Header Ads

A Cura de Deus para o Aflito


Salmo 34: Neste Salmo, vemos grandes bênçãos prometidas por Deus ao seu povo, mas muitas destas exigem a nossa participação ativa. Ele nos libertará de nossos temores (vv.4,6), dará proteção contra o mal (v.7), mostrará a sua bondade (v.8), suprirá as nossas necessidades (v.9), ouvirá quando clamarmos a Ele (v.15), e irá redimir-nos (v.22), mas nós devemos fazer a nossa parte. Aproximando-nos das bênçãos divinas quando buscamos a Deus (vv.4,10); clamarmos a Ele (vv.6,17); confiarmos no Senhor (v.8); temos temor a Ele (v.7); reverenciamo-lo (v.9); abstemo-nos da mentira (v.13); afastamo-nos do mal, fazemos o bem e buscamos a paz (v.14); temos um coração quebrantado diante dEle (v.18); e o servimos com amor (v.22).
Bendirei o Senhor em todo o tempo, o seu louvor estará sempre nos meus lábios. Gloriar-se-á no Senhor a minha alma; os humildes o ouvirão e se alegrarão. Engrandecei o Senhor comigo, e todos, à uma, lhe exaltemos o nome. Busquei o Senhor, e ele me acolheu; livrou-me de todos os meus temores. Contemplai-o e sereis iluminados, e o vosso rosto jamais sofrerá vexame. Clamou este aflito, e o Senhor o ouviu e o livrou de todas as suas tribulações. O anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que o temem e os livra. Oh! Provai e vede que o Senhor é bom; bem aventurado o homem que nele se refugia. Temei o Senhor, vós os seus santos, pois nada falta aos que o temem. (Sl 34:1-9)
Davi relata um fato ocorrido em sua vida. Ele havia passado por uma terrível experiência, na qual se sentiu muito aflito e angustiado. O contexto deste salmo, de acordo com o seu título, é 1 Samuel 21:10. Davi, ainda jovem, estava sendo perseguido pelo rei Saul, e, num ato desesperado, foi se esconder no território inimigo, em Gate, terra dos filisteus. Não demorou muito e ele foi descoberto pelos filisteus. Estes passaram também a persegui-lo e logo o pegaram. Imagine a angústia deste homem, pois fugindo do maligno Saul, ele caiu nas garras de inimigos piores. Diante da morte iminente, Davi entrou em pânico e, em outro ato de desespero, fingiu-se de louco. Contudo, Deus nunca abandona os seus. Na aflição, o Senhor o libertou da mão dos seus algozes e sarou o seu coração aflito. Esse salmo “é um canto de libertação do temor, do perigo, das angustias e aflições”. [1]
Se sua alma está ferida e cansada por causa das angústias da vida, Deus tem cura para você! No salmo 34, o salmista nos revela quatro segredos para o aflito experimentar a cura de Deus.
