Quem são os nicolaítas de nosso século e por que Jesus odeia as suas obras?


Descortinando o futuro da humanidade, o Senhor se manifesta a João na ilha de Patmos e lhe revela as coisas que deveriam acontecer nos últimos dias. No livro que encerra o cânone sagrado, o Senhor manifesta o cuidado que tem sobre a Igreja que Ele resgatou com seu sangue, ordenando a João escrever sete cartas aos anjos das sete igrejas que estão na Ásia. Nas cartas endereçadas aos anjos dessas igrejas, Jesus elogia as virtudes destes ao mesmo tempo em que os admoesta sobre suas faltas, chamando-os ao arrependimento e abandono de práticas que poderão comprometer sua entrada no reino dos céus.

Quem ou o que eram os nicolaítas?

Quais obras realizavam ou que doutrina eles ensinavam que levou o Senhor a dizer abertamente que odiava as mesmas? Eles existiram somente na era apostólica ou estão ainda entre nós? A bíblia não nos fornece detalhes sobre eles. As duas únicas passagens que falam sobre os nicolaítas podem ser encontradas no livro das revelações – o Apocalipse.

Em duas destas cartas - Éfeso e Pérgamo – chama-nos a atenção o repúdio do Senhor quanto às obras e doutrina dos nicolaítas. Jesus elogia o anjo da igreja de Éfeso dizendo: "Tens, porém, isto: que odeias as obras dos nicolaítas, as quais eu também odeio." (Apocalipse 2:6). Mas repreende o da igreja de Pérgamo dizendo: "Assim tens também os que seguem a doutrina dos nicolaítas, o que eu odeio." (Apocalipse 2:15). A diferença entre os anjos das duas igrejas era que o da igreja de Éfeso, à semelhante de Jesus, também odiava e não compartilhava das ações dos nicolaítas. Já o da igreja de Pérgamo relaxou quanto a esse cuidado, deixando a igreja a vontade com alguns deles. Podemos entender que havia certa tolerância desta igreja quanto aos nicolaítas, permitindo a ação deles no seio desta. Afinal, quem eram esses?

Historiadores como Jerônimo, Epifânio, Teodoreto, Irineu, Hipólito e Clemente de Alexandria afirmam serem estes seguidores de Nicolau, prosélito de Antioquia que foi separado para o diaconato na igreja primitiva (Atos 6:5). Deduzem estes que Nicolau havia se desviado do caminho, pervertendo-se e tornando-se herege, de onde surgiram os nicolaítas. Porém, não há fundamento histórico e nem bíblico para se fundamentar essa tese.

Para poder se formular algo em relação a eles é necessário que primeiramente conheçamos o significado etimológico da palavra, bem como ser essencial estudarmos cuidadosamente o conteúdo da carta endereçada particularmente aos anjos de cada uma destas igrejas, atentando para o contexto bíblico-histórico, para assim chegarmos a um entendimento concreto sobre quem ou o que eram os nicolaítas.

Sentido Etimológico: Em hebraico: Nicolau = Vitorioso sobre o povo. Em grego Nikolaos: adjetivo formado da junção de duas palavras que é "Nikao" cujo significado é: "conquistar" e "laíta" que é uma derivação de "laikos", que vem de "laos" que significa: "os "leigos", o povo, a massa ou a plebe.

Em resumo, etimologicamente nicolaíta é: aquele que domina sobre o povo.

