Header Ads

A Bíblia Sagrada e Suas Divisões

A Bíblia, como a conhecemos hoje, tem 66 livros. Apesar disso, os livros bíblicos, em conjunto, constituem apenas uma única obra, um todo completo. Estes livros, de Gênesis a Apocalipse, constituem o cânon da Bíblia, ou seja, aqueles livros que foram escolhidos e catalogados pela Igreja Cristã nos primeiros séculos da era Cristã. A escolha desses livros específicos, e a rejeição de muitos outros, evidencia que o Autor divino não só inspirou a sua escrita, mas também cuidou meticulosamente da sua compilação e da sua preservação. Vamos então, neste estudo, conhecer algo mais sobre a Palavra de Deus e sua estrutura literária.

As principais divisões da Bíblia Sagrada.

Antigo Testamento e Novo Testamento

A Bíblia é mais do que apenas um livro. É uma valiosa biblioteca de 66 livros agrupados em duas partes: 39 livros, escritos originalmente em hebraico e aramaico, compõem o Antigo Testamento; e 27 livros, escritos originalmente em grego, compõem o Novo Testamento. Hoje em dia é comum chamar as Escrituras escritas em hebraico e aramaico de “Antigo (ou Velho) Testamento”. Isto baseia na leitura de II Coríntios 3:14, em algumas versões bíblicas. No entanto, o uso de “antigo (ou velho) testamento” neste texto é incorreto. A palavra “Testamento” significa originalmente “pacto, aliança”, e este acordo se refere a uma forma de perdão dos pecados instituída por Deus ao homem. O apóstolo Paulo não se referia às Escrituras Hebraicas e Aramaicas na sua inteireza. Ele, antes, estava falando do antigo pacto da Lei, registrado por Moisés no Pentateuco e que constitui apenas uma parte das Escrituras pré-cristãs. Por este motivo ele disse no próximo versículo: “sempre que se lê Moisés”. Portanto não há base válida para as Escrituras Hebraicas e Aramaicas serem chamadas de “Antigo (Velho) Testamento”, e para as Escrituras Gregas serem chamadas de “Novo Testamento”. O próprio Jesus Cristo chamou a coleção dos escritos sagrados de “as Escrituras” (Mt. 21:42; Mc. 14:49; Jo. 5:39). O apóstolo Paulo chamou-as de “Sagradas Escrituras”, “Escrituras” e “sagradas letras” (Rm. 1:2; 15:4; II Tm. 3:15).

Capítulos e versículos

A subdivisão da Bíblia em capítulos e versículos não foi feita pelos escritores originais, mas foi uma adição utilíssima, realizada séculos depois. Os massoretas [1], dividiram as Escrituras Hebraicas em versículos; daí, no século 13 da Era Cristã, acrescentaram-se as divisões em capítulos. Por fim, em 1553, a edição de Robert Estienne da Bíblia em francês foi publicada como a primeira Bíblia completa com as atuais divisões de capítulos e versículos.

Classificação literária dos livros da Bíblia Sagrada

A Bíblia está classificada em quatro tipos de literaturas: Históricos, poéticos, proféticos e epístolas. Vejamos como se classifica o Antigo Testamento:

1º. Históricos

Incluem os livros: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio, Josué, Juizes, Rute, I e II Samuel, I e II Reis, I e II Crônicas, Esdras, Neemias e Ester.

2º. Poéticos

Começam no livro de Jó, Salmos, Provérbios, Eclesiastes e Cantares de Salomão (ou Cântico dos Cânticos).

3º. Proféticos

Estão agrupados nos seguintes livros: Isaías, Jeremias, Lamentações de Jeremias, Ezequiel, Daniel, Oséias, Joel, Amós, Obadias, Jonas, Miquéias, Naum, Habacuque, Sofonias, Ageu, Zacarias e Malaquias.

Vejamos agora a classificação do Novo Testamento:

1º. Históricos

Começando no Evangelho de Mateus, Marcos, Lucas, João, e Atos, achamos os livros históricos. Estes descrevem a história de Jesus Cristo, desde o nascimento, ministério, morte e ressurreição, bem como a origem da igreja.

2º. Epístolas

Ao todo são 21 epístolas (cartas), sendo que 13 delas foram escritas por Paulo. Estas são: Romanos, I e II Coríntios, Gálatas, Efésios, Filipenses, Colossenses, I e II Tessalonicenses, I e II Timóteo, Tito, Filemon e Hebreus. Estas são cartas específicas para igrejas daquela época. Do livro de Tiago, I e II Pedro, I, II e III João e Judas estão as epístolas gerais.