O AFLITO DEVE CLAMAR AO SENHOR
A vida de Davi esteve por um triz, mas Deus trouxe a ele um escape milagroso. Depois do livramento, o salmista deseja compartilhar a sua experiência. No verso dois, ele está convicto: ... os humildes o ouvirão e se alegrarão. Essa palavra “humildes”, aqui, é a tradução da uma palavra hebraica (anav), que também significa “aflitos”. [2] Por isso, na NVI, está traduzida por: ouçam os oprimidos e se alegrem (NVI), ou seja, Davi se dirige àqueles que estão passando por crises, assim como ele havia passado. Quer que eles ouçam o seu testemunho e se alegrem em Deus. A mensagem é para os humildes ou aflitos, isto é, aqueles que se encontram junto à base do monturo da vida, aguardando, com paciência, a solução no Senhor [3]. É como se Davi dissesse: Alegrem-se! Esta minha experiência também pode ser a de vocês! Algo interessante é que este salmo é um poema acróstico, ou seja, cada estrofe começa com uma letra do alfabeto hebraico. Ele é, literalmente, o “abecedário” do aflito. É o kit de sobrevivência para o dia da tribulação ou dia da angústia. Aqui, o salmista compartilha os segredos de sua vitória. Mostra como alcançou a cura. E qual é o primeiro segredo? Ele diz: Busquei o Senhor, e ele me acolheu; livrou-me de todos os meus temores (Sl 34:4). Depois, completa: Clamou este aflito, e o Senhor o ouviu e o livrou de todas as suas tribulações (Sl 34:6). Se desejamos que Deus trate o nosso atribulado coração é preciso orar. Temos aqui três aspectos a serem destacados. O primeiro é: o privilégio humano na oração. O salmista diz: Busquei (...) ele me acolheu; clamou (...) o Senhor o ouviu. Isso não só privilégio de Davi, nós também podemos orar em qualquer momento e Deus nos ouve. Você consegue imaginar o privilégio que nos é concedido? Podemos pedir o que precisarmos, diretamente a Deus! Não é preciso preencher nenhum cadastro antes, nem agendar horário com nenhuma secretária. Podemos entrar direto na sala do trono e falar com o Rei dos reis e lançar diante dele toda nossa ansiedade. Que privilégio! O segundo aspecto é: a resposta divina na oração. O salmista diz: Ele (...) livrou-me de todos os meus temores (...) de todas tribulações. Deus sempre ouve nossas orações. E o que é melhor: ele responde todas elas! Às vezes, a resposta não é aquela que gostaríamos de ouvir, mas ele sempre responde. O Pai tem prazer em atender as orações de seus filhos, especialmente quando eles estão sofrendo e precisando de sua ajuda. O terceiro aspecto é: o valor terapêutico na oração. O salmo afirma: Ele me livrou! O perigo nos deixa com medo. A aflição causa ansiedade e tristeza. A nossa alma desfalece adoentada, mas a oração lhe traz a cura. Na oração, somos acolhidos por Deus e libertos de todo medo. O crente não deve buscar a solução em livros de auto ajuda, mas deve buscar ajuda do alto. Muitos cristãos se desesperam em meios às tempestades, porque não aprenderam a sentar no divã de Deus e deixar-se tratar por ele. Meu irmão, ao invés de ficar murmurando, desabafe em oração! Reconheça que você precisa da ajuda de Deus. Ore assim: Senhor, cure a minha alma! Esse é o primeiro segredo para desfrutarmos do tratamento divino para a alma aflita, ou seja, a oração. Vamos ao segundo segredo:
O AFLITO DEVE CONTEMPLAR O SENHOR