Partindo desse conhecimento, fica mais fácil entendermos quem era e o que ensinavam os nicolaítas.
A igreja de Éfeso (Apocalipse 2:1-11). Após se apresentar ao anjo dessa igreja, o Senhor diz conhecer suas obras, seu trabalho e sua paciência e, que por assim proceder, ele não poderia sofrer os maus (Verso 2). Em seguida, o elogia pela sua cautela e vigilância quanto àqueles que usurpavam para si o título de apóstolos, desmascarando-os pelas suas mentiras. É justamente a partir daí que passamos a ter uma imagem do que seriam os nicolaítas. Pelo contexto, vemos que estes eram homens que se autodenominavam apóstolos sem terem sido escolhidos ou elegidos pelo Senhor e que também não possuíam o fruto do Espírito e caráter cristão, virtude necessária para quem tem uma chamada divina (Gálatas 5 : 22; Efésios 5 : 9). Estes ainda usavam de mentiras, querendo, com certeza, tirar proveito da igreja do Senhor. A bíblia ainda hoje fornece os meios para a igreja atual detectar quem tem ou não uma chamada para o exercício episcopal. É só observar se o tal se enquadra no requisito exigido pelo Espírito Santo no que concerne ao exercício ministerial, principalmente se este tem sua família como exemplo a ser seguido. (1Timóteo 3 : 1 - 11).

Contexto histórico da igreja de Éfeso

A igreja de Éfeso teve como seu primeiro pastor o apóstolo Paulo, pois foi ele quem plantou a igreja nesta cidade. No capítulo 20 do livro de Atos, vemos Paulo se preocupar com a integridade dessa igreja. Ele estava na Macedônia e preparava-se para retornar, trazendo a coleta que os irmãos macedônios arrecadaram para ajudar os irmãos que passavam necessidade em Jerusalém. Ele sabia que ao chegar a Jerusalém seria preso e não mais veria os irmãos (Atos 20 : 25). No caminho para Jerusalém, Paulo precisou passar pela Ásia para dar as últimas instruções aquela igreja.

Ali chegando aportou em Mileto, e, de lá mandou chamar os presbíteros (anciãos) que governavam a igreja de Éfeso e, entre muitos testemunhos, exortações e conselhos, Paulo dá as seguintes admoestações às lideranças da igreja: “Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue. Porque eu sei isto que, depois da minha partida, entrarão no meio de vós lobos cruéis, que não pouparão ao rebanho; e que de entre vós mesmos se levantarão homens que falarão coisas perversas, para atraírem os discípulos após si” (Atos 20 : 28 - 30).

Paulo tinha o Espírito Santo e este lhe revelava o que aconteceria, tanto a sua pessoa como a igreja, por isso, Paulo fez questão de alertar às lideranças da igreja de Éfeso quanto à entrada dos lobos (nicolaítas), que na sua ausência, iriam querer tirar proveito das ovelhas, não poupando o rebanho. Estes eram crentes de dentro da própria igreja que perverteriam os ensinos de Paulo e que se autodenominariam apóstolos querendo atrair a confiança da igreja, para assumir o primado nesta.

Paulo relatou aos irmãos de Éfeso a sua constante preocupação com eles e que durante o tempo em que foi pastor ali por três anos, não cessou noite e dia, de admoestar com lágrimas a cada um deles (Atos 20 : 31). Paulo sabia o quanto a igreja é preciosa para Deus, pois custou um alto preço e ele mesmo levava sobre o seu corpo as marcas de Cristo que por amor a igreja adquiriu (Gálatas 6 : 17). Portanto, era inconcebível que outros, que nada sofreram ou fizeram pela igreja, viessem a seu bel-prazer dominá-la e subjugá-la.

Agora, na sua última visita aquela comunidade, Paulo encomenda os irmãos a Deus e à Palavra de Sua graça, lembrando que durante o tempo em que foi pastor dessa igreja, em momento algum se fez valer de sua chamada para tirar proveito dos irmãos quando diz: “De ninguém cobicei a prata, nem o ouro, nem o vestuário. Sim, vós mesmos sabeis que para o que me era necessário a mim, e aos que estão comigo, estas mãos me serviram. Tenho-vos mostrado em tudo que, trabalhando assim, é necessário auxiliar os enfermos, e recordar as palavras do Senhor Jesus, que disse: Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber” (Atos 20 : 33 - 35).

