jesus para Sua igreja.


A ceia do Senhor é outra valiosíssima ordenança de Cristo a sua igreja. Essa celebração é, sem dúvida, a principal expressão litúrgica da comunhão entre os seguidores de Jesus. Foi Paulo quem a chamou de a ceia do Senhor (cf. 1 Co 11:20), indicando tratar-se de um banquete ou um jantar especial de comunhão, oferecido por Jesus aos seus discípulos, que deve ser realizado sempre na presença dele [STOTT, John R. W. A mensagem de Romanos. São Paulo: ABU, 2000 pag. 195]. Nela, é o próprio Senhor quem nos convida a nos assentarmos ao seu lado, em sua mesa, para ter comunhão com ele e com os demais irmãos.

A Bíblia nos garante que a primeira ceia do Senhor foi realizada pelo próprio Mestre, que explicou o significado dessa cerimônia e ordenou a sua prática aos cristãos (Mt 26:26-30; Mc 14:22-26; Lc 22:14-23). Jesus a realizou naquela noite angustiante que antecedeu a sua crucificação. Ele sabia que, em seguida, seria preso e morto, como oferta a Deus, para expiação dos pecados dos homens. Jesus cumpriria sua missão na terra e entregaria a maior dádiva de Deus à humanidade, isto é, a salvação. Ele não queria que seus seguidores esquecessem isso. Para tanto, instituiu a ceia do Senhor como um “memorial” para que isso nunca ocorresse.

A ceia do Senhor é composta por dois elementos extremamente simples; porém, profundamente significativos: o pão e o vinho. Eles são emblemas, ou seja, são itens simbólicos que compõem a celebração e que foram claramente explanados por Jesus. Ele tomou o pão e, depois de ter dado graças e partindo-o, deu aos discípulos, dizendo: Isto é o meu corpo oferecido por vós; fazei isto em memória de mim (Lc 22:19). Em seguida, fez o mesmo com o cálice e disse: Este é o cálice da nova aliança no meu sangue derramado em favor de vós (Lc 22:20). Logo, o pão representa o seu corpo, que foi partido, e o vinho relembra o seu sangue, que foi derramado para a salvação do homem.

Nos textos bíblicos que tratam da ceia do Senhor, encontramos, em destaque, dois propósitos para ela. O primeiro é a recordação. O próprio Cristo diz: ... façam isso em memória de mim (1 Co 11:24,25). Celebramos a ceia, principalmente para lembrar o que o Senhor fez por nós, na cruz. O segundo propósito é a comunhão (cf. 1 Co 10:16-17).

E, tomando o pão, e havendo dado graças, partiu-o, e deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim. (Lucas 22:19

Essa cerimônia é muito mais do que uma reunião de crentes: é uma festa espiritual, em que temos comunhão com Deus e com os irmãos. Por isso, participar desse ajuntamento confere benefícios à vida do crente, pois a ceia do Senhor alimenta espiritualmente o cristão e o mantém em harmonia e comunhão com seu Senhor. Também renova sua fé e sua esperança. As bênçãos conferidas pela morte de Cristo são assimiladas pelo crente, quando este come o pão e bebe o vinho.

A Bíblia recomenda que, antes de participar da mesa do Senhor, o crente precisa fazer um auto exame: Examine-se, pois, o homem a si mesmo (1 Co 11:28). O objetivo deste exame não é para que o crente se exclua dessa celebração, mas, sim, para que coma do pão, e beba do cálice (cf. 1 Co 11:28). O exame é necessário para que o cristão não participe da ceia do Senhor indignamente.

“Participar da ceia indignamente é assentar-se à mesa de forma leviana e irrefletida” [LOPES, H. D. O melhor de Deus para sua vida. Belo Horizonte: Editora Betânia, 2005, Vol. 3. pag.218].

O crente precisa esquadrinhar seu coração, num exame minucioso, e confessar os pecados a Deus. Precisa também refletir sobre o significado da morte de Cristo e, com essa compreensão, sentar-se à mesa para desfrutar dela com reverência e seriedade.

Quando você participou da ceia do Senhor pela última vez? Quando será a próxima ceia, em sua igreja? Não permita que aconteçam períodos longos entre uma e outra ceia. Mantenha em dia a reflexão sobre estas verdades reconciliadoras e restauradoras.

Não fuja da ceia por causa do pecado. Corra do pecado para Deus e não de Deus para o pecado [LOPES, H. D. O melhor de Deus para sua vida. Belo Horizonte: Editora Betânia, 2005, Vol. 3. pag.216].

Examine- se e participe. O exame sincero e bíblico produzirá a consciência de nossa indignidade. Só assim nos refugiaremos em Cristo, e ele nos tornará dignos de participarmos da sua mesa.

DEC
Pb Paulo Cesar Amaral


Nenhum comentário:

Todos os comentários serão moderados. Me reservo o direito de não publicá-los caso o conteúdo esteja fora do contexto, ou do assunto, ou seja ofensivo ao autor do texto.


..

Tecnologia do Blogger.