Header Ads

A santidade do corpo e das vestes

Por Hernandes Dias Lopes em Palavra da Verdade

A santidade do corpo e das vestes é um tema que está profundamente associado. O corpo não é mau como pensavam os gnósticos nem é um veículo para a consumação dos desejos desenfreados da carne como proclamavam os epicureus hedonistas. O corpo é do Senhor, foi comprado pelo sangue de Cristo e deve glorificar a Deus. Sendo assim, consideremos esses dois aspectos importantes, visando a nossa santificação:



1. A santidade do Corpo

Os gregos antigos, dirigidos por sua filosofia dualista, ensinavam equivocadamente que a matéria é má em si mesma e que o corpo não tem valor essencial, visto que é apenas a prisão da alma. Essa distorção desembocou em duas graves aberrações. Se o corpo não é importante, então, devo privá-lo de toda satisfação. Foi assim que surgiu o ascetismo. Pessoas bem intencionadas, procurando a santificação, flagelavam seu próprio corpo com escassez de pão, sonegando a si mesmos, os benefícios abundantes da rica providência divina. Outras pessoas, castigavam o seu próprio corpo com flagelos e outros ainda, rumavam para os conventos e mosteiros, fugindo da sociedade e dos prazeres da vida. A segunda aberração foi a licenciosidade. Se o corpo não tem valor, então, o que fazemos com ele também não tem importância. Assim, muitos se entregaram desenfreadamente à impureza. A visão bíblica acerca do corpo é sublime. O corpo é bom, pois foi criado e formado por Deus. O nosso corpo foi comprado por Deus e agora deve glorificar a Deus. O Senhor tem um duplo direito sobre o nosso corpo, pois ele o criou e o remiu. Agora, o nosso corpo é templo do Espírito Santo. O corpo é para o Senhor e não para a impureza. Devemos usar os membros do nosso corpo como instrumentos de justiça e não como veículos para o pecado. Devemos usar o nosso corpo em santificação e honra, e não como instrumento para defraudar outrem.

2. A santidade das vestes

As vestes revelam mais o nosso interior do que cobrem o nosso corpo. Elas falam tanto quanto demonstram. Elas mostram nossos valores mais do que simbolizam nossa cultura. Se o nosso corpo deve ser usado em santificação e honra, então, devemos ser criteriosos na maneira de nos vestirmos. Usar roupas com a intenção de defraudar alguém, ou seja, despertar em outrem um desejo que não possa ser legitimamente satisfeito, é um pecado contra Deus e contra o próximo. Devemos nos vestir com modéstia e com decência. Devemos nos vestir para a glória de Deus e não para despertar olhares cheios de cobiça. Alguém já disse que os homens gostam de olhar e as mulheres gostam de ser olhadas. Já que os homens são atraídos pelo olhar, as mulheres devem ser cautelosas na sua apresentação. Isso não isenta os homens também de serem cuidadosos na sua forma de vestir. Ao mesmo tempo em que não podemos fugir dos padrões da moda, não somos regidos por ela, mas pelos princípios que emanam das Escrituras.

A santificação sem a qual ninguém verá o Senhor, passa pela maneira como nos vestimos, bem como, pela maneira como usamos nosso corpo. Sejamos criteriosos!

Nenhum comentário:

Todos os comentários serão moderados. Comentários com conteúdo fora do assunto ou do contexto, não serão publicado, assim como comentários ofensivos ao autor.

Tecnologia do Blogger.