Header Ads

Por que o Povo de Deus Perde a Esperança?

Deixo-lhes a paz; a minha paz lhes dou. Não a dou como o mundo a dá. Não se perturbem os seus corações, nem tenham medo. (João 14:27)

Por Wayne Mack em Editora Fiel

Durante os anos em que tenho me envolvido no ministério de aconselhamento, encontrei muitas pessoas que perderam a esperança por terem adotado um diagnóstico psicológico sem fundamento bíblico quanto a seus problemas pessoais. Em algumas ocasiões, isto ocorre porque alguém lhes apresentou o diagnóstico. Em outras, tais pessoas leram algum livro, assistiram um programa de televisão, ouviram uma conversa no rádio ou fizeram algum curso de psicologia, decidindo por si mesmas que realmente estavam sofrendo de algum tipo especial de problema psicológico. Deixaram de reconhecer que o "diagnóstico" é apenas uma identificação descritiva, determinado por dedução, que algumas pessoas resolveram utilizar como um rótulo para certos tipos de comportamentos e experiências humanas. E, embora a palavra ou a expressão descritiva escolhida pareça lógica e significativa para identificar um conjunto de comportamentos humanos estranhos, realmente não descreve a causa ou a natureza do problema.

Talvez eu possa esclarecer o que estou procurando afirmar, se falar sobre como na medicina as doenças são diagnosticadas e como normalmente se procede no diagnóstico dos problemas psicológicos. Na medicina, se um paciente tem certo conjunto de sintomas, os médicos suspeitam que está com determinada enfermidade. Porém, antes de apresentarem um diagnóstico definitivo, eles prescrevem uma série de exames (sangue, raios X, etc.), reconhecendo que, se a pessoa realmente tem aquela doença, a sua causa e natureza serão reveladas por meio dos exames. Com base em evidências científicas, os médicos dizem se aquela pessoa tem ou não determinada doença. O diagnóstico deles não está fundamentado apenas nos sintomas, mas em provas comprováveis ou evidências tanto das causas quanto da natureza da enfermidade.

Contrário ao que muitas pessoas imaginam, este não é o procedimento comumente adotado no âmbito da psicologia secular. Na psicologia, se alguém possui certos sentimentos, comportamentos, maneira de pensar, determinado número de sintomas por um período específico de tempo, supõe-se que tal pessoa está com um problema psicológico, ainda que sua causa não foi e, em muitos casos, não pode ser comprovada por métodos científicos. Sem evidências provenientes de fatos concretos a respeito da causa e da natureza do problema, deduz-se que certos sintomas indicam que ela tem um problema psicológico. Em muitos casos, esse tipo de diagnóstico, não comprovado e improvável, é oferecido e freqüentemente aceito como incontestável e indiscutível.

Infelizmente, quando uma pessoa acredita que seu problema, quanto à sua causa e natureza, é psicológico e não espiritual, podemos esperar várias coisas:

1) em sua tentativa para superar o problema, esta pessoa deixa de lado Cristo e a Bíblia, buscando a solução primariamente (às vezes, exclusivamente) em remédios, idéias e conceitos da psicologia secular;

2) começa a pensar sobre Cristo como um "psicólogo cósmico", cujo principal objetivo em ter vindo ao mundo era solucionar os problemas psicológicos, aumentar a auto-estima do ser humano, libertá-lo de sua dependência de ajuda e satisfazer as "necessidades de seu ego";

3) esta pessoa perde a esperança e cai no desespero, porque muitos dos rótulos psicológicos trazem consigo a idéia de "eu sou assim mesmo, não posso ser mudado" ;

4) torna-se desencorajada porque estes conceitos não fundamentados na Escritura de maneira real e franca, incentivam-na a pensar que a solução básica para suas dificuldades é humanística em sua natureza. Esta pessoa precisará solucionar seu problema por si mesma (a idéia de que ela pode e tem de mudar a si mesma) ou outros, preferencialmente os especialistas, resolverão por ela.

Muitas pessoas já tentaram e falharam por confiarem em seus próprios esforços ou na ajuda de outros. Sabem que elas mesmas ou qualquer outra pessoa não podem oferecer poder para libertá-las de sua velha maneira de pensar, sentir e comportar-se e capacitá-las a pensar, sentir e viver de maneira diferente. Nesse contexto em que os problemas são vistos primariamente como psicológicos em sua natureza, encontrei inúmeras pessoas que perderam a esperança e aumentaram suas dúvidas de que as mudanças realmente podem acontecer.