Sim, a igreja de Éfeso foi bem doutrinada quanto ao realizar a obra do Senhor, recebendo todo o conselho de Deus que lhe foi repassado pelo seu amado pastor (Atos 20 : 27). Vemos que essa igreja guardou o conselho de seu pastor até o momento em que Cristo se revelou a ela no Apocalipse. O próprio Senhor elogia o anjo da igreja em Éfeso, quando disse que ele pôs a prova aqueles que diziam serem apóstolos, desmascarando a mentira deles. É certo que por causa disso, ele sofreu perseguições, pois lutar pela defesa da verdade consiste em angariar inimigos (Gálatas 4 : 16). Mas ele perseverou na paciência e continuou trabalhando pelo Seu Nome (Apocalipse 2 : 2 , 3). Um grande exemplo para ser imitado pelas lideranças de igrejas da atualidade.

Algo semelhante também aconteceu nos tempos do apóstolo João antes de ele ser enviado a Patmos. Um membro da igreja chamado Diótrefes, cobiçava a liderança. Ele a todo o custo queria o primado, isto é, queria ser o primeiro e estar acima dos demais membros. Conhecedor que João não concordava com tal arrogância, não permitia que este fosse recebido na igreja, como se esta fosse sua propriedade particular. “Tenho escrito à igreja; mas Diótrefes, que procura ter entre eles o primado, não nos recebe”. (3João 1 : 8). Temos aqui um nítido exemplo de nicolaísmo, pois Diótrefes, movido de tal sentimento de poder, falava palavras maliciosas contra os servos Deus, e, além de não receber os irmãos que com certeza não apoiavam suas ideias, impedia aqueles que queriam recebê-los, chegando ao ponto de expulsá-los da igreja (Verso 10). A doutrina dos nicolaítas não achou guarida na igreja de Éfeso, mas, infelizmente, encontrou apoio na igreja de Pérgamo.

Ao anjo da igreja de Pérgamo (Apocalipse 2:12-17).

Jesus se apresenta como aquele que tem a aguda espada de dois fios (Sua Palavra fiel), tece elogios pela sua obra, resignação e fé, mas mostra também a sua falha que é tolerar aqueles que seguem a doutrina de Balaão e também os que seguem a doutrina dos nicolaítas que Ele odeia. Alguns defendem que os nicolaítas seriam os mesmos que seguem a doutrina de Balaão, dada a difusão da imoralidade dentro da igreja de Deus. Mas não são! Por outro lado, a doutrina ensinada por Balaão que tem base na avareza é tolerada pelos nicolaítas. Pedro em sua segunda epístola se refere a eles como aqueles que deixaram o caminho direito, erraram seguindo o caminho de Balaão, filho de Beor, que amou o prêmio da injustiça (2Pedro 2 : 12 - 15). Judas, o irmão do Senhor alude às obras destes, quando se refere aqueles que entraram pelo caminho de Caim, foram levados pelo engano de Balaão e pereceram na contradição de Coré, sendo manchas nas nossas festas de amor, banqueteando conosco, mas apascentando-se a si mesmos sem temor (Judas 1 : 10 , 11). Jesus conclama o anjo da igreja de Pérgamo a se arrepender dessa falha, pois se isso não acontecer, Ele mesmo virá e batalhará contra ele com a espada da Sua boca.

Em Mateus 20: 21 a 28 temos uma situação, onde a mãe dos filhos de Zebedeu faz um pedido ao Mestre que despertou a indignação dos demais discípulos. Ela pediu que seus dois filhos (Tiago e João) se assentassem ao lado do Senhor, um a esquerda e outro a direita quando da instauração do Seu reino. Após Jesus falar que não competia a Ele essa decisão, mas ao Pai, Ele mostra a realidade que deve prevalecer entre os seguidores do Messias: “Então Jesus, chamando-os para junto de si, disse: Bem sabeis que pelos príncipes dos gentios são estes dominados, e que os grandes exercem autoridade sobre eles. Não será assim entre vós; mas todo aquele que quiser entre vós fazer-se grande seja vosso serviçal; E, qualquer que entre vós quiser ser O PRIMEIRO, seja vosso servo; Bem como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos” (Mateus 20 : 25 - 28).