Observe o verso cinco: Contemplai-o e sereis iluminados, e o vosso rosto jamais sofrerá vexame. Muitos pensam que, por sermos filhos de Deus, todos os nossos dias devem ser parecidos com tardes de verão: alegres, quentes e iluminados. Contudo, essa não é nossa a realidade. Existem dias, em nossas vidas, que são mais semelhantes às manhãs de inverno: frios e sombrios. Irmãos, a vida cristã não é redoma de vidro, em que ficamos imunes aos dilemas da vida. A Bíblia nunca nos prometeu ausência de problema. Enfrentaremos, sim, dias chuvosos, horas difíceis e momentos de tribulações. Aquela experiência vivida por Davi começou como uma manhã chuvosa e escura. Contudo, ao continuar seu relato, ele conta que, num dado momento, tudo mudou. A dor deu lugar à cura; a tristeza foi transformada em alegria; a guerra foi mudada em paz; a chuva deu lugar ao sol e um belo arco-íris surgiu em seu horizonte. Quando isso aconteceu? O salmista registra o momento exato: Foi quando ele olhou para o Senhor. Agora, ele ensina o segredo: Contemplai-o e sereis iluminados (Sl 34:5). Quando contemplamos o Senhor, tudo se ilumina. E névoa do nosso coração é dissipada e a cura acontece. Isso não depende tanto das circunstâncias, mas depende muito da nossa atitude diante delas. Se você ficar olhando para os problemas, ficará ainda mais angustiado. Se olhar para si mesmo, vai desistir, diante do primeiro obstáculo. Mas, se focar sua atenção em Deus, tudo se iluminará. Quem sabe estou falando com alguém, aqui, que está vivendo uma história que não começou bem? Você olhou a previsão do tempo e ela dizia: “Dia chuvoso, sujeito a tempestades e decepções? Tudo está nebuloso e você não consegue ver o caminho e nem achar uma saída? O salmista diz o que fazer: Contemplai-o e sereis iluminados (Sl 34:5). Olhar para o Senhor é manter o foco certo. É ter a atitude correta, diante das situações adversas. Assim, ao invés de ficarmos pensando na quantidade dos problemas, passamos a pensar na grandeza do Senhor. O que acontece, quando olhamos para o Senhor? O salmista garante: ... sereis iluminados! “Iluminados” significa “irradiantes de alegria”, representa alguém sorrindo em felicidade. [4] De fato, quando olhamos para Deus, logo descobrimos que maior é o que está nós do aquele que está no mundo. O nosso coração se tranquiliza. Quando entendemos quem é Deus e vemos que ele está na direção de nossa vida, os nossos medos vão embora e tudo se ilumina. Essa é uma grande verdade. Todos os que contemplam a Cristo, pela fé, são iluminados. Expressões carrancudas são transformadas em sorrisos de alegria; depressão e desespero abrem caminho para a esperança, pois aquele que “entrega a vida ao Senhor nunca é desapontado. O Senhor não decepciona o coração confiante.” 5 Mas, infelizmente, no mar da vida, às vezes, somos como Pedro, começamos a olhar as ondas e ventos contrários, então começamos a afundar. Quando olhamos para Cristo, porém, ele nos toma pela mão e nos diz: “Não temas!”. Em que direção ou para quem você tem olhado? Olhe para o Mestre. Vimos, aqui, que, além orar pedindo o socorro de Deus, também é fundamental manter o foco nele. Vamos, agora, a mais um segredo para cura do aflito.
O AFLITO DEVE CONFIAR NO SENHOR
A palavra aflição ou tribulação aparece três vezes neste salmo, nos versos 6, 17 e 19. Na língua original, essa palavra significa, literalmente, “estar apertado num canto” ou “passar por um estreito, por um aperto”. [6] Ela expressa bem o que Davi passou diante do rei dos filisteus. Estava num beco sem saída. É possível que esse seja o caso de alguém que está me ouvindo hoje, aqui. O que fazer em situações assim? Só nos resta confiar no Senhor! Isso significa descansar nos cuidados dele. Deus não nos promete a ausência de lutas; porém, promete-nos algo maravilhoso. A sua palavra diz: O anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que o temem e os livra (Sl 34:7). Observe que o texto não diz “um anjo”, mas “o Anjo do Senhor”. Os comentaristas da Bíblia explicam que a expressão “o Anjo do Senhor” refere-se a Jesus Cristo, a segunda pessoa da triunidade (cf. Js 5:13-15), o Senhor dos exércitos angelicais, que, no Antigo Testamento, visitava o seu povo, na forma préencarnada. [7] É o próprio Cristo que cuida de nossa segurança! Assim, o Salmo 125 faz todo o sentido, quando afirma que os que confiam no Senhor são como o monte Sião, que não se pode abalar, mas