Transição Ministerial

Homem de terno sentado em um sofá sofrendo as intempéries do ministério eclesiástico.

Um dos desgastes mais estressantes da liderança eclesiástica que um pastor pode sofrer é a rejeição por parte de seus membros. Esta rejeição pode indicar que o tempo pastoral já tenha ultrapassado os limites de uma possível sucessão ministerial ou, ainda, pode ser o custo da liderança pelo qual o ministro naturalmente passa na administração da igreja local.

É preciso que saibamos distinguir a rejeição gerada pelo tempo saturado na igreja daquela gerada pela prova da liderança que vivenciamos. Caso seja a primeira, não adianta relutarmos para ficar na igreja, se não estamos nos dando bem e vemos a igreja sofrer não é sensato permanecer, caso contrário será um desastre. É imprescindível que o pastor saiba distinguir estas duas situações de rejeição, evitando ainda outra rejeição maior no ministério, a de Deus! Identificar ambas o quanto antes é imprescindível para a tomada de uma decisão assertiva.

Lários (2016) lista alguns tipos de rejeição que estão relacionados mais com os custos da liderança do que com a permanência do pastor na igreja:

1) Rejeição à palavra do pregador: Essa é uma das rejeições mais comuns e todo pregador sente isso em algum momento.

2) Rejeição à pessoa do obreiro: Existem obreiros carismáticos e outros nem tanto. Não dá para agradar a todos o tempo todo. Jesus veio com um objetivo de Deus para o seu Ministério: "pregar e ensinar sobre o Reino de Deus". Ele obedeceu a sua meta e fez isso até o fim, se foi Deus quem nos levantou para a sua obra, não deveríamos ficar preocupados se estão ou não nos aceitando.

Outra situação que pode confundir nossa decisão pessoal quanto a permanência na igreja local é o surgimento de crises. Quando a igreja está passando por um período sem crises, no qual há crescimento material e desenvolvimento espiritual, muitos veem isso como um sinalizador de que o ideal é que continuem na gestão da atual igreja. No entanto, quando surgem as crises achamos que é “a sirene de incêndio alarmando que há fogo”, advertindo-nos para uma iminente saída. Porém nem sempre é assim.

A imprevisibilidade das tempestades transitórias no ministério, a falta de discernimento do tempo divino e a impotência de resolver problemas e mediar conflitos às vezes são os motivos pelos quais somos levados a tomar decisões emergenciais como, por exemplo, a transição pastoral. Ou, ao contrário disso, pode acontecer de permanecermos inertes por algum tempo na igreja sem mudança, a qual talvez já tenha chegado. Assim, enganarmos a nós mesmos, dizendo que o tempo ministerial na igreja que estamos acabou ou que ainda devemos permanecer nela, gera consequências calamitosas para ambas as partes, ministro e igreja. Não é fácil liderar em um ambiente hostil desgastado pelas crises ou mesmo pelo tempo de permanência, porém em nenhuma hipótese essas situações devem ser tomadas como um referencial divino para que o ministro determine sua partida ou sua continuidade nela.

Mas quais os parâmetros ideais que fundamentam a permanência ou não do pastor na igreja local?

É importante que o líder tenha em mente essa pergunta e, além disso, busque orientação divina, avalie seu ministério e saiba quais fatores serão decisivos para a sua continuação ou não na igreja local. Se a sucessão ministerial parece próxima, então é preciso que o líder se utilize de mecanismos espirituais e intelectuais para corroborá-la. Um erro nas decisões poderá resultar em prejuízos irreparáveis, tanto para si como para a instituição. Decisões essas que são intrínsecas ao livre-arbítrio do homem e nelas Deus não interfere, por isso que é preciso agir dessa maneira. Então, como saber que a luz amarela da advertência acendeu e é hora de planejar a transição para passar a igreja a outrem?

Ron McManus (1999), consultor de liderança eclesiástica e ministro da Primeira Assembleia de Deus na Carolina do Norte-EUA por 16 anos, lista algumas perguntas que ele julga serem importantes e necessárias para ajudar o ministro a ponderar acerca de sua decisão de sair da igreja quando as crises, rejeições e vontade de mudar surgirem – ou, então, insistir em permanecer, quando a partida era o ideal.

1ª) Eu cumpri a visão que Deus pôs em meu coração quando aqui cheguei?

2ª) Estou permitindo que minhas emoções ditem minha decisão em partir?

3ª) O Senhor quer estender meu pastorado onde estou hoje?

4ª) Estou permitindo que algumas pessoas me façam perder a perspectiva?

5ª) Estou fugindo de algum problema que o Senhor me chamou para resolver?

6ª) Como minha família será afetada se eu sair agora?

Se a resposta para a 1ª pergunta for SIM, para a 2ª, 3ª, 4ª, 5ª for, respectivamente, NÃO e para a 6ª for POSITIVAMENTE, na verdade é hora de partir; mas se as respostas forem o contrário, ao menos uma, deve-se rever a decisão.

E quando essa mudança acontecer? Qual será o procedimento a ser adotado pelo ministro? Quais atitudes éticas, procedimentais e legais deverão ser adotadas na transição?

Reverendo Ron McManus (1999, p. 558) lista cinco diretrizes e procedimentos que são importantes adotá-los:

1) O antigo pastor deve cortar todos os vínculos com a igreja que está deixando (administração de redes sociais, dependência contábil, documentos nominais, influências no ministério, contas em seu nome, etc.) e com seus membros (conselhos ou sugestões);

2) Só deve contatar ou visitar algum membro depois de prévio aviso ao pastor atual;

3) Só deve visitar a igreja se houver convite do pastor atual ou se avisar previamente, e isso depois de um bom espaço de tempo após sua saída;

4) Não deve tirar vantagens de antigos membros (financeiras e/ou estadia);

5) Deve deixar balancete em dias, contas pagas, relatórios financeiros transparentes, etc.

Outra questão a considerar sobre o assunto recai na figura do predecessor. Aquele que o pastor irá substituir na nova igreja. Paulo deixa claro para os coríntios (1Co 3.6) que a edificação da igreja é um trabalho colaborativo fundamentado em Cristo. Quando o pastor, tanto o que sai como o que fica, tem em mente esta verdade fundamental, a transição será feita com sucesso e livre de problemas futuros. A relação do pastor com seu predecessor deverá ser a de dar continuidade ao trabalho que foi feito, com cortesia e respeito, não agir com insegurança ou com ciúmes, elogiar sempre que possível, não tomar partido com membros que o odiavam (Rymond, 1999), assim como não sair mudando tudo logo de início – defino isto como efeito CG (Choque de Gestão) – estabelecendo novas ordens que desfaçam o trabalho do colega que o precedeu.

Conclusão

Conclui-se que a transição pastoral não se resume ao simples fato de atender a um sentimento pessoal ou comodidade ministerial, vai além disso. Todas essas questões abordadas devem ser levadas em conta para a glória de Deus, benefício da igreja e benção do ministro. Portanto, tenhamos uma visão ministerial à frente do nosso tempo, vislumbrando os frontes eclesiásticos futuros com a mesma capacidade de discernimento espiritual nas tomadas de decisões que tiveram os “filhos de Issacar, destros na ciência dos tempos, para saberem o que Israel devia fazer” antes de sair para a peleja (1Cr 12.32).

Fonte:
Instituto Jetro - Cícero Antonio Araújo

Nenhum comentário:

Todos os comentários serão moderados. Comentários com conteúdo fora do assunto ou do contexto, não serão publicado, assim como comentários ofensivos ao autor.

Tecnologia do Blogger.