Jesus deixa transparecer que Sua vontade em relação a Sua igreja é que esta jamais fosse dominada por quem quer que seja e Ele nos ensina pelo seu próprio exemplo que todos somos iguais perante Ele e que somente Ele é o cabeça e Senhor da igreja. Nele, todos fomos feitos sacerdotes, sendo Ele próprio o nosso Sumo-Sacerdote para sempre (1Pedro 2 : 9 ; Hebreus 8 : 1).

Ainda em Mateus 23: 8-11, o amado Mestre reforça esse ensino: “Vós, porém, não queirais ser chamados Rabi, porque um só é o vosso Mestre, a saber, o Cristo, e todos vós sois irmãos. E a ninguém na terra chameis vosso pai, porque um só é o vosso Pai, o qual está nos céus. Nem vos chameis mestres, porque um só é o vosso Mestre, que é o Cristo. O maior dentre vós será vosso servo”.

O apóstolo Pedro ao aconselhar aqueles que, igualmente a ele, seriam chamados a cuidar do rebanho do Senhor, diz: “Aos presbíteros, que estão entre vós, admoesto eu, que sou também presbítero com eles, e testemunha das aflições de Cristo, e participante da glória que se há de revelar: APASCENTAI o rebanho de Deus, que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto; nem como tendo domínio sobre a herança de deus, mas servindo de exemplo ao rebanho. E, quando aparecer o Sumo Pastor, alcançareis a incorruptível coroa da glória”. (1Pedro 5 : 1 - 4). Observe que mesmo sendo pastor escolhido pelo próprio Cristo, Pedro não usurpou para si este título, preferindo ser chamado de presbítero. O apóstolo João também se considerava um (2João 1 : 1 ; 3João 1 ; 1). Em outra ocasião quando Pedro e João foram questionados a respeito da cura do coxo na porta do templo, chamada Formosa, atribuíram os devidos créditos a quem de direito – Jesus – que é digno de toda a glória e honra e poder (At 4 : 8 - 16).

Jesus constituiu homens dando-lhes dons ministeriais para que estes apascentem Sua igreja, conduzindo-a na verdade e em amor para que ela cresça em tudo naquele que é a cabeça, Cristo (Efésios 4 : 11 - 16). Assim sendo, ninguém tem o direito de exercer o domínio sobre a herança de Cristo, que é a Sua igreja resgatada por Seu sangue. Somos preciosos para Deus e Seu Filho. Por causa disso é que vemos Jesus manifestar repúdio e ódio pelas obras e doutrinas dos nicolaítas. Isto nos faz refletir no cuidado que Ele tem para conosco que somos Sua igreja, por quem Ele deu Sua própria vida.

Concluindo

Que os líderes da igreja de hoje possam seguir o exemplo do anjo da igreja em Éfeso e procure, através da revelação da Palavra, discernir os nicolaítas que se encontram infiltrados no meio dos verdadeiros homens de Deus. Que a igreja refute suas doutrinas e obras, ainda que por causa disso, venha a sofrer afrontas, sabendo que todos os que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguições (2Timóteo 3 : 12). Nosso conforto e recompensa estão reservados nos céus, onde uma coroa de justiça aguarda aqueles que combatem o bom combate e amam a Cristo e Sua vinda, e não se deixam corromper pelo sistema religioso alienado da verdade que quer manchar a noiva do Cordeiro (2Timóteo 4 : 7 , 8).

Que fiquemos na vocação em que fomos chamados (1Corintios 7 : 20) e tenhamos o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus.

“De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus” (Filipenses 2 : 5 , 6).


Fonte:
Deus é Fiel - Reginaldo Barbosa
Santa Bárbara do Pará

Nenhum comentário:

Todos os comentários serão moderados. Comentários com conteúdo fora do assunto ou do contexto, não serão publicado, assim como comentários ofensivos ao autor.

Tecnologia do Blogger.