permanece para sempre (v.1). Essa estabilidade baseia-se na certeza de que como os montes cercam Jerusalém, assim o Senhor protege o seu povo, desde agora e para sempre (v.2). Enfrentaremos dias difíceis. Contudo, nunca estaremos sozinhos. O Senhor sempre estará conosco, guardando-nos e protegendo-nos. Ele age assim porque nos ama e porque é bom. O problema é que, muitas vezes, quando chegam os infortúnios da vida: a doença, o endividamento, o desemprego, o conflito de comunicação na família, a insegurança no trabalho, a primeira coisa que fazemos é esquecer que Deus nos ama e duvidar da sua bondade. Pensamos que Deus nos abandonou e que não se importa conosco. Deixamos de confiar que ele está no controle de tudo, que é soberano. Quando agimos assim, o desespero domina nosso coração e nossa mente. Não há nada de errado em passar por aflições. Jesus mesmo disse: Neste mundo vocês terão aflições (Jo 16:33). O erro é nos deixarmos dominar por elas, ficarmos ansiosos, desesperados e perdermos o sono e os sonhos. Por isso, o salmista, por experiência própria, nos incentiva não só a clamar e contemplar a Deus, mas também a confiar que ele tem o melhor para nós, mesmo que esse melhor seja continuar mais um pouco na tribulação. Quando cremos que o Todo-Poderoso está ao lado, quando acreditamos que está na direção da nossa vida, somos curados de toda angústia. Com isso em mente, Davi desafia os aflitos, dizendo: Provai e vede que o Senhor é bom; bem-aventurado o homem que nele confia (v.8). É como se ele dissesse: “Se você está duvidando, experimente e você verá o quanto Deus é maravilhoso!”. Se você tem enfrentado situações de aperto na vida, confie em Deus. Se tem sangrado por dentro, por ver seu filho perder-se nas drogas, confie em Deus. Se você tem perdido o sono por causa dos problemas, confie em Deus. Se está correndo o risco de perder o seu emprego ou está desempregado, confie em Deus. Não se desespere. O Senhor pode reverter tudo isso. Experimente confiar em Deus e você verá que vale a pena. Confiar no Senhor é o terceiro segredo revelado por Davi para a cura do aflito, no salmo 34. Vamos, agora, ao quarto e último segredo.
O AFLITO DEVE TEMER AO SENHOR
Por favor, olhe, em sua Bíblia, o verso 9: Temei o Senhor, vós os seus santos, pois nada falta aos que o temem. Esse verso nos faz lembrar a promessa do salmo 23, que diz: O Senhor é o meu pastor; de nada terei falta (Sl 23:1 - NVI). Contudo, no salmo 34, não temos apenas uma promessa, mas também uma ordem: Temei ao Senhor. O que significa temer ao Senhor? Significa andar com ele, respeitá-lo e obedecer a sua palavra [8]. O temor do Senhor se baseia em duas questões importantes. A primeira é saber quem nós somos e a segunda é saber quem Deus é. Ele é o criador e nós, as criaturas; ele é o oleiro e nós somos o barro; ele é Senhor e nós somos os servos; ele é o Pastor e nós, as ovelhas. Então, devemos temê-lo e respeitá-lo. É exatamente por essa razão que lemos no, livro de Provérbios: O temor do Senhor é principio da sabedoria (Pv 9:10). O salmista explica que quem teme ao Senhor, em primeiro lugar, tem cuidado com suas palavras (v. 13). Esse cuidado é para não murmurar contra Deus e nem falar mal dos outros. Em segundo lugar, afasta-se do mal e busca fazer o bem (v. 14a). Em terceiro lugar, busca a paz com empenho (v. 14b). Mas o que isso tudo tem a ver com a alma ferida do aflito? É em momentos de angústias e de provação que colocamos nossa integridade em jogo. Se você não tiver cuidado, começará a reclamar da vida e murmurar contra o Senhor, ou até mesmo falar mentiras. Se você não tiver cuidado, poderá entrar em negócios escusos e se corromper; poderá negar sua fé ou abrir mão de princípios cristãos, pois, quando estamos num beco sem saída, quando vemos que o fim da linha se aproxima, às vezes, tomamos atitudes desesperadas