Header Ads

Jesus Cristo é Aquele que Restaura


E, depois de terem jantado, disse Jesus a Simão Pedro: Simão, filho de Jonas, amas-me mais do que estes? E ele respondeu: Sim, Senhor; tu sabes que te amo. Disse-lhe: Apascenta os meus cordeiros. (Jo 21:15)

Nas grandes e médias cidades brasileiras, aumenta o número de oficinas especializadas em restauração. Elas restauram de tudo: móveis, louças, fotos, carros, roupas, aviões, livros, barcos, jóias, quadros. Entregue a um bom restaurador, qualquer um desses objetos fica praticamente novo, sem perder suas características de antiguidade. Jesus é o restaurador por excelência. A sua especialidade? Seres humanos! Ele já restaurou incontáveis pessoas! Pedro foi um desses. “A pública restauração de Pedro se deu num cenário idêntico ao de seu chamado para ser pescador de pessoas, cerca de três anos antes” [Revista Ultimato Online, Edição 294, Maio-Junho 2005] - (Lc 5:1-11).

I – Olhando para Jesus

Jesus não ficou muito tempo no túmulo. No tempo certo, isto é, três dias e três noites, Deus o trouxe de volta da morte. Mas, antes de subir para a glória, Jesus apareceu ressurreto a inúmeras pessoas, nos mais diferentes lugares e das mais variadas maneiras (I Co 15:6). Os dois últimos capítulos do evangelho de João retrata quatro dessas aparições. Nas duas últimas, Jesus restaurou dois discípulos: Tomé e Pedro. Tomé foi restaurado da descrença e Pedro, da vanglória, do descrédito, da covardia e da distração. Vejamos como isso aconteceu.

1. Jesus nos restaura da vanglória:

Logo após cearem, Jesus se voltou para Pedro com esta questão: Simão, filho de Jonas, amas-me mais do que estes? (Jo 21:15a). Eis a sua resposta: Sim, Senhor; tu sabes que te amo (Jo 21:15b). Os termos gregos usados para amar, na pergunta de Jesus e na resposta de Pedro, não são os mesmos. Jesus usou “ágape” e Pedro, “phileo”. Essa, porém, não é a única vez em que isso ocorre. “Ágape” e “phileo” são usados, alternadamente, para falar do amor de Deus por nós (Jo 3:16, 16:27), do Pai por seu Filho (Jo 3:35, 5:20) e de uns pelos outros (Jo 13:34, 15:19) [BRUCE, F. F. João: introdução e comentário. São Paulo: Vida Nova e Mundo Cristão, 1987 pág. 344]. Nota-se que Pedro não disse que amava a Jesus mais do que os outros.

Ele não tinha mesmo como saber o quanto Jesus era amado pelos outros. Mas, antes, em sua arrogância, achava que o seu amor por Jesus era maior do que o amor dos outros onze. Ele “se vangloriara que permaneceria leal mesmo se os outros não permanecessem”. [PFEIFFER, F. C. e HARRISSON, E. F. Comentário Bíblico Moody. São Paulo: Imprensa Bíblica Regular, volume 4, 1980. pág. 236] Pôs-se acima dos outros, quando disse: Eu nunca abandonarei o senhor, mesmo que todos o abandonem! (Mc 14:29 – NTLH). Nesta ocasião, ele “reafirma o seu amor, mas se recusa a fazer qualquer comparação com os outros” [BRUCE, F. F. João: introdução e comentário. São Paulo: Vida Nova e Mundo Cristão, 1987 pág. 344]. Jesus o restaurou da vanglória!

2. Jesus nos restaura do descrédito:

Pedro precisava dessa restauração! Ele não seguiu a Cristo até a prisão e até a morte, como havia dito, diante de todos. Fez aquilo que jurara que jamais faria: negou o seu Senhor triplamente (Jo 18:15-18, 25-27). Depois disso tudo, alguém ainda ousaria confiar nele de novo? Do jeito que estava Pedro não tinha a menor chance de assumir o papel e o lugar que lhe caberia na história da igreja que estava por começar. “A liderança de um discípulo desviado dificilmente seria aceita no futuro, quer pelo próprio Pedro ou seus irmãos, se Cristo não o indicasse explicitamente”. [PFEIFFER, F. C. e HARRISSON, E. F. Comentário Bíblico Moody. São Paulo: Imprensa Bíblica Regular, volume 4, 1980. pág. 236].

