Header Ads

Minha Crença Sobre A Santificação

Por isso, cingindo o vosso entendimento, sede sóbrios e esperai inteiramente na graça que vos está sendo trazida na revelação de Jesus Cristo. Como filhos da obediência, não vos amoldeis às paixões que tínheis anteriormente na vossa ignorância; pelo contrário, segundo é santo aquele que vos chamou, tornai-vos santos também vós mesmos em todo o vosso procedimento, porque escrito está: Sede santos, porque eu sou santo. (1 Pe 1:13-16)

Eu creio na santificação, conforme apresentada na Bíblia Sagrada. Entendo, fundamentados em Hebreus, que, sem ela, ninguém verá o Senhor (Hb 12:14). Acredito que a santificação é posicional e processual. Posicional porque é uma realidade, uma posição do crente em Jesus. Nós somos “santos”. Esta é a nossa posição. É assim que Deus nos vê. Por isso os autores do Novo testamento chamam os crentes em Jesus de “santos” (2 Co 1:1; Fp 1:1; Cl 1:1). O substantivo grego traduzido por “santo” é hagios, que significa literalmente, “separado da condição ou uso comum”.
Nós somos santos, não porque adquirimos uma posição elevada de espiritualidade, mas porque, ao recebermos Cristo como Senhor, fomos “separados” do nosso antigo modo de viver para um novo estilo de vida orientados por padrões estabelecidos por Deus. Tudo o que Cristo fez por nós, na cruz, nos garante essa posição. Por causa, única e exclusivamente, dele fomos santificados; à igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados para ser santos, com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso (1 Co 1:2). Ele é a nossa “santificação” Mas vós sois dele, em Cristo Jesus, o qual se nos tornou, da parte de Deus, sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção, (1 Co 1:30). Antes éramos profanos desesperançados; agora somos “santos”, cheios de perspectiva. É importante lembrar que a palavra “santo” sempre é usada no Novo testamento no plural, nunca no singular. Ninguém é chamado de “santo” individualmente. Este não é um título pessoal, mas um termo usado, algumas vezes, para descrever a posição do crente nascido de novo [WILKINSON, Bruce. Santidade Pessoal. São Paulo: Mundo Cristão 2001 pag.45].

Se você é nascido de novo, posicionalmente, você é santo, isto é, você foi separado. Antes de receber a Cristo, vivia de um jeito; depois desse dia tudo mudou. Fomos separados para viver de outra maneira. Neste sentido, afirmo, também, que a santificação é processual: A Bíblia diz: (...) desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor (Fp 2:12), Na regeneração, começa a nossa caminhada, mas ainda não estamos totalmente prontos; há um longo caminho a percorrer até que cheguemos à medida da estatura da plenitude de Cristo (Ef 4:13). Vista como um processo pode definir a santificação como a obra que o Espírito Santo desenvolve em nós, dia-a-dia, para nos afastar cada vez mais do pecado e nos tornar cada vez mais parecidos com Cristo em nosso viver diário.

Este conceito pode até parecer estar em conflito com o primeiro, mas não está. Eles são complementares. Apesar de sermos posicionalmente santos, não somos completamente santos; estamos em processo. Embora não sejamos mais escravos do pecado (Rm 6:18), ele insiste em permanecer em nós. Ao mesmo tempo em que o Novo Testamento chama os cristãos de santos (1Pe 2:9; 2 Pe 1:21; 3:2), exorta-os: Sede vós também santos (1 Pe 1:15). Uma coisa é ser chamado de “santo”, outra coisa é viver como “santo”. Este é o desafio apresentado pela palavra de Deus: (...) aperfeiçoando a santidade no temor de Deus (2 Co 7:1b – AS21). É triste quando os chamados santos vivem de forma indigna. Precisamos viver de acordo com nossa posição! O pecado não é mais senhor da nossa vida (Rm 6:14).