e erradas. Jamais faça isso, meu irmão! Prefira ter sempre Deus do seu lado. Não se rebele contra ele. Tema ao Senhor, porque ele tem compromisso com quem é compromissado com ele. O Altíssimo tem uma aliança com aqueles que se esforçam em agradá-lo. O conselho de Davi é este: “Ande com Deus, faça a vontade dele e fique tranquilo, pois ele cuidará de você”. Todavia, é bom que se diga, mais uma vez, que, em nenhum momento, neste salmo, Davi dá a entender que a vida de fé e obediência poupará os filhos de Deus de enfrentar problemas. Ele mesmo diz: O justo passa por muitas adversidades, mas o Senhor o livra de todas (Sl 34:19). O que esse salmo nos promete é que, se invocarmos o Senhor com temor, ele pode atravessar os problemas conosco e transformá-los em bênção para nós; por meio de nós, pode ainda abençoar a outros. [9] Quem conhece a Deus e o teme, não teme mais nada neste mundo. Quem tem a consciência tranqüila com Deus, não precisa ter medo; fica tranqüilo, pois sabe que está seguro. Mesmo em meio às tempestades da vida, não se desespera, porque conhece o capitão do barco. Quem teme a Deus, não temerá más notícias; seu coração está firme, confiante no Senhor (Sl 112:7)
CONCLUSÃO:
Leia novamente o primeiro verso deste salmo: Bendirei o Senhor o tempo todo! Os meus lábios sempre o louvarão (Sl 34:1). Essa é a conclusão a que Davi chega, após passar por essa experiência tão angustiante e ter visto o escape milagroso de Deus. Ele esteve enfermo em sua alma, mas foi curado. Meu irmão, se sua alma está ferida e cansada por causa de tantos problemas, angústias e aflições da vida, não fique desanimado, nem prostrado. Deus também tem cura para você! Siga as orientações de Davi, pois elas são inspiradas pelo Espírito Santo. Então, clame ao Senhor, colocando diante dele todas as suas ansiedades. Ele sempre o ouvirá! Perceba o que está registrado no verso 17: Os justos clamam, o Senhor os ouve e os livra de todas as suas angústias. Além disso, não perca Deus de vista. Pare de olhar para os problemas e olhe para Cristo. Então, a névoa da aflição se dissipará e seu rosto ficará radiante de alegria. Para ser curado é também necessário confiar no Senhor. Saiba, meu querido, que o Senhor é bom, e bem-aventurado é quem nele confia. Tema ao Senhor. Mantenha-se fiel, independentemente das circunstâncias. O Deus que cura o aflito sempre está conosco. Coloque-se agora diante dele e seja curado!

Bibliografia:
1. CHAMPMAN, Milo L. (et al). Comentário Bíblico Beacon. 3 ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2009, vol 3, pág. 172)
2. HARRIS, R. Laird (org.). Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 1998. Pág. 1143)
3. CARSON, D. A. (Org.). Comentário Bíblico Vida Nova. São Paulo: Vida Nova, 2009. Pág. 767)
4. BRUCE, F. F. Comentário Bíblico NVI: Antigo e Novo Testamento. São Paulo: Vida, 2009. Pág. 795)
5. MACDONALD, William. Comentário Bíblico Popular: versículo por versículo: Antigo Testamento. São Paulo: Mundo Cristão, 2010. Pág. 404) 
6. HARRIS, R. Laird (org.). Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 1998. Pág. 1310). 
7. WIERSBE, Warren W. Comentário Bíblico Expositivo: Poéticos. São André: Geográfica, 2008. Pág. 154)
8. CHAMPMAN, Milo L. (et al). Comentário Bíblico Beacon. 3 ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2009, vol 3. Pág. 174).
9. WIERSBE, Warren W. Comentário Bíblico Expositivo: Poéticos. São André: Geográfica, 2008. Pág. 155).
10. Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal – CPAD – Comentário págs. 760-761

FONTE: DEC - A Cura de Deus para a Alma - www.portaliap.com.br compartilhado no PCamaral

Nenhum comentário:

Todos os comentários serão moderados. Me reservo o direito de não publicá-los caso o conteúdo esteja fora do contexto, ou do assunto, ou seja ofensivo ao autor do texto.


..

Tecnologia do Blogger.