Header Ads

O Código de Hamurabi


Quem tem a oportunidade de visitar o Museu do Louvre, em Paris, vai encontrar por lá uma peça bastante interessante: O Código de Hamurabi. Um dos mais antigos conjuntos de leis escritas já encontrados, e um dos exemplos mais bem preservados deste tipo de documento da antiga Mesopotâmia. Segundo os cálculos, estima-se que tenha sido elaborado pelo rei Hamurabi por volta de 1700 a.C.. Foi encontrado por uma expedição francesa em 1901 na região da antiga Mesopotâmia correspondente a cidade de Susa, atual Irã. (Wikipedia) Eu estive por lá, e dou minha versão: É uma pedrona preta, cheia de ícones talhados. (risos)

É um monumento monólito talhado em rocha de diorito, sobre o qual se dispõem 46 colunas de escrita cuneiforme acádica, com 282 leis em 3600 linhas. A numeração vai até 282, mas a cláusula 13 foi excluída por superstições da época. A peça tem 2,5 m de altura, 1,60 metro de circunferência na parte superior e 1,90 na base.[1]

Na parte superior do monólito, em alto relevo, Hamurabi é mostrado em frente ao trono do rei Sol Shamash (Deus dos Oráculos), recebendo dele as leis. Logo abaixo estão escritos, em caracteres cuneiformes acadianos, os artigos regulando a vida cotidiana. (Wikipedia)

Duas coisas curiosas sobre ele: o código ficava numa câmara – como se fosse uma capela. Quando as pessoas na Babilônia queriam buscar sabedoria, entravam nessa câmara e ficavam lendo e meditando o código. Outra curiosidade das leis e regras registradas no código é que ele é um dos primeiros registros escritos da lei de talião(do latim lex talionis: lex: lei e talis: tal, aparelho que reflete tudo), também dita pena de talião, que consiste na reciprocidade do crime e da pena — apropriadamente chamada retaliação. Esta lei ficou bem conhecida pela máxima olho por olho, dente por dente.

Nós que crescemos com o padre/pastor falando que Jesus nos manda amar nossos inimigos e oferecer a outra face, deixamos passar um detalhe interessante aqui.

Quando essa lei de talião foi criada, a prática de retaliação era brutal. Se um cara matasse o irmão do outro, este outro juntava mais cinco, matava o cara, sua mulher, filhos, punha fogo na casa dele e roubava o resto. A coisa era bárbara. Neste contexto, a Lei de Talião foi um grande avanço moral. Se o sujeito de cortou um braço, corta o braço dele e ponto. Deixa mulher, mãe, periquito e papagaio fora dessa. O cara matou sua mulher, mata a mulher dele. Era justo e ponto final. (Hum, me peguei pensando em estupradores… – bom, deixa isso pra depois.)

Agora um outro detalhe: o código apareceu 1700 anos antes de Cristo, a na sua época representou uma revolução. Daí vem Jesus.

Jesus não quer falar só do que é justo ou não. Jesus fala do que é pleno. Do que pode transformar. O sujeito te bateu? O justo seria devolver a bofetada. O pleno é oferecer a outa face.

O problema da retaliação espelhada é que o mal nunca cessa. Eu lembro que quando éramos crianças minha mãe ensinou pro meu irmão uma versão adaptada da lei de Talião. Era simples: nunca comece uma briga, mas se alguém te bater, desconte na mesma medida. Só que o tiro saiu pela culatra. Meu irmão virou uma máquina automática de retaliar. Eu não podia esbarrar sem querer nele (juro que era sem querer), que ele disfarçadamente devolvia o esbarrão. Eu eu devolvia outro, afinal o primeiro fora sem querer, e numa fração de segundos estávamos rolando na porrada.

Porque descontar/revidar gera um ciclo vicioso. A proposta revolucionária de Jesus é interromper o ciclo com amor. É um xeque-mate surpresa. Se alguém te faz um mal ele espera reação. Se você surpreende com o amor e oferece a outra face, o amor constrange o ato inicial. O amor é um basta.

Meu, cá pra nós, o Cara é Mestre mesmo. Agora, levou 1700 anos para a humanidade captar o Código de Hamurabi. Nós já estamos com quase 2000 anos de cristianismo. Quanto tempo será que ainda falta pra gente entender o basta do amor?


Fonte:
Autor: Juliano Pozati

Um comentário:

  1. Muito bom! Sucinto e objetivo!

    Na real, sabemos o quanto é difícil praticar esse amor. Principalmente quando se trata de ataques a sua família. Porém, é quando estamos na nossa razão e optamos em não revidar que o Pai aplica sua justiça perfeita.

    ResponderExcluir

Todos os comentários serão moderados. Comentários com conteúdo fora do assunto ou do contexto, não serão publicado, assim como comentários ofensivos ao autor.

Tecnologia do Blogger.