Header Ads

Que diferença faz Deus na sua vida?


Numa grande igreja que visitei nos Estados Unidos reparei, nas paredes do salão de cultos, três grandes painéis de veludo com um desenho e uma frase em cada um. As frases são as seguintes: Deus conosco - Deus em nós - Deus por nós.

Deus conosco!


A vida é difícil, assustadora mesmo, em muitos casos. As pessoas enfrentam solidão, medo, aflições, dificuldades de toda espécie. Portanto, faz uma tremenda diferença saber que Deus, o Deus Pai, o Todo-poderoso, está conosco, não obstante sermos o que somos.

Jacó, neto de Abraão, provocou a ira de seu irmão, Esaú, e teve de fugir para Padã-Arã. No caminho, de noite, dormiu com a cabeça sobre uma pedra, e sonhou com uma escada que ligava a terra ao céu; e os anjos de Deus subiam e desciam por ela. Perto dele estava o Senhor, e lhe disse: Eu sou o Senhor, Deus de Abraão(…) Eis que eu estou contigo, e te guardarei por onde quer que fores(…) Quando acordou, Jacó disse: Na verdade o Senhor está neste lugar, e eu não o sabia. E, temendo disse: Quão temível é este lugar! É a casa de Deus, a porta dos céus(…) E ao lugar, cidade que outrora se chamava Luz, deu o nome de Betel (Gn 28.10-19). Betel quer dizer casa de Deus.

É assim que acontece ainda hoje com muitas pessoas. Não reconhecem a presença de Deus, senão quando acontece um milagre… Então sentem medo. Contudo a presença de Deus é protetora e abençoadora. Jacó fizera coisas erradas, mas Deus lhe apareceu de uma forma muito linda, e lhe disse: Eu te guardarei(…) e te não desampararei! (v.15)

O Salmo 139 é o Salmo da presença inescapável de Deus: Senhor, tu me sondas e me conheces. Sabes quando me assento e quando me levanto(…) Tu me cercas por trás e por diante (…) Para onde me ausentarei do teu Espírito? Para onde fugirei da tua face? (vs. 1-7)

Esta passagem chama nossa atenção para outro aspecto da presença de Deus. Se por um lado ela é protetora e abençoadora, por outro é também corretora. Por isso o salmista conclui este salmo dizendo: Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração(…) Vê se há em mim algum caminho mau, e guia-me pelo caminho eterno (vs. 23,24).

Deus esteve com Israel no deserto. Sua presença naquelas circunstâncias foi assinalada por uma coluna de nuvem, de dia, e por uma coluna de fogo, de noite. A coluna de nuvem protegia e guiava durante o dia; a coluna de fogo aquecia, iluminava e guiava durante a noite. No entanto houve ocasiões em que a presença de Deus significou disciplina e castigo para Israel.

Narrando o nascimento de Jesus, o evangelista Mateus citou esta profecia do Velho Testamento: Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, e ele será chamado pelo nome de Emanuel (…) O evangelista acrescentou um parêntesis explicativo: …(que quer dizer: Deus conosco) (Mt 1.23). Vale frisar que Jesus era Deus na Terra, e de uma forma muito real. Filipe uma vez pediu a Jesus: Senhor, mostra-nos o Pai, e isso nos basta. Jesus lhe respondeu: Filipe, há tanto tempo estou convosco, e não me tens conhecido? Quem me vê a mim, vê o Pai (…) Não crês que eu estou no Pai e que o Pai está em mim? (Jo 14.8-10)

Deus em nós.


Entretanto Jesus, quando se despediu dos seus discípulos lhes disse: Não se turbe o vosso coração (…) Na casa de meu Pai há muitas moradas (…) Vou preparar-vos lugar (…) E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco, o Espírito da verdade (…) Ele estará em vós. Não vos deixarei órfãos, voltarei para vós outros (Jo 14.1,2,16-18).

Um pouco mais à frente, Jesus acrescentou: Se alguém me ama, guardará as minhas palavras; e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada (…) Isto vos tenho dito estando ainda convosco; mas o Consolador, o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas (…) (Jo 14.23,25-27).