Por outro lado, tenho visto a esperança florescer em pessoas que começaram a reconhecer que seus problemas eram principalmente espirituais em natureza e estavam relacionados ao pecado. O reconhecimento de que nossos problemas pessoais e interpessoais estão relacionados ao pecado é realmente "boas-novas", pois, se isto é verdade, há toda esperança para nós. Por quê? Porque de acordo com a Bíblia, o propósito fundamental de Cristo ter vindo ao mundo é libertar-nos da penalidade e do poder do pecado que nos domina (e, eventualmente, da presença e possibilidade do pecado). Esta é a mensagem mais cristalina da Bíblia: Jesus é o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo! (Jo 1.29); Fiel é a palavra e digna de toda aceitação: que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal. (1 Tm 1.15); E lhe por-ás o nome de Jesus, porque ele salvar á o seu povo dos pecados deles. (Mt 1.21); o qual a si mesmo se deu por nós, a fim de remir-nos de toda iniqüidade e purificar, para si mesmo, um povo exclusivamente seu, zeloso de boas obras. (Tt 2.14).

As "boas-novas", de acordo com a Bíblia, não dizem que Cristo veio ao mundo para ser um psicólogo cósmico que traria cura às nossas enfermidades psicológicas. As "boas novas" da Bíblia afirmam que Cristo Jesus veio ao mundo a fim de providenciar libertação da penalidade e do poder do pecado (Rm 6.1-23). As "boas-novas" incluem a idéia de que há esperança para sermos libertos do castigo de nossos pecados.

Existe substancial libertação do dominante poder do pecado e seus efeitos, no presente, porque foi isto que Cristo veio fazer no mundo. Esta perspectiva bíblica acerca da natureza dos maiores e mais fundamentais problemas do homem está repleta de esperança para aqueles que estão lutando com padrões antibíblicos de pensar, desejar, sentir e comportar-se. Essa perspectiva é libertadora, gratuita, encorajadora, bíblica e verdadeira! Ela diz às pessoas que, embora seus problemas pessoais e interpessoais sejam graves e intensos, existe esperança de mudanças, porque Cristo Jesus veio ao mundo a fim de oferecer libertação da culpa, condenação, corrupção, penalidade e controlador poder do pecado em suas vidas. Essa perspectiva ensina às pessoas que em Cristo Jesus elas podem desfrutar de todos os recursos necessários para escaparem da corrupção que se manifesta no mundo por meio de desejos pecaminosos. Cristo também capacita os crentes a viverem de maneira realmente piedosa e frutífera, caracterizando-se por excelência moral, conhecimento, moderação, perseverança, amor fraternal, bondade e amor cristão.
Seu divino poder nos deu todas as coisas de que necessitamos para a vida e para a piedade, por meio do pleno conhecimento daquele que nos chamou para a sua própria glória e virtude. Por intermédio destas ele nos deu as suas grandiosas e preciosas promessas, para que por elas vocês se tornassem participantes da natureza divina e fugissem da corrupção que há no mundo, causada pela cobiça. Por isso mesmo, empenhem-se para acrescentar à sua fé a virtude; à virtude o conhecimento; ao conhecimento o domínio próprio; ao domínio próprio a perseverança; à perseverança a piedade; à piedade a fraternidade; e à fraternidade o amor. Porque, se essas qualidades existirem e estiverem crescendo em suas vidas, elas impedirão que vocês, no pleno conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo, sejam inoperantes e improdutivos.

(2 Pedro 1:3-8)
Esta mensagem bíblica está repleta de esperança, pois afirma que Cristo possui inesgotáveis recursos disponíveis para nós, a fim de que vençamos as corruptas influências de nossos maus desejos. Encontramos disponível em Cristo tudo que precisamos para escapar da condenação e das destrutivas influências do pecado em nossas vidas e para vivermos em piedade. Achamos em Cristo tudo que necessitamos para superar as controladoras influências do pecado, que nos impedem de experimentar aquele tipo de vida frutífera descrita em 2 Pedro 1.3-8.

Aqueles que aceitam o diagnóstico de Deus acerca da verdadeira natureza de seus problemas encontrarão tudo em Cristo "todas as coisas que conduzem à vida e à piedade", para livrarem-se da corrupção das paixões que há no mundo, tornando-se participantes da natureza divina. Talvez eles necessitem de ajuda para saber como aproveitarem-se destes recursos, mas podem ter esperança porque tudo que necessitam se encontra em Cristo!

Nenhum comentário:

Todos os comentários serão moderados. Me reservo o direito de não publicá-los caso o conteúdo esteja fora do contexto, ou do assunto, ou seja ofensivo ao autor do texto.


..

Tecnologia do Blogger.