A um homem que “pecara tão gravemente, poderia ainda ser confiada a importante tarefa de pastorear o rebanho de Jesus Cristo?” [HENDRIKSEN, William. Comentário do Novo Testamento: O Evangelho de João. São Paulo: Editora Cristã, 2004 pag. 912] Apesar de sua desastrosa performance durante a paixão, Pedro não só fora perdoado, mas restituído ao serviço.[ALLEN, Clinfton J. (ed.). Comentário Bíblico Broadmam: NT. Rio de Janeiro: JUERP, vol. 9, 1983 pag. 429]. Jesus deixou bem claro a todos os que fariam parte da igreja prestes a nascer que Pedro fora perdoado e que lhe, fora confiada a tarefa de apascentar e pastorear o rebanho de Cristo (Jo 21:15b, 16b e 17b). O Senhor não abandonou Pedro nem o demitiu do cargo. Jesus o restaurou do descrédito!

3. Jesus nos restaura da covardia:

Pouco antes de Jesus ser preso, Pedro disse em alto e bom som: ... por ti darei a minha vida (Jo 13:37b). Um pouco depois, quando a pressão cresceu para cima dele, negou, covardemente, fazer parte do grupo de Jesus (Jo 18:15 18, 25-27). A ousadia virou covardia! Jesus, porém, previu que Pedro daria mesmo a sua vida por ele: ...quando já fores velho, estenderás as mãos, e outro te cingirá e te levará para onde tu não queiras (Jo 21:18b). O assunto não é a velhice, mas o martírio de Pedro: Jesus disse isso significando com que morte, havia ele, de glorificar a Deus (Jo 21:19). Na época em que o Evangelho de João foi escrito, Pedro já tinha glorificado a Deus com sua morte. A Bíblia nada diz sobre a data e a forma da sua morte. Mas, de acordo com a tradição, Pedro foi crucificado de cabeça para baixo, por insistência própria, pois não se achava digno de morrer do mesmo jeito que o seu Senhor morrera. E, assim, ele foi pregado numa cruz invertida. Talvez tenha morrido na perseguição comandada por Nero, por volta do ano 64 d.C. Ele morreu em Roma, com o evangelho de Cristo e pelo evangelho de Cristo. Jesus o restaurou da covardia!

4. Jesus nos restaura da distração:

Jesus disse a Pedro: ...segue-me (Jo 21:19b). Literalmente, Jesus disse: continue a seguir-me. Ele, então, passou a seguir a Jesus, como havia feito antes de negá-lo, mas logo voltou (Jo 21:20a) a sua a atenção para aquele discípulo a quem Jesus amava (Jo 21:20b). Quis saber o que seria da vida dele (Jo 21:21). “Sendo amigo de João, Pedro estava curioso em relação ao futuro que o Senhor pretendia dar a este” [PFEIFFER, F. C. e HARRISSON, E. F. Comentário Bíblico Moody. São Paulo: Imprensa Bíblica Regular, volume 4, 1980 pag. 236]. Pedro era um homem insaciavelmente curioso. Sempre quis saber mais sobre tudo e sobre todos. Ele fez mais perguntas do que todos os outros apóstolos juntos (Mt 18:21, 19:27; Mc 11:21; Lc 12:41; Jo 13:25, 21:21) [MACARTHUR, John Jr. Doze homens comuns: experiência das pessoas chamadas por Cristo. São Paulo: Cultura Cristã, 2004 pag 51]. Eis a resposta de Jesus: Se eu quero que ele fique até que eu venha, que te importa a ti? Segue-me tu (Jo 21:22). Aqui, Jesus o estava corrigindo de sua distração.

Pedro se distraía facilmente. Depois da grande pesca, ele deixou de olhar para Jesus e olhou para si mesmo (Lc 5.8). Em outra ocasião, olhou para os ventos, e não para Jesus (Mt 14:30). Agora, estava olhando para João! O papel de Pedro era seguir o Senhor por onde fosse, até morrer, e não desviar a sua atenção para os outros. Jesus tinha um plano para João, mas este plano não era da conta de Pedro. Jesus o restaurou da distração! Pedro cuidou das ovelhas do Sumo Pastor. Fez isso de boa vontade, e não de má vontade. Não fez o seu trabalho para ganhar dinheiro, mas com o verdadeiro desejo de servir. Não procurou dominar as ovelhas que foram entregues aos seus cuidados, mas se tornou um exemplo para o rebanho (I Pe 5:2-4). Tudo que fez foi apenas por amor: as pregações, as orações pelos doentes, as cartas escritas, a busca aos perdidos, a correção dos que se afastaram do caminho. Todo o seu trabalho pastoral, até o que havia de mais simples nele, era derivado desse amor [GIRE, K. Meditações para a vida: meditando na palavra de Deus nos momentos do dia-a-dia. Rio de Janeiro: Textus, 2001 pag. 165] pelo Bom Pastor, que deu a sua vida pelas ovelhas (Jo 10:11).