A presença de Deus é tanto exterior (para todos) como interior (para os que amam a Cristo e guardam suas palavras). A presença de Deus e de Cristo em nós, mediante o Espírito, faz uma tremenda diferença em nossa vida: O Espírito nos consola. Ele é o outro Consolador de que Jesus falou. Outro como o Deus Pai e o Deus Filho, Deus de toda consolação (II Co 1.3).

O Espírito nos ensina todas as coisas. Jesus disse: …o Espírito(…) vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito, e ele vos guiará a toda a verdade (…) (Jo 14.26; 16.13)

O Espírito nos santifica, produzindo em nós o chamado “fruto do Espírito”, ou seja: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio (Gl 5.22,23).

O Espírito nos capacita com os dons e a habilidade de que necessitamos para servir a Deus e a Cristo na Igreja e no mundo (I Co 12).

O Espírito nos dá poder para falarmos de Cristo. Jesus prometeu também: Recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas (…) (At 1.8)

Deus por nós


O apóstolo Paulo sofreu privações, foi perseguido, caluniado, injuriado, açoitado, algemado e posto em prisão, várias vezes. Tais sofrimentos não resultaram de pecado próprio, de ação demoníaca direta sobre ele; nem foram a chamada disciplina que vem do Senhor. Ele estava pregando o evangelho, abrindo novas igrejas, movido pelo amor a Cristo, aos judeus, seus compatriotas, e aos gentios. Sofreu em razão das dificuldades naturais do trabalho que fazia, por causa da rejeição e oposição dos judeus a Cristo, e devido a severidade e crueldade das autoridades religiosas e civis (II Co 11.23-28).

No entanto, a despeito das adversidades, da oposição e dos sofrimentos resultantes, o apóstolo se mantinha animado e feliz, totalmente dedicado à missão que lhe fora confiada. Por quê? Veja o que ele escreveu aos cristãos romanos: Porque para mim tenho por certo que os sofrimentos do tempo presente não podem ser comparados com a glória a ser revelada (…) O Espírito intercede por nós (…) Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus (…) Se Deus é por nós, quem será contra nós?(…) Somos mais que vencedores! (Rm 8.18, 26,28,31)

É isso aí! Sabendo das coisas, isto é, que o sofrimento é passageiro e dará lugar à glória dos novos céus e nova terra, nos quais habita justiça (II Pe 3.13), que o Espírito intercede por nós, e que Deus é por nós, não há por que murmurar, desanimar, desistir, entregar-se. O grito não é de dor, mas de triunfo: Em todas estas coisas (…) somos mais que vencedores! (v.37)

Leitor amigo, se você crê em Deus e em Cristo como seu Salvador e Senhor, e consequentemente recebeu o Espírito. Não pense nunca que está só, abandonado. Deus está com você para lhe fazer companhia, abençoá-lo e, quando necessário, corrigi-lo também.

Não permita que a tristeza, o desânimo, a desorientação, o pecado e o sentimento de fraqueza se instalem em sua mente e no seu coração. Deus está em você para consolá-lo, ensinar-lhe, santificá-lo e capacitá-lo.

Não tenha medo. Deus é por você. Ele é um aliado (exceto no pecado). Ele trabalha as circunstâncias, as mais difíceis também, e faz com que redundem no seu bem; ele impõe limites aos que se opõem a você e intentam fazer-lhe mal.

Você e eu podemos dizer com absoluta confiança: “Se Deus é por nós, quem será contra nós”. E concluir: “Em todas essas coisas, somos mais que vencedores”.


Fonte:
Por Éber Lenz César em seu Blog eberlenzcesar.blog.br

Pr. Éber Lenz César (eberlenzcesar@gmail.com)
Esta mensagem está incluída no livro Passando pelo Vale Árido

Nenhum comentário:

Todos os comentários serão moderados. Comentários com conteúdo fora do assunto ou do contexto, não serão publicado, assim como comentários ofensivos ao autor.

Tecnologia do Blogger.