3º. Profético

Por fim temos o livro de Apocalipse (Revelação). Este é um livro profético escrito por João no final do 1º século na ilha de Pátmos.

Os livros apócrifos

Dependendo da editora, a Bíblia pode conter 73 livros, ou seja, 7 livros a mais: I e II Macabeus, Judite, Baruc, Tobias, Eclesiástico, Sabedoria e um acréscimo de dois capítulos (13 e 14) no livro de Daniel.

Estes 7 livros e mais estes dois capítulos acrescentados no livro de Daniel não são inspirados pelo Espírito Santo porque foram escritos num período em que Deus não falou com Israel (400 anos). Os próprios autores de tais escritos não reclamam inspiração para eles, mas confessam a falta do Dom profético (I Macabeus 4:46; 9:27; 14:41).

Esses livros recebem o nome de Apócrifos. A palavra “apócrifo” é grega e significa “escondido” ou “secreto”, e foi dada a esses livros porque os seus autores são desconhecidos. A data de seus escritos é também matéria duvidosa, embora seja geralmente colocada entre os anos 200 e 100 a.C. Apesar dos livros Apócrifos não serem inspirados pelo Espírito Santo, são de grandes valores históricos.

O que nos leva a crer que estes livros não foram inspirados pelo Espírito Santo? Por que são os livros apócrifos rejeitados pelo protestantismo?

1º - Porque estes livros foram inseridos na Bíblia Sagrada em 1.546 no Concílio de Trento, 1200 anos depois da canonização da Bíblia Sagrada.

2º - Todos os livros do Antigo Testamento foram citados no Novo Testamento cerca de 453 vezes, mas os livros apócrifos nenhuma vez. (compare Hb. 2:6,7 com Sl. 8:4,5).

3º - O Senhor Jesus e Seus apóstolos nunca fizeram deles qualquer citação. Flávio Josefo (historiador judeu) rejeitou-os, e Jerônimo, ao traduzir a Vulgata (versão da Bíblia em Latim) recusou reconhecê-los.

4º - Em II Macabeus 15:35-39, o autor se desculpa, se caso não tinha sido claro em sua narração, o que torna claro não ter sido divina sua inspiração.

5º - Há controvérsias nos escritos apócrifos, isto é, contradiz em alguns de seus ensinos em relação aos demais livros inspirados conforme Tobias 12:9, que nos garante que a esmola nos livra da morte, apaga o pecado e nos faz encontrar a vida eterna (salvação pelas obras). A Bíblia toda nos ensina que o que nos livra da morte eterna é Jesus, mediante o nosso crer e aceitá-lo como Senhor e Salvador de nossa vida e vivermos como tal, e que nossos pecados somente serão perdoados mediante o nosso arrependimento, confissão e conversão.

6º - Falta ao apócrifos o planejamento progressivo e mútua interconexão das Escrituras do Novo e Antigo Testamentos. Erros históricos, inexatidões, e evidentes histórias e discursos de ficção aparecem.

Por estas razões os livros apócrifos não são aceitos como canônicos. Por outro lado, se sua Bíblia contiver livros a mais não significa que ela não servirá para o estudo, pode usá-la normalmente, porém com esta observação que já mencionamos acima.





Fontes:

[1] Os Massoretas (hebraico בעלי המסורה) eram escribas judeus que se dedicaram a preservar e cuidar das escrituras que atualmente constituem o Antigo Testamento. Às vezes o termo também é usado para indicar comentadores hebraicos dos textos sagrados. Substituíram os escribas (Sopherins) por volta do ano 500 d.C. até 1.000 d.C..

A Bíblia: Palavra de Deus ou de Homem? São Paulo: STVBT. 1989.

A Verdade que Conduz à Vida Eterna. São Paulo: STVBT. 1968.




Um comentário:

  1. Olá.

    Adorei a publicação de vcs, porem acredito que tem um pequeno erro.
    Hebreus não foi uma epistola escrita por Paulo.

    Obrigado pela publicação me ajudou mto.

    ResponderExcluir

Todos os comentários serão moderados. Me reservo o direito de não publicá-los caso o conteúdo esteja fora do contexto, ou do assunto, ou seja ofensivo ao autor do texto.


..

Tecnologia do Blogger.