Header Ads

O Momento da Oração

“Oração é comunicação com Deus. É um diálogo entre duas pessoas que se amam mutuamente: Deus e o Homem”. Deus está interessado em tudo o que você faz. Assim sendo, Ele tem prazer na oração de seus filhos (Pv. 15:8). Comunicar-se com Deus é um dos grandes privilégios daqueles que já se tornaram filhos de Deus. A oração, dessa forma, é um dos elementos básicos da vida cristã.

Precisamos aprender a orar – (Lucas 11:1) - Pela observação, os discípulos verificaram que na vida de Jesus a oração era o segredo do poder, isso forneceu a ocasião para o pedido dos discípulos. Não era incomum um discípulo pedir instruções do seu rabi (mestre) quanto à oração, principalmente estes, que agora estavam vivendo uma nova vida em Jesus. Por semelhante modo, os cristãos devem procurar adquirir o hábito da oração em sua nova vida com Cristo, pois esta constitui o segredo da vitória sobre a tentação e o pecado.

Propósitos da oração:

Glorificar a Deus (Jo. 14:13,14) - Jesus prometeu aos discípulos que faria tudo o que estes pedissem em seu nome, isto é, coerente com sua natureza revelada por sua vida terrena. Ao atender estes pedidos, feitos em oração, o nome do Pai poderia ser glorificado, isto é exaltado pelos homens.

Satisfazer as nossas necessidades básicas (Hb. 4:16) - Segundo o escritor aos Hebreus podemos, com ousadia e confiança, nos aproximar do trono da graça, com a plena certeza de que encontraremos ajuda para nossas necessidades pessoais, e isso o fazemos através da oração.

Obter respostas de Deus para situações específicas (Mt. 7:7,8) - Pedi, buscai, batei significa primariamente uma predisposição para Deus, para sua instrução, orientação ou dádivas. Pode ser que a pessoa não receba o que pede, não encontre o que busca, e a porta a que está batendo pode não ser a que se abrirá; mas a certeza é que, onde houver pedidos, haverá resposta, onde houver busca, haverá encontro, e onde houver batidas insistentes, Deus abrirá a porta.

Obter vitória sobre as tentações (Mt. 26:41; Ef. 6:10-18) - A ordem para vigiar e orar não era somente para os discípulos, mas para todos os cristãos, em todas as épocas, para suportarem as provas e tentações. Nessa vigilância e oração estão os verdadeiros armamentos para a guerra do cristão (II Co. 10:3-5).

Apresentar a Deus as nossas preocupações (Fl. 4:6,7) - Oração é mais do que pedir, porém pode pedir. A fé pode pedir, mas nunca exigir. Pedir é confiar no outro. Exigir é confiar em si mesmo. É preciso que apresentemos os nossos pedidos diante de Deus, não que Deus queira ser informado ou que roguemos a ele. É que precisamos pedir, para nos havermos com as nossas necessidades, reconhecê-las e procurar solucioná-los.

Segredos da oração:

Pedir e crer (Mt. 21:22) - Deus deseja atender, mas quer que nós peçamos. Isto não significa que Deus desconheça as nossas necessidades. Ele sabe o que precisamos antes mesmo que lho peçamos (Mt. 6:8). Mas Deus quer que reconheçamos a nossa dependência dele (Atos 17:25).

Pedir de acordo com a vontade de Deus (I Jo. 5:14,15) - “Se pedimos alguma coisa segundo a sua vontade, ele nos ouve”. A condição é: segundo a sua vontade. Portanto, Deus não atende uma oração egoísta que não é feita segundo a Sua palavra, a Bíblia (Sl. 37:4; I Jo. 3:22). A vontade de Deus deve sempre estar em primeiro lugar em nossas orações.

Orar em nome de Jesus (Jo. 16:23,24) - Orar em nome de Jesus significa mais do que simplesmente mencionar-lhe o nome no começo e fim da oração. Significa a aceitação do seu sacrifício, a crença nas Suas promessas e o fazer as Suas obras.

Confiar na intercessão do Espírito Santo (Rm. 8:26) - O Espírito Santo está constantemente intercedendo em favor do homem. Ele atua em nosso coração, ocasionando orações de arrependimento, louvor e ações de graças. A ajuda do Espírito Santo é necessária por causa da fraqueza e ignorância humanas.

Ser perseverante (Lc. 11:5-13)
- Devemos perseverar orando, quando aparentemente a resposta demora. A benção de Deus é às vezes retardada para que examinemos nossa condição e vejamos as falhas do nosso caráter, ou para nos provar a fé.

Orar com sinceridade (Hb. 10:22) - Não adianta tentarmos enganar a Deus com orações fingidas, ou mostrarmos uma espiritualidade que não possuímos, ou ainda usarmos palavras que nem mesmo nós entendemos. Uma oração insincera, pretensiosa é sempre uma abominação para Deus (Lc. 18:9-14). Nossas orações devem ser simples, diretas e sinceras.

Obstáculos à oração:

Não pedir com fé (Tg. 1:5-8) - A verdadeira oração exige fé, sem vacilações (Hb. 11:6). Tiago não apenas encoraja-nos a orarmos, mas também enfatiza que a oração precisa estar no contexto da confiança em Deus. Duvidar, aqui, refere-se à indecisão e aplica-se à pessoa que deseja tanto confiar em Deus quanto andar em seu próprio caminho.