No processo de santificação, nossa base é a palavra de Deus e nosso alvo é Jesus; Irmãos, quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas uma coisa faço: esquecendo me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus. Todos, pois, que somos perfeitos, tenhamos este sentimento; e, se, porventura, pensais doutro modo, também isto Deus vos esclarecerá. Todavia, andemos de acordo com o que já alcançamos. (Fp 3:13-16). Vivenciamos o processo olhando para ele; Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, desembaraçando-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus. (Hb 12:1-2). Um dia seremos como ele é; Amados, agora, somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque haveremos de vê-lo como ele é. (1 Jo 3:2).

Atualmente, mesmo que não pequemos habitualmente; Todo aquele que permanece nele não vive pecando; todo aquele que vive pecando não o viu, nem o conheceu. (1 Jo 3:6), ainda pecamos. Porém , temos o Espírito Santo que habita em nós (1 Co 3:16; 6:19). Ele é o agente da santificação pessoal, e nos ajuda a mantê-la diariamente (cf 2 Ts 2:13; Gl 5:16-18,22; Rm 8:14). Não estamos sozinhos neste processo! Até o dia da segunda vinda de Cristo, por ocasião da glorificação, quando estaremos para sempre livres da presença do pecado, o Senhor estará ao nosso lado, aperfeiçoando a boa obra que começou em nós um dia (Fp 1:6).

É lamentável observar pessoas que se dizem evangélicas não viverem o evangelho. Ao invés de praticarem as propostas das Escrituras, continuam a se ajustar aos desejos que tinham nos tempos passados. Eu creio e prego a necessidade imperiosa de uma vida de santificação: Porque Deus não nos chamou para a impureza, mas para a santificação (1 Ts 4:7). Santifiquemo-nos em tudo: intelecto, emoções, vontade, corpo e em toda a maneira de viver (1 Pe 1:15). Cresçamos em santidade, sem nunca nos gloriarmos em nossa santidade, mas na cruz de Cristo; sem nunca esquecermos que “o mais santo dos santos nunca é algo mais do que um pecador justificado e jamais se considera de qualquer outra forma” [PACKER, J. I. Na dinâmica do Espírito. São Paulo: Vida Nova, 2010 pag. 102].

E que Deus nos ajude sempre!


DEC - PC@maral

2 comentários:

  1. IRMÃO PCMARAL,GRAÇA E PAZ DE JESUS CRISTO O CORDEIRO DE DEUS QUE TIRA O PECADO MUNDO.
    meu irmão,este versículo: SEDE SANTOS,PORQUE EU SOU SANTO. Jesus disse: sem Santificação ninguém verá o SENHOR! O que Jesus Cristo falou,é muito sério,e o ser humano precisa pensar bem nisto.
    DEUS é Santo,e as qualidades de DEUS devem ser as qualidades do seu povo.
    A idéia principal de Santidade é a separação total dos modos ímpios do mundo e dedicação total a DEUS,por amor,para seu serviço e adoração a Ele.
    A Santidade é o alvo e o propósito da nossa eleição em Jesus Cristo;significa ser semelhante a DEUS,ser dedicado a DEUS e viver para agradar a DEUS,apartando-se do pecado e prazeres do mundo.
    É o Espírito Santo de DEUS que realiza em nós a Santificação,que purifica do pecado nossa alma e nosso espírito,que renova em nós a imagem de Jesus Cristo de Nazaré,e que nos capacita,pela comunicação da graça eterna de DEUS,a obedecer a ELE segundo a "sua Palavra".
    Para ensino adicional sobre a Santidade como maneira de viver; ler Efésios 1.4; Romanos 12.1;
    Efésios 1.4; 2.10; Hebreus 12.14; Gálatas 5.16.22,23,25; Colossenses 3.10; Tito 3.5;
    2 Pedro 1.9.

    ResponderExcluir
  2. Barbosa

    Amém! Sempre complementando biblicamente com seus comentários. Isso nos acrescenta edificação e conhecimento da Palavra de Deus.

    Glórias a Deus pela sua vida!

    Que Deus continue lhe abençoando e usando cada vez mais nessa missão maravilhosa que é de pregar a Palavra do Senhor!

    ResponderExcluir

Todos os comentários serão moderados. Me reservo o direito de não publicá-los caso o conteúdo esteja fora do contexto, ou do assunto, ou seja ofensivo ao autor do texto.


..

Tecnologia do Blogger.