II – Olhando para nós

Perdeu o compromisso? Jesus pode restaurá-lo!

Um dia, você também confessou, com convicção e entusiasmo, que Jesus é o Cristo de Deus e, dias depois, você declarou, sem inibição, que não o conhecia (Lc Lc 9:20 e 22:57) [CÉSAR, Elben M. Lenz. Pastorais para o terceiro milênio. Viçosa (MG): Ultimato, 2000 pág. 74]. Um dia, você disse a Jesus que nunca iria abandonar o seu cônjuge e, dias depois, você o abandonou. Um dia, você disse a Jesus que nunca iria mandar a sua experiência cristã às favas e, dias depois, você mandou. Um dia, você disse a Jesus que nunca iria usar a sua língua ou o seu e-mail para arruinar a vida de alguém e, dias depois, você usou. Se você disse a Jesus uma coisa e fez outra, saiba que ele não o ama menos por causa disso. Ele não o descarta. Jesus, na verdade, lhe dá uma chance de se comprometer outra vez com ele.

Perdeu a credibilidade? Jesus pode restaurá-la.

A negação manchou a reputação de Pedro, sujou o seu curriculum vitae, tirou-lhe o respeito e a autoridade. Porém, ao terminar o desjejum, o Senhor se voltou para Pedro, a fim de, publicamente, reintegrá-lo em sua função, ou, ao menos, “a fim tornar conhecido a toda Igreja que ele fora perdoado e a ele, bem como aos outros, fora confiado o cuidado do seu rebanho [HENDRIKSEN, William. Comentário do Novo Testamento: O Evangelho de João. São Paulo: Editora Cristã, 2004 pag. 912]. O Senhor o tirou outra vez da pesca para o apostolado! Ninguém mais acredita em você? Você virou uma piada? Você se tornou sal insípido? Você não brilha mais a sua luz diante das pessoas? Calma, você não está irremediavelmente perdido. Jesus pode aprumar sua vida  de novo. Ele pode fazer você voltar a ser o que era antes.


Perdeu a proximidade? Jesus pode restaurá-la!

Desde que largara o barco, Pedro sempre andara perto de Jesus. Ele fazia parte do grupo que mais desfrutava de proximidade e intimidade com o Senhor. Mas, quando este foi preso, Pedro seguiu Jesus de longe (Mc 14:53a-NTLH). Jesus, porém, o trouxe para perto de si novamente, quando disse ...segue-me (Jo 21:19b). Você está longe de Jesus? Saiba: o que ele mais quer é ter você perto outra vez! Se, agora mesmo, você estiver subindo os primeiros degraus em direção a Cristo, tenha certeza de que ele está descendo a mesma escada em direção a você. O abraço da reconciliação está mais perto do que você pensa!

Conclusão

Se você está caído espiritualmente, fraco, em pecado, com a vida errada, dando mau testemunho, saiba de uma coisa: Jesus não perdeu o interesse por você. Não importa o quanto a sua vida esteja torta, não importa o quanto você tenha vivido longe dele, não importa se você falhou em alcançar os padrões espirituais estabelecidos por ele, não importa se você fez ou disse o que não devia, não importa o quanto você esteja afastado da igreja. Ainda assim, ele quer fazer com você o que fez com Pedro: quer restaurar o seu compromisso, a sua credibilidade e a sua proximidade. É isso mesmo: Jesus quer dar a você outra chance, não somente para segui-lo, mas também para servi-lo pelo resto da sua vida! Não perca esta chance!


Outro texto: O Especialista em Restauração


Fonte:
Paulo Cesar Amaral



Nenhum comentário:

Todos os comentários serão moderados. Comentários com conteúdo fora do assunto ou do contexto, não serão publicado, assim como comentários ofensivos ao autor.

Tecnologia do Blogger.