Header Ads

Jesus o Cordeiro Santo de Deus


Por Rodolfo Garcia Montosa em Instituto Jetro

Porque a nossa Festa da Páscoa está pronta, agora que Cristo, o nosso Cordeiro da Páscoa, já foi oferecido em sacrifício. (1 Coríntios 5.7b NTLH)

O cordeiro será sem defeito (Ex 12.5). Essa era a condição estabelecida para que o sacrifício fosse aceitável perante Deus. Não foi diferente com o sacrifício de Cristo.

Para preencher a condição, Jesus nasceu em santidade. Como disse o apóstolo Paulo, por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram. (Rm 5.12) Em outras palavras, o pecado entrou no código genético da humanidade a partir de Adão, passando de geração a geração. Para resolver essa situação foi necessária a ação do Espírito Santo no ventre da virgem (Mt 1.18). Por isso o anjo declarou a Maria: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e o poder do Altíssimo te envolverá com a sua sombra; por isso, também, o ente santo que há de nascer será chamado Filho de Deus. (Lc 1.35)

Além de nascer santo, Jesus viveu em santidade. O apóstolo Paulo declarou que Cristo não conheceu o pecado (2 Co 5.21). O autor de Hebreus disse que Jesus foi tentado do mesmo modo que nós, mas não pecou (Hb 4.15 NTLH). O apóstolo Pedro ensinou que Cristo não cometeu pecado, nem dolo algum se achou em sua boca; pois ele, quando ultrajado, não revidava com ultraje; quando maltratado, não fazia ameaças, mas entregava-se àquele que julga retamente (1 Pe 2.22, 23).

O apóstolo João afirmou que em Cristo não existe pecado (1 Jo 3.5). Jesus mesmo desafiou seus interlocutores mais agressivos perguntando: Qual de vocês pode provar que eu tenho algum pecado? (Jo 8.46 NTLH) Imagine que, quando criança, Jesus nunca chorou para manipular seus pais, quando adolescente não se desviou para conseguir a aprovação de seus amigos, quando jovem não insultou nem desonrou alguém. Nunca foi egoísta, nem preguiçoso. Sua mente nunca soube o que é um pensamento maligno. Seu coração nunca experimentou qualquer motivação pecaminosa. Nenhuma transgressão. Nenhuma iniquidade. Era o cordeiro sem defeito e sem mácula (1 Pe 1.19).

Foi assim em toda a sua vida até o momento que Jesus morreu em santidade. Isso foi claramente percebido por muitos. Pilatos, por exemplo, perguntou diante da multidão que queria sua crucificação: Que mal fez ele? (Mt 27.23) Nos momentos que precederam sua morte, um dos malfeitores reconheceu: Nós, na verdade, com justiça, recebemos o castigo que os nossos atos merecem; mas este nenhum mal fez. (Lc 23.39-41)

No momento que Jesus morreu, o véu do santuário se rasgou em duas partes de alto a baixo; tremeu a terra, fenderam-se as rochas; abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos, que dormiam, ressuscitaram; e, saindo dos sepulcros depois da ressurreição de Jesus, entraram na cidade santa e apareceram a muitos ... Vendo o centurião o que tinha acontecido, deu glória a Deus, dizendo: Verdadeiramente, este homem era justo. (Mt 27.51-54; Lc 23.47) Jesus foi obediente até à morte e morte de cruz (Fp 2.8).

Do começo ao fim, sem pecado. De eternidade a eternidade, santo. Não houve um momento sequer da vida de Jesus em que o pecado o tenha tocado. Por isso, Deus o ressuscitou, rompendo os grilhões da morte; porquanto não era possível fosse ele retido por ela. (At 2.24)

Ao contrário do primeiro Adão, que pecou em um mundo antes sem pecado, carregando todos para a morte, o último Adão, Jesus, não pecou mesmo em um mundo mergulhado no pecado, transportando todo aquele que nEle crê para a vida eterna. Porque, como, pela desobediência de um só homem, muitos se tornaram pecadores, assim também, por meio da obediência de um só, muitos se tornarão justos. (Rm 5.19)

A nossa Festa da Páscoa está pronta. Vamos celebrar!


Nenhum comentário:

Todos os comentários serão moderados. Comentários com conteúdo fora do assunto ou do contexto, não serão publicado, assim como comentários ofensivos ao autor.

Tecnologia do Blogger.