Header Ads

Uma sociedade cada vez mais descrente


Por Alderi Souza de Matos em Ultimato

Um fenômeno que vem sendo detectado no Ocidente há bastante tempo é o crescimento do ceticismo religioso, da indiferença por preocupações de natureza transcendente. Por diferentes razões apontadas pelos sociólogos e antropólogos, o chamado “homem moderno” é bem menos religioso que os seus antepassados. Claro, esse não é um fato generalizado. Existem grupos, especialmente étnicos, em que a religião continua atraindo a atenção da grande maioria dos indivíduos. No entanto, a secularização da sociedade como um todo é um fato inquestionável e tende a crescer no futuro previsível, inclusive em países como o Brasil. Essa constatação representa um grande desafio e uma valiosa oportunidade para os cristãos.

Exemplos norte-americanos

A questão de fé e incredulidade varia muito de um lugar para outro, de uma época para outra. É interessante considerar o que ocorreu na Nova Inglaterra puritana do final do século 17. Quando os puritanos (calvinistas ingleses) chegaram à América do Norte, a partir de 1620, eles eram extremamente fervorosos em suas convicções religiosas. A leitura da Bíblia, as devoções domésticas e a freqüência aos cultos eram características marcantes desse grupo. Em certo sentido, o puritanismo foi um avivamento contínuo, em que as atividades religiosas ocupavam um lugar extremamente importante na vida da maior parte das pessoas. Todavia, algumas gerações mais tarde, depois que os puritanos prosperaram grandemente na nova terra, sua religiosidade experimentou um acentuado declínio, lamentado pelos pregadores da época.

O final do século 18 também foi um período de declínio religioso nos Estados Unidos. Décadas antes havia ocorrido uma série de avivamentos conhecida como o Primeiro Grande Despertamento. Findo esse período, as pessoas passaram a ter maior interesse por questões políticas e econômicas do que por assuntos religiosos. Foi a época da Revolução Americana, seguida pela independência dos Estados Unidos. É um fato conhecido que entre os pais da nova nação estavam homens bem pouco religiosos, pelo menos no sentido tradicional, como Thomas Jefferson e Benjamin Franklin, influenciados pelo deísmo iluminista. Verifica-se que há uma relação entre o nível socioeconômico e intelectual das pessoas e a sua religiosidade ou irreligiosidade. Todavia, essa regra tem exceções. Enquanto a Europa atual experimenta um fortíssimo processo de secularização e aumento do ateísmo, isso não ocorre com tanta intensidade nos Estados Unidos.

A situação brasileira

Como fica nessa questão o Brasil, um país tradicionalmente muito religioso? A religiosidade brasileira tem sofrido profundas transformações desde as últimas décadas do século 20, com o declínio numérico dos católicos, o pequeno crescimento dos espíritas e protestantes históricos e a acelerada expansão das igrejas pentecostais e neopentecostais. Outro dado revelador é o contínuo crescimento percentual daqueles que não se identificam com nenhuma confissão religiosa. Segundo o último Censo Geral do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), realizado no ano 2000, 12,5 milhões de habitantes se declararam “sem religião” (de um total de 170 milhões). A título de comparação, o número estimado de pentecostais no mesmo ano era de 17,6 milhões. De lá para cá é provável que esse número tenha aumentado.

É claro que, em matéria religiosa, os levantamentos são sempre relativos e devem ser encarados com cautela. Muitas pessoas podem declarar aos recenseadores que não possuem nenhuma religião no sentido de não estarem formalmente filiadas a nenhuma confissão religiosa, o que não significa que não tenham a sua própria religiosidade privada, individual e informal. É provável que muitas delas freqüentem ocasionalmente cultos neopentecostais, sessões espíritas ou terreiros de umbanda, movidas pela curiosidade, desejo de contatos sociais ou por algum interesse supersticioso. Todavia, em certas camadas da sociedade certamente o sentimento religioso e a filiação religiosa estão em declínio.

Ao se falar a respeito de irreligião, é importante fazer algumas distinções. Em primeiro lugar, existem os incrédulos no sentido absoluto, aqueles que não possuem nenhuma convicção religiosa, nenhum senso de um ser transcendente, tais como ateus, materialistas e agnósticos de diferentes tipos. Há também os descrentes no que diz respeito ao cristianismo, ou seja, adeptos de outras religiões ou das novas religiosidades ou espiritualidades dos tempos pós-modernos. Finalmente, existem os descrentes práticos, aqueles que crêem teoricamente, mas vivem como se não cressem, isto é, são crentes meramente nominais. Os seus filhos tendem a se afastar por completo da fé.

Causas da incredulidade

Nem sempre é fácil identificar as causas do ceticismo ou do desinteresse religioso, mas algumas possibilidades são as seguintes: (a) prosperidade socioeconômica: a posse de bens e privilégios materiais dá às pessoas uma sensação de poder, segurança e auto-suficiência; (b) a influência da mídia: programas de televisão, livros e revistas populares defendem abertamente um ideário secular, materialista e, por vezes, anticristão; (c) a educação secundária e a superior transmitem uma visão de mundo em que não há nenhum lugar para a transcendência, para a espiritualidade; os departamentos de muitas universidades são controlados por materialistas de diversos tipos; (d) a popularização das teorias científicas naturalistas sobre as origens do ser humano, da vida e do universo; (e) dificuldades e perplexidades existenciais: muitas pessoas têm dificuldade de conciliar tragédias e sofrimentos com a existência de Deus.

Um fator adicional muito importante é o freqüente mau exemplo ou incoerência das religiões e dos religiosos. As guerras religiosas e a intolerância da época da Reforma Protestante (séculos 16 e 17) contribuíram para o surgimento do Iluminismo, com sua rejeição do cristianismo histórico. Nos dias atuais, vê-se o ressurgimento do fanatismo, extremismo e fundamentalismo religioso, que têm resultado em algumas das mais horrendas manifestações de violência do mundo contemporâneo. Esses fatos produzem antipatia para com a religião em muitas mentes. Por outro lado, multiplicam-se no Brasil os casos de curandeirismo, charlatanismo e exploração emocional e financeira das pessoas por diferentes grupos religiosos. Além disso, tornaram-se corriqueiras as irregularidades éticas de muitas igrejas e líderes religiosos, fazendo com que muitos associem a religião com toda espécie de coisas condenáveis.

Conclusão

Essas realidades representam um sério desafio para as igrejas evangélicas. Se elas quiserem restaurar a credibilidade da fé cristã diante do mundo incrédulo, devem, em primeiro lugar, praticar um evangelismo íntegro e bíblico. Isso implica anunciar não só as promessas, mas as exigências do evangelho; mostrar não só um interesse pelas almas, mas pelo ser humano integral; buscar não só a transformação de indivíduos, mas da sociedade como um todo. Outra necessidade imperiosa é a ênfase na boa apologética, ou seja, o esforço de proporcionar às pessoas argumentos sólidos sobre a veracidade e relevância do cristianismo, de uma visão cristã da vida. Finalmente, é preciso haver coerência entre fé e conduta, lembrando que os exemplos valem mais que muitas palavras. A realidade de uma sociedade cada vez mais incrédula -- e ao mesmo tempo mais angustiada e perplexa diante de tantos problemas e indagações -- exige um renovado empenho dos seguidores de Cristo em testemunhar da sua fé, das boas novas de vida e esperança presentes no evangelho.

Nenhum comentário:

Todos os comentários serão moderados. Me reservo o direito de não publicá-los caso o conteúdo esteja fora do contexto, ou do assunto, ou seja ofensivo ao autor do texto.


..

Tecnologia do Blogger.