Header Ads

Namoro tradicional perde popularidade entre universitárias americanas

Sem envolvimento romântico, jovens aderem ao "hookin up", termo em inglês que significa quase qualquer coisa, de uns amassos a sexo, sem laços emocionais de um relacionamento

Por Kate Taylor no NYT via  IG 

Às 23h de um dia de semana, com seus trabalhos terminados, uma caloura na Universidade da Pensilvânia fez o que costuma fazer quando tem algum tempo livre: mandou uma mensagem de texto para um cara com quem ela dorme frequentemente, mas sem namoro. Ele apareceu, eles viram um pouco de TV, fizeram sexo e foram dormir.

O relacionamento, ela diz, não tem nada de “almas gêmeas”. E ela não reclama da falta da cortesia por parte dos homens, ou que eles não querem compromisso. “Não posso ter um relacionamento romântico e significativo agora porque estou sempre muito ocupada e as pessoas que me interessam também estão sempre ocupadas”, ela diz. “Há tantas coisa importantes acontecendo na minha vida que não quero abrir um tempo para o amor. Quando estou sóbria, estou trabalhando”, completa a estudante que pediu anonimato.


Está cada vez mais claro que os tradicionais namoros na época da faculdade quase acabaram, substituídos pelo chamado “hookin up”, um termo ambíguo que pode significar quase qualquer coisa, de uns amassos a sexo, sem os laços emocionais de um relacionamento.

Até recentemente, os estudiosos do comportamento acreditavam que a mudança era iniciativa dos homens, e que as mulheres estavam mais interessadas em romance do que em encontros sexuais casuais. Mas cada vez mais percebe-se que as jovens também querem esse tipo de relação.

Homens interessantes

Hanna Rosin, em seu livro The End of Men (O fim dos homens, em tradução livre), argumenta que o hooking up é uma estratégia funcional para as mulheres ambiciosas, permitindo que desfrutem de uma vida sexual enquanto focam a maior parte de sua energia em objetivos acadêmicos ou profissionais.

Mas há outros que discordam, como Susan Patton, ex-aluna de Princeton e mãe de dois jovens, que recentemente uma carta ao jornal da universidade falando que as jovens não devem perder a chance de procurar por um marido no campus. Segundo ela, tirar a ênfase dos relacionamentos durante a faculdade trabalha contra as mulheres.

“Para a maioria, a felicidade futura estará ligada ao homem com quem se casarem. E vocês nunca mais vão encontrar essa concentração de homens interessantes”, aconselha. Susan diz que decidiu escrever o texto depois de uma conversa com universitárias, quando perguntou quantas queriam se casar e ter filhos e elas ficaram constrangidas, mas quase todos ergueram as mãos. “Essas mulheres brilhantes têm vergonha de dizer que casar e ter filhos é uma parte importante da vida delas.”

Como as entrevistas com mais de 60 jovens na Universidade da Pensilvânia sugerem, a discussão é central na vida de uma geração de mulheres que têm a sua frente grandes oportunidades e forte pressão, talvez como nunca antes, algo que está formando uma visão diferente sobre sexo e relacionamentos na faculdade.

Boas credenciais

As universidades americanas de elite, hoje, estão repletas de jovens mulheres que aspiram se tornar doutoras, advogadas, políticas, banqueiras, ou executivas como Sherly Sandberg do Facebook ou Marissa Mayer do Yahoo. Preocupadas em conseguir alguma vantagem competitiva, especialmente numa época de economia vacilante, muitas veem a faculdade como uma corrida para adquirir as melhores credenciais: notas altas, posição de liderança em organizações estudantis, estágios disputados. O tempo fora da sala da aula está tomado por outras atividades.

Essas mulheres dizem que construir um bom currículo, e não encontrar namorados (nem se fala em maridos), é sua tarefa principal durante a faculdade. Elas imaginam seus 20 anos como um período de esforço sem impedimentos, época em poderão trabalhar por um ano em um banco em Hong Kong, voltar a estudar, então entrar no mundo corporativo de Nova York, etc. Para elas, é difícil se imaginarem engatadas um relacionamento durante tantas possíveis transições. Quase todas dizem que não planejam se casar até chegarem próximo de completar 30 anos, ou depois.

Nesse contexto, algumas mulheres aproveitam a oportunidade de ter relacionamentos sexuais sem envolvimento emocional. Ainda assim, por acreditarem que falar abertamente sobre isso pode lhes prejudicar – seja por temer a opinião da família, receio de ficar com reputação ruim na universidade, ou ainda acreditarem que o assunto possa atrapalhar o futuro profissional – elas só dão entrevistas em condição de anonimato.

Nenhum comentário:

Todos os comentários serão moderados. Me reservo o direito de não publicá-los caso o conteúdo esteja fora do contexto, ou do assunto, ou seja ofensivo ao autor do texto.


..

Tecnologia do Blogger.