Header Ads

O que é hiperativismo? Parte II

Como lidar com a hiperatividade


É necessário muita sabedoria e paciência para equilibrar amor com regras e limites claros na educação. O objetivo é preparar essa criança e/ou adolescente para viver em sociedade, sentindo-se integrado, com boa auto-estima, sabendo respeitar limites (seus e dos outros), regra fundamental para amar e ser amado.

Tente olhar de fora da cena, como se fosse um estranho imparcial, sem qualquer envolvimento emocional. Enfoque o comportamento negativo, deficiente e destrutivo que você quer mudar, lembrando sempre que seu filho/aluno tem uma incapacidade, uma dificuldade, e não falta de caráter: ele(a) não consegue controlar o que fala ou faz e com certeza tem qualidades e potenciais a serem valorizados.

Pais e professores envolvidos na educação dessa criança ou adolescente devem redobrar seu empenho; terão que supervisionar, monitorar, ensinar, organizar, planejar, estruturar, recompensar, guiar, colocando sempre os limites de forma clara.

É preciso muito amor para enxergá-los através do seu comportamento, lembrando-se sempre de suas limitações e de suas reais necessidades.

É vital para todo ser humano receber atenção, carinho e reconhecimento. Em função disso, todo comportamento pode ser estimulado, reforçado ou anulado através de 3 reforços:

1◦. Reforço Negativo

São críticas, reprimendas, castigos, punições, etc., como reação a todo comportamento negativo, inadequado. É através desses esforços negativos que a criança/adolescente costuma receber atenção dos que rodeiam gerando ressentimento e hostilidade na relação. Isso faz com que o comportamento negativo aumente (afinal é só assim que o notam). Essa hostilidade pode também levá-los ao isolamento. Não usar reforços negativos, somente em último caso, para que os comportamentos negativos não sejam reforçados e aumentados.

2◦. Reforço de Extinção

Se é vital para o ser humano ter atenção, carinho e reconhecimento, é mortal ser ignorado. Para se anular um determinado tipo de comportamento, a melhor técnica é ignorá-lo. Se um comportamento não chama a atenção dos demais, provavelmente aos poucos será extinto.

3◦. Reforço Positivo

São caricias físicas, palavras afetuosas, elogios e reconhecimento por comportamentos positivos. Esse tipo de reforço faz com que o indivíduo empenhe-se nesse padrão de comportamento positivo para continuar sendo notado, reconhecido e elogiado.

Usar reforços positivos – Se a qualquer comportamento adequado (mesmo que para os pais e professores não passe de mera obrigação), houver recompensa e/ou reconhecimento, esse tipo de comportamento tende a aumentar cada vez mais.

Quando você quer mudar um comportamento indesejável, decida por qual o comportamento positivo quer substituí-lo. Depois de ter reforçado esse novo comportamento positivo freqüentemente por no mínimo uma semana, comece a punir o comportamento oposicional indesejável, com punições brandas, como por exemplo a perda de privilégios. Mantenha sempre a relação de uma punição para três ou mais situações de elogio e recompensa. A tendência é a extinção natural das punições.

Pais devem colocar limites claros e objetivos, dar instruções positivas e focadas, como por exemplo: “Comece agora a lição de matemática”, no lugar do vago “Preste atenção!”

A penalidade é a perda de bônus a cada infração cometida. A gratificação são os prêmios a serem estabelecidos.

Não provocar constrangimento nem menosprezar o filho/aluno por suas dificuldades, nem comprará-lo com irmãos/colegas, principalmente na frente destes.

Use criatividade e flexibilidade.

Na escola:

Deve enfatizar-se o aspecto emocional do aprendizado. Lidar com as emoções e descobrir o prazer na sala de aula e no processo de aprendizagem são itens necessários para se ter um bom desempenho escolar. Em vez de falhas e frustrações deve-se ter domínio e controle, em vez de medo e tédio, o melhor é a excitação.

Conhecer o aluno é fundamental quanto maior for esse conhecimento, maior será a eficácia da ação pedagógica. A partir do momento em que o professor reconhece as emoções do aluno, cria a chance de aumentar a intimidade, transmitir experiência e compartilhar dificuldades. Ele passa a se sentir valorizado em seus sentimentos (mesmo que negativos) e fortalece sua auto-estima.

Manter contato com os pais da criança regularmente. Estabelecer regras claras e consistentes.

Usar recursos especiais, como gravador, retroprojetor, etc. Eles aprendem visualmente, assim eles podem pôr as ideias no lugar de estruturá-las.

Dar o conteúdo passo-a-passo, verificando se houve aprendizado em cada etapa.

Reduzir os estímulos que possam distrair, por exemplo, sentar-se próximo da porta ou da janela. Pode-se colocá-la sentada próxima à mesa do professor.

Alternar atividades de alto e baixo interesses durante a aula.

Permitir alguns movimentos em sala de aula, ou mesmo fora da sala. Pedir para que seja o assistente do professor ou de outra criança.

Evitar tarefas repetitivas próximas umas das outras. Como ela responde bem às novidades, deve evitar tarefas monótonas e repetitivas que podem levar à distração e à falta de interesse.

Fornecer instruções diretas, orientações curtas e claras, em um nível que possa compreender e corresponder. Simplifique as instruções, as opções, a programação. O palavreado mais simples e objetivo será mais facilmente compreendido pela criança.

Focalize mais o processo (compreensão de um conceito) do que o produto (concluir dez problemas).

Não enfatizar o fracasso. Eles necessitam de tudo o que for positivo que o professor puder oferecer. Sem encorajamento e elogios, eles murcham e retrocedem.

Dar retorno constante e imediato. Isto ajuda a ter uma noção de como está se saindo e a desenvolver a auto-observação. Deve-se informá-la de modo positivo e construtivo.

Estar atento no talento, na criatividade, na alegria, na espontaneidade e no bom humor que se manifesta. Eles são generosos e apresentam algo especial que se enriquece e engrandece o ambiente.

Conclusão

Entre o professor(a) e o aluno precisa haver um namoro para que haja aprendizado. Conheça seu aluno. Converse com ele. Faça com que ele se coloque no lugar do outro (sempre).

Frase: “Crianças esquecidas são aquelas portadoras de inabilidades quase invisíveis. Elas possuem braços e pernas perfeitos, podem ver e ouvir, correr, brincar, etc..., mas a maioria não pode nem ir a uma festa de aniversário ou dormir fora de casa. Elas são as últimas a serem convidadas para brincar e as primeiras a serem culpadas por algo dar errado. A doença que trazem não é fatal, mas uma pequena parte de sua alma e de seu coração morre a cada rejeição que sofrem. Elas parecem ter um comportamento estranho e imprevisível e isso ocorre tanto para elas quando para a sociedade. Elas são super notadas, apesar de serem “crianças esquecidas”

Veja a primeira parte deste Artigo

Fonte:
João Avelino dos Santos Jr.


Um comentário:

  1. PC tenho 3 filhos maravilhosos graças a Deus e dois deles tem DISLEXIA, e convivo com hiperativismos, deficit de atenção e disgrafia dos dois .. cara eu e minha esposa enfrentamos uma batalha todos os dias junto a escola, pois a falta de capacitação dos professores são de cair o queixo ... mais tenho orado e lutado junto aos órgãos competentes para que se resolva

    ResponderExcluir

Todos os comentários serão moderados. Comentários com conteúdo fora do assunto ou do contexto, não serão publicado, assim como comentários ofensivos ao autor.

Tecnologia do Blogger.