Pedir com motivos errados (Tg. 4:3) - Muito do que pedimos a Deus não é o melhor. Pedimos muitas vezes e não recebemos porque pedimos mal. São os deleites, os prazeres, que nos levam a pedir mal, de forma deslocada da vontade divina. Uma condição da oração eficaz é que nós devemos ser desinteressados. Devemos colocar em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua vontade.

Pecados não confessados (Sl. 66:18; Pv. 28:13) - Deus é um Deus santo. Não há pecado Nele e Ele não tolerará o pecado. Estes versículos se referem a pecado na vida dos Seus filhos. Quando Ele diz que não ouvirá Ele está falando de ouvir provavelmente os pedidos feitos em oração, pois o pecado nos afasta de Deus (Is. 59:1,2).

Desobediência à Lei de Deus (Pv. 28:9) - A oração daquele que, deliberadamente, desobedece à Palavra se torna abominável diante de Deus, pois a transgressão da lei constitui-se em pecado (I Jo. 3:4), e Deus, sendo Santo, não pode compactuar com ele.

Usar repetições vazias e orar para agradar pessoas (Mt. 6:5-8) - Há pessoas que ensaiam orações, que programam como vão falar. Isto não é oração; é um desempenho. Os fariseus gostavam de orar em pé nas esquinas das praças para sem vistos e admirados pelos homens. Jesus não condena a oração em público, mas sim a exibição vaidosa. O ficar repetindo uma oração era uma característica dos pagãos. Tal atitude é como se a oração fosse um esforço para vencer a má vontade de Deus em responder, cansando-o com palavras. Jesus usa aqui o termo grego batologeo (vãs repetições, falar sem pensar), que significa emitir sons sem sentido, tal qual fazem alguns cristãos quando oram sem saber o que realmente estão falando com Deus.

Problemas na vida familiar (I Pd. 3:7) - Uma atitude errada do marido para com a mulher, ou vice versa, pode ser nociva à oração do casal. Como podem orar juntos, se atitudes de inimizade e atos de ressentimento e desdém se lhes interpõem? Ressentimentos que se originam da conduta egoísta no lar torna impossível a oração eficaz. A oração eficaz tem de ser “sem ira e rancor” (I Tm. 2:8).

Elementos da oração:


Louvor e adoração (Atos 16:24-26; Ap. 4:11) - Uma parte importante da oração é o louvor e adoração, pois é a expressão de puro amor a Deus. Da mesma forma que as petições indicam as necessidades de uma pessoa, o louvor e adoração refletem a atitude de uma pessoa para com Deus.

Ações de graças (I Ts. 5:18) - É o reconhecimento cheio de gratidão de que Deus está interessado em nossas vidas. A oração não é só para pedir, mas muito mais, para agradecer. Ao orarmos devemos tomar tempo para expressar ao Senhor a nossa apreciação por Suas inúmeras bênçãos, e o nosso agradecimento por elas.

Confissão (I Jo. 1:9) - Apresentar o pecado específico para Deus é um elemento fundamental para a oração eficaz. Confessar significa literalmente “dizer a mesma coisa que Deus diz com respeito ao pecado” ou “ter a mesma visão que Deus tem”.

Intercessão (Atos 12:5-10; I Tm. 2:1) - É a oração em favor de outras pessoas. Devemos orar pelas autoridades constituídas, para que tenhamos paz e também pela ampliação do reino de Deus na terra.

Petição (Jr. 29:12,13;Jo. 16:24) - Consiste em apresentarmos nossos pedidos pessoais a Deus, pois a oração sempre vem de um senso de necessidade. A necessidade unida com a fé resulta em recompensa daqueles que buscam a Deus diligentemente. Até mesmo Deus conhece nossas necessidades antes de lhe pedirmos e tem prazer em supri-las (Fl. 4:19).

Quando orar?

Sempre (I Ts. 5:17) - A oração deve ser a nossa atitude constante, pois ela é tanto uma atitude como uma atividade. A atitude de devoção a Deus pode ser sem cessar, mesmo que a atividade não for sem cessar.

Momentos específicos que separamos exclusivamente para oração (Mt. 6:6) - Aqui Jesus fala de um tipo ou forma de oração individual, isto é, somente nós e Deus. Este momento de oração é essencial para nós. A porta fechada é de extrema importância espiritual. Pois a porta fechada tem duplo efeito: ela exclui e encerra.

Em qualquer circunstância (Ne. 2:4) - A oração pode ser feita em qualquer lugar, em qualquer circunstância e em qualquer momento que nos vermos diante de uma dificuldade ou ao necessitarmos de uma resposta divina.

Publicamente (Atos 4:23-31) - A oração pública é aquela que fazemos junto com outras pessoas. É também chamada de oração coletiva. Apesar de Jesus incentivar a oração particular (no nosso quarto), também orava em público (Lc. 10:21,22; Jo. 11:41,42).

***

DEC - PC@maral

2 comentários:

  1. Como é importante a oração em nossa vida. E como é um desafio nos aprofundarmos nestes tempos de tanta correria.

    Ótimo artigo Pc...

    Um abraço!!!

    ResponderExcluir
  2. Sem oração, sem comunicação com Deus.
    Como podem haver tantos que se idzem de Deus que não tem uma vida em contato com ele?

    PAZ.

    ResponderExcluir

Todos os comentários serão moderados. Comentários com conteúdo fora do assunto ou do contexto, não serão publicado, assim como comentários ofensivos ao autor.

Tecnologia